Óleo de Coco Extra Virgem pelo menor preço é na Tudo Saudável


Atualizações: Operação Jade Helm

Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 0 Votos - 0 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Até os países mais pobres são roubados por governos locais.
24-05-2018, 10:34 AM (Resposta editada pela última vez em: 24-05-2018 06:47 PM por Cimberley Cáspio.)
Resposta: #1
Até os países mais pobres são roubados por governos locais.
Por Poder360

[Imagem: WestAf-THUMB.png]

ICIJ e mais 13 parceiros na África Ocidental investigaram relações de políticos e empresários em paraísos fiscais


Titulares do governo, comerciantes de armas e corporações desviaram milhões de dólares de nações pobres da África Ocidental por meio de paraísos fiscais, revela uma investigação de jornalistas da região e do ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, na sigla em inglês).

Empresas offshore foram criadas por uma multinacional de engenharia que deixou de pagar milhões em impostos no Senegal, 1 dos países mais pobres do mundo; por um empresário pouco conhecido que ganhou um contrato para construir o maior matadouro da África Ocidental e por um bem-relacionado traficante de armas do Chade. Em diversos casos, as empresas, bem como as transações e contas offshore, não foram declaradas e somente agora estão sendo reveladas em detalhes.

Os achados saíram de um arquivo de quase 30 milhões de documentos, de vários vazamentos de registros financeiros obtidos e compartilhados pelo ICIJ desde 2012.

Das ilhas de areia branca e vulcões rochosos de Cabo Verde aos vastos desertos de Níger, os países da África Ocidental foram saqueados por empresas e indivíduos, enquanto os governantes fizeram pouco para conter o processo.

A África Ocidental corresponde a mais de 1/3 do valor estimado de US$ 50 bilhões que deixa o continente sem registro ou taxação todo ano, segundo a ONU (Organização das Nações Unidas). Sobretudo, uma combinação de corrupção, tráfico de drogas, de armas e de pessoas e outras atividades furtivas de importação e exportação retiram da África de 3 a 10 vezes mais do que o continente recebe de ajuda estrangeira.

“Para regiões pobres do mundo como a África Ocidental, o uso de empresas de fachada, evasão fiscal, planejamento fiscal agressivo, paraísos fiscais e bancos offshore pode ser dramático” na privação e sofrimento que cria, disse Brigitte Alepin, professor de taxação da Universidade de Québec, no Canadá. “Esses países necessitam de recursos públicos, e essas perdas de arrecadação com impostos afetam diretamente os serviços básicos que podem oferecer aos seus cidadãos“.

O dinheiro reaparece em cofres seguros em bancos europeus, bem como em propriedades de primeira linha em condomínios em Nova York ou no calcário suave de edifícios parisienses, longe dos hospitais em colapso e outras construções da África Ocidental. A grana também enche os bolsos de investidores milionários.

O ICIJ se uniu a 13 jornalistas no West Africa Leaks para investigar indivíduos de alto perfil e corporações poderosas na região. A apuração incluiu jornalistas de 6 países onde os repórteres ainda não haviam examinado os arquivos. O material investigado provém dos milhões de arquivos que compõem as 4 base de dados sobre offshores do ICIJ: Offshore Leaks, Swiss Leaks, Panama Papers and Paradise Papers.

DA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE MALI…

Os registros vazados incluem planos secretos de patrimônio imobiliário no Golfo Pérsico de um candidato na eleição presidencial do Mali deste ano; a conta num banco suíço de um amigo íntimo da ditadura hereditária de Togo que controla o patrimônio do país em outros continentes; e uma fundação em Seychelles dirigida por um amigo de infância da vencedora do Nobel da Paz e ex-presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf.

Frequentemente os documentos offshore traçam um cenário parcial do casos financeiros de proeminentes e ricos indivíduos e negócios da África Ocidental. Em vários casos, e-mails, planilhas e contratos não explicam por que uma empresa de gaveta foi criada e quanto dinheiro foi mantido em uma conta offshore de um banco muito distante.

Ainda que os arquivos provejam descobertas raras sobre potentados intocáveis que há muito se beneficiam de regras fiscais frouxas e cortes indolentes em países que sofrem para mantê-las sob escrutínio.

Enquanto várias nações europeias recuperaram pequenas fortunasescondidas em paraísos fiscais por cidadãos e empresas expostas por vazamentos anteriores do ICIJ, nenhum país africano confirmou ter recuperado um centavo depois das revelações anteriores de tesouros offshore.

Ousmane Sonko, um ex-fiscal de impostos de Senegal que é agora membro do Parlamento, disse que muitas autoridades fiscais na África Ocidental são duplamente afligidas: não têm os meios de investigar transações complexas no exterior e, quando os investigadores conseguem algum avanço, os políticos torpedeiam seus pequenos sucessos.

Sonko disse que a situação é piorada pela ignorância geral da importância dos impostos corporativos –ou de qualquer imposto– para a sociedade.

“Quando as pessoas nem sequer entendem o que são impostos, atuar em algo como os Paradise Papers é desafiador“, disse Sonko. “Se você fala sobre paraísos fiscais em alguns países da África, as pessoas vão olhar para você e pensar que você é maluco.”

No Chade, David Abtour, que casou com a irmã de uma ex-mulher do presidente Idriss Déby, criou duas companhias depois de se envolver na negociação de um helicóptero com as Forças Armadas do país.

Abtour se juntou a um chefe da força aérea para ajudar o Chade a comprar helicópteros russos em 2006, relatou o jornalista francês Jacques-Marie Bougret. Foi o começo de uma associação bastante lucrativa entre os líderes do Chade e Abtour.

O Chade, que é classificado como um dos 10 países menos desenvolvidos do mundo, lutava na época contra grupos rebeldes patrocinados pelo Sudão. Em abril de 2006, forças rebeldes e do governo entraram em confronto próximo ao palácio da Assembleia Nacional do Chade em um conflito que deixou centenas de mortos.

O exército do Chade esmagou os rebeldes, que tinham lançado o ataque da região sudanesa de Darfur, com tanques e helicópteros de ataque –artilharia que se mostrou definitiva no pequeno e fragmentário conflito.

Na época, Chade foi declarado o país “mais corrupto” no ranking global de corrupção da Transparência Internacional. O governo de Deby ignorou escolas, estradas e hospitais enquanto despejava milhões de dólares em forças militares.

Políticos e rebeldes disputavam uma arrecadação de bilhões de dólares do boom do petróleo no país, exacerbando a instabilidade. “Os chadianos estão esperando para ver quem tentará pegar o dinheiro e como”, escreveu um colunista convidado pelo New York Times em 2007.

De bases em Chade, Dubai e Paris, Abtour e seus contatos proveram o país com munição em 2007, de acordo com Bougret. Abtour caiu em desgraça em 2008, relatou o jornalista, quando o primeiro-ministro de Chade substituiu o chefe da Defesa.

No ano seguinte, Abtour abriu duas empresas de gaveta no Panamá, de acordo com os Panama Papers. Uma companhia, a Bickwall Holdings Inc., tinha uma conta na Suíça, no HSBC Private Bank. A outra, Tarita Management Corp., usou o UBS. Em ambos os casos, as empresas foram criadas de forma que as ações de Abtour mantivessem sua identidade incógnita. Advogados panamenhos da Mossack Fonseca não mantiveram nenhuma informação sobre as atividades das duas companhias, que foram fechadas em 2013.

Abtour não respondeu aos pedidos de comentário.

Em Níger, e-mail e documentos da investigação Offshore Leaks mostram que um operador pouco conhecido da Nova Zelândia assinou um contrato com autoridades para construir o mais moderno abatedouro refrigerado da África Ocidental. O gado é central para a cultura do país e representa 14% de todos os bens e serviços produzidos.

A construção do abatedouro foi iniciada, mas não foi concluída. Nove anos, 3 processos judiciais e um golpe de Estado depois, não está claro quanto Níger pagou pelo matadouro inexistente nem por que uma obscura empresa offshore venceu o negócio de gado mais lucrativo da região ou se alguma das receitas foi taxada alguma vez.

De acordo com o primeiro-ministro do país na época, Seyni Oumarou, a empresa –Agriculture Africa– e o operador, Bryan Rowe, foram escolhidos por sua “expertise e know-how” e “reputação global”.

“Nunca ouvi falar neles”, disse o professor David Love, um especialista em construção e gestão de abatedouros que trabalha com organizações internacionais e governos, inclusive na África.

Rowe criou 7 empresas nas Ilhas Virgens Britânicas, incluindo a Agriculture Africa Ltd., de acordo com documentos vazados. A companhia foi criada em fevereiro de 2009 e o contrato foi assinado 2 meses depois.

Rowe, cuja experiência prévia era no mercado emergente de telecomunicações, disse ao ICIJ que só a Agriculture Africa e a Global Development Holdings International Ltd. foram operacionais.

Disse que o avanço na construção do abatedouro estava no cronograma até que uma junta militar tomou o governo em fevereiro de 2010. A obra parou. Os novos líderes se recusaram a pagar as contas da Agriculture Africa’s bills pelo trabalho feito desde 2009, afirmou. Rowe não quis comentar quanto a empresa recebeu, citando cláusula de confidencialidade. Também não explicou por que a opção de criar empresas offshore.

Rowe disse que ele venceu 3 processos judiciais em Níger tentando receber pelo trabalho completado em dia, mas que as decisões não foram executadas.

O governo de Níger não respondeu aos questionamentos sobre o abatedouro.

A falta de respostas por parte dos envolvidos foi um desafio entre muitos enfrentados pelos repórteres nos 5 meses do West Africa Leaks.

Quedas recorrentes, duradouras e erráticas de luz e internet dificultam a reportagem em muitos países da África Ocidental. A média de apagões na Nigéria é de 33 por mês, muitos durando 8 horas ou mais. Outro problema é o acesso limitado até aos mais benignos documentos ou registros de comunicação, e autoridades e políticos –até candidatos presidenciais– regularmente se recusam a comentar os casos.

Muitos parceiros do ICIJ foram pressionados a reter a publicação de seus achados sobre líderes empresariais que ameaçaram cortar a publicidade dos respectivos jornais. Repórteres também tiveram dificuldades com equipamentos precários para fazer seu trabalho. Dois jornalistas trabalharam em computadores com defeitos que apagaram cerca de 1/3 da tela.

O ICIJ se uniu ao Norbert Zongo Cell for Investigative Journalism in West Africa (CENOZO), um ONG sem fins lucrativos que apoia colaboradores regionais e recebe financiamento da Open Society Initiative for West Africa, do bilionário e filantropo George Soros.

…À EX-PRESIDENTE DA LIBÉRIA

Apesar das dificuldades, repórteres conectaram muitos poderosos da África Ocidental a contas e empresas offshore. Por exemplo, a 1ª farmacêutica mulher da Libéria, Clavenda Bright-Parker, era a única acionista e diretora de uma companhia em Seychelles, a Greater Putu Foudantion Ltd., de acordo com documentos do Panama Papers.

Bright-Parker foi colega de escola da ex-presidente da Libéria Ellen Johnson Sirleaf. Quando eram adolescentes, em uma noite no cinema, Bright-Parker apresentou a futura presidente a seu futuro marido e mais tarde foi dama de honra no casamento dos 2. Bright-Parker foi também uma embaixadora pessoal da presidente e indicada para presidir a agência reguladora da saúde da Libéria.

Os Panama Papers não descreveram o propósito específico da Greater Putu Foundation Ltd. ou revelaram se a companhia tinha uma conta bancária associada. O papel da offshore de Bright-Parker na Greater Putu Foundation coincide com discordâncias entre a empresa sediada no Canadá encarregada de operar uma mina no país e o governo da Libéria.

A canadense Mano River Resources assinou um acordo para explorar a mina em 2005 e mais tarde vendeu sua parte para para a mineradora e siderúrgica russa Severstal. Moradores e membros do parlamento reclamam há muito que os donos da mina não cumpriram suas promessas de desenvolver a mina.

O cofundador da Mano River Resources, Guy Pas, não descreveu o trabalho de Bright-Parker em detalhes, mas disse em e-mail ao ICIJ que ela foi “recomendada para assumir o cargo” na mina de Putu para “defender seus interesses no mais alto nível” contra a pressão ministerial para que uma companhia maior assumisse o projeto.

“Negociar com o ministério é ‘complicado’ às vezes”, escreveu Pas, adicionando que os representantes do governo nunca pediram dinheiro.

Em contato por telefone, Bright-Parker disse que não tinha conhecimento da companhia de Seychelles e pediu mais detalhes aos repórteres. Ela não respondeu às chamadas posteriores e novos questionamentos por e-mail. Johnson Sirleaf disse que não tinha ciência da Greater Putu Foundation Ltd. e nunca discutiu sobre a mina de Putu com sua amiga.

Outras descobertas sobre a África Ocidental nos arquivos das offshores examinados pelos repórteres destacaram técnicas que empresas estrangeiras usam para reduzir o pagamento de impostos.

A canadense SNC-Lavalin, uma das maiores empresas de construção civil do mundo, beneficiou-se de um acordo controverso para deixar de pagar até US$ 8,9 milhões em impostos para Senegal.

A SNC-Lavalin usou uma empresa nas Ilhas Maurício que não tinha nem empregados nem sede física para realizar pagamentos de US$ 44,7 milhões por uma companhia senegalesa ao longo de 2012. Os pagamentos foram pelo trabalho da SNC-Lavalin para construir uma planta de processamento de areia mineral.

Normalmente, Senegal teria arrecadado 20% em impostos sobre os pagamentos, de acordo com especialistas. Mas um tratado entre Senegal e Ilhas Maurício permite que multinacionais como a SNC-Lavalin deixem de pagar as taxas sobre pagamentos feitos por meio de companhias sediadas nas Ilhas Maurício.

A companhia disse que “estrutura seus negócios de uma maneira que seja fiscalmente eficiente ao mesmo tempo em que permanece em conformidade com todas as leis aplicáveis“. Também negou usar as Ilhas Maurício para se beneficiar do tratado e disse que equilibra a obrigação de pagar impostos com a responsabilidade com os acionistas.

Quem não se beneficia dessa eficiência fiscal? Senegal.

Contribuíram para essa reportagem: Moussa Aksar e Alloycious David.

A tradução é de Mateus Netzel.
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 3 usuários diz(em) obrigado a Cimberley Cáspio pelo seu post:
Inominavel (04-07-2018), Marcelo Almeida (09-07-2018), marcosarierom (24-05-2018)
Emagreça com saúde neste verão - Tudo Saudável Produtos Naturais
09-07-2018, 04:44 PM
Resposta: #2
RE: Até os países mais pobres são roubados por governos locais.
O ladrão não está nem um pouco preocupado se a vítima é pobre ou rica. Ele quer é roubar, matar e destruir.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Marcelo Almeida pelo seu post:
marcosarierom (10-07-2018)
10-07-2018, 12:58 PM
Resposta: #3
RE: Até os países mais pobres são roubados por governos locais.
Os países são pobres exatamente porque os políticos são corruptos e a punição contra eles é precária (como o caso do Brasil), sacou?
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a Nikoloz pelo seu post:
Cimberley Cáspio (10-07-2018), Marcelo Almeida (12-07-2018)
12-07-2018, 09:50 AM
Resposta: #4
RE: Até os países mais pobres são roubados por governos locais.
A maior causa da pobreza é a corrupção.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a Marcelo Almeida pelo seu post:
Cimberley Cáspio (12-07-2018), Nikoloz (12-07-2018)
Compre na Tudo Saudável o autênico chá de amora miura
12-07-2018, 10:56 AM
Resposta: #5
RE: Até os países mais pobres são roubados por governos locais.
Fonte de alimentação do sistema escravista.
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Cimberley Cáspio pelo seu post:
NoNOM (12-07-2018)
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
  O STF deixou Bolsonaro mais próximo da presidência Bruna T 12 2,322 12-07-2018 01:39 PM
Última Resposta: Nikoloz
  PLS 204/2016 Mais um ataque contra a pátria Doc S 30 4,671 05-12-2016 12:33 PM
Última Resposta: Nikoloz
  Partido comunista teria recebido propina em construção de casas para pobres John Dickinson 1 843 19-06-2016 09:18 AM
Última Resposta: Urtiga
  As 15 famílias mais ricas do Brasil, poiam o governo John Dickinson 0 1,546 25-09-2015 07:52 PM
Última Resposta: John Dickinson
  Ex-diretor da Petrobras acusa mais de 40 políticos de corrupção John Dickinson 29 11,452 08-08-2015 03:33 PM
Última Resposta: Minerim

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Publicidade:
Loja de Produtos Naturais Tudo Saudável

Recomende o Fórum


Sites Associados: Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas
Rastreando Chemtrails
Site Notícias Naturais
Fórum Notícias Naturais Blog Anti-Nova Ordem Mundial

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 138 usuários online.
» 0 Membros | 138 Visitantes

Estatísticas do Fórum
» Membros: 20,638
» Último Membro: Byll
» Tópicos do Fórum: 25,494
» Respostas do Fórum: 271,620

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
Não subestime o perigo da guerra comercial de Trump com a China
Última Resposta Por: Bruna T
Hoje 01:09 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 23
Atentado contra Bolsonaro - Informações
Última Resposta Por: DeOlhOnafigueira
Hoje 01:04 AM
» Respostas: 44
» Visualizações: 2477
Por que a esquerda brasileira está muda diante da fome que mata crianças na Venezuela
Última Resposta Por: admin
Ontem 11:03 PM
» Respostas: 28
» Visualizações: 932
Modus Operandi do Jornalismo
Última Resposta Por: ULTRON
Ontem 10:04 PM
» Respostas: 23
» Visualizações: 667
Alguns pontos da entrevista do Bolsonaro na Globo News
Última Resposta Por: Beobachter
Ontem 08:52 PM
» Respostas: 152
» Visualizações: 10135
Somos um povo tipo casal sem vergonha, ou podemos deixar de ser?
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
Ontem 06:23 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 73
É possível hackers invadirem urnas eletrônicas se elas não são conectadas à internet?
Última Resposta Por: Beobachter
Ontem 06:00 PM
» Respostas: 11
» Visualizações: 413
O suposto relatório de 300 páginas que sacudirá a Igreja Católica
Última Resposta Por: NoNOM
Ontem 05:51 PM
» Respostas: 4
» Visualizações: 302
A Origem da Vida
Última Resposta Por: NoNOM
Ontem 05:49 PM
» Respostas: 30
» Visualizações: 1762
Precisamos acabar com a CLT
Última Resposta Por: Marcelo Almeida
Ontem 12:13 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 175
Grupo Bilderberg, o que eles podem estar planejando
Última Resposta Por: Marcelo Almeida
Ontem 10:29 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 298
Últimos acontecimentos ONLINE
Última Resposta Por: DeOlhOnafigueira
Ontem 12:23 AM
» Respostas: 986
» Visualizações: 191176
Candidato Bolsonaro leva facada
Última Resposta Por: CaféSemAçúcar
19-09-2018 08:14 PM
» Respostas: 177
» Visualizações: 10130
ABORTO
Última Resposta Por: Marcelo Almeida
19-09-2018 04:27 PM
» Respostas: 16
» Visualizações: 655
Uruçuí-PI - Epidemia que avança sob o silêncio forçado das vítimas.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
19-09-2018 03:34 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 210
(Importante) III Guerra Mundial
Última Resposta Por: CaféSemAçúcar
19-09-2018 03:11 PM
» Respostas: 690
» Visualizações: 441531
Imposto Justo
Última Resposta Por: tarcardoso
19-09-2018 10:07 AM
» Respostas: 3
» Visualizações: 197
Porta do Inferno - República Gramscista do Brasil
Última Resposta Por: tarcardoso
19-09-2018 09:49 AM
» Respostas: 13
» Visualizações: 753
Maduro banqueteia em restaurante caro enquanto o povo passa fome.
Última Resposta Por: Neo1
18-09-2018 07:12 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 257
Plano dos EUA Para Invasão do Brasil
Última Resposta Por: klanpaia
18-09-2018 06:14 PM
» Respostas: 27
» Visualizações: 22341
Daciolo denuncia Nova Ordem Mundial e pede volta de voto em papel em debate
Última Resposta Por: Nikoloz
18-09-2018 03:42 PM
» Respostas: 52
» Visualizações: 3230
Governo estuda tornar obrigatória vacinação de crianças.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
18-09-2018 03:15 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 130
Grécia:"o sentimento no país é de que não há futuro.O pessimismo chegou para ficar."
Última Resposta Por: Nikoloz
18-09-2018 02:54 PM
» Respostas: 5
» Visualizações: 347
Tudo que está na Wikipédia é confiável?
Última Resposta Por: pablo_hp
18-09-2018 10:10 AM
» Respostas: 2
» Visualizações: 179
Para a NOM, é proibido permitir uma vida decente para todos.
Última Resposta Por: pablo_hp
18-09-2018 09:07 AM
» Respostas: 3
» Visualizações: 251
União Europeia: 84% querem que a Europa pare de mudar o horário no verão!
Última Resposta Por: pablo_hp
18-09-2018 05:20 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 129
Por que a "Conspiração dos Chemtrails" é Real
Última Resposta Por: jonutz
18-09-2018 04:53 AM
» Respostas: 16
» Visualizações: 8123
Muito mais perdeu o Brasil, do que o Museu Nacional.
Última Resposta Por: Kaen Ashura
18-09-2018 12:54 AM
» Respostas: 26
» Visualizações: 1446
[VIDEO] A Máfia dos Transplantes de Órgãos e o Caso Paulinho Pavesi
Última Resposta Por: Bruna T
18-09-2018 12:53 AM
» Respostas: 25
» Visualizações: 26752
Coca-Cola quer adicionar maconha na bebida?
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
17-09-2018 07:37 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 243

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!

Camisetas:
camisetas resista à nova ordem mundial