Chás medicinais você encontra na Tudo Saudável


Atualizações: Operação Jade Helm

Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 3 Votos - 4.67 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
14-02-2016, 03:00 PM
Resposta: #11
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
Dei uma pesquisada e parece que os grandes economistas estão mesmo prevendo um cenário econômico apocalíptico.

Alguns mais pessimistas, outros mais otimistas, mas todos concordam que chegou o fim da linha para o capitalismo.

http://www.diarioliberdade.org/mundo/lab...lista.html

http://www.infomoney.com.br/mercados/not...r-vir-sera

http://www.jb.com.br/economia/noticias/2...a-comecou/
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a Padmé Amidala pelo seu post:
DeOlhOnafigueira (16-02-2016), djaga (16-02-2016), Peter Joseph (14-02-2016), tarcardoso (15-02-2016), Zunim (15-02-2016)
Compre Linhaça Dourada Orgânica pelo Menor Preço na Tudo Saudável!
14-02-2016, 03:09 PM
Resposta: #12
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
Bem quando você vê nas primarias americanas um candidato intitulado socialista logrando êxito justamente na "Meca" do capitalismo é sinal que esse sistema já esta sendo "velado" para posteriormente ser "enterrado".
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a Sanderson S. Pierre pelo seu post:
DeOlhOnafigueira (16-02-2016), Peter Joseph (15-02-2016)
14-02-2016, 04:22 PM (Resposta editada pela última vez em: 14-02-2016 04:43 PM por MARCELO DF.)
Resposta: #13
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
(14-02-2016 03:00 PM)Padmé Amidala Escreveu:  Dei uma pesquisada e parece que os grandes economistas estão mesmo prevendo um cenário econômico apocalíptico.

Alguns mais pessimistas, outros mais otimistas, mas todos concordam que chegou o fim da linha para o capitalismo.

http://www.diarioliberdade.org/mundo/lab...lista.html

http://www.infomoney.com.br/mercados/not...r-vir-sera

http://www.jb.com.br/economia/noticias/2...a-comecou/




Li o artigo do infomoney, segundo link, listado por você.

Concluo que o senhor Jeremy Rifkin deve ser algum tipo de "rertdardo" mental.

Ele acha mesmo que no futuro, ele fala de 2040, o ser humano será liberado de trabalhar e viver um vida de ociosidade?

Que previsão é essa? De que robôs que se autoreplicam e irão minerar, plantar, colher e criar produtos que serão distribuídos de graça para a população, enquanto todos vivem felizes desenhando seus hentais ou jogando video-games, ele fala?

Os que a DARPA produz para matar pessoas e transportar munição de urânio empobrecido?

Ele acha que uma população ociosa iria usar o tempo para começar a pintar aquarelas, estudar textos sumérios antigos, aprender matemática, ou jogar bola todos os dias?

Nem 3% das pessoas fariam algo produtivo para si mesmas. No inicio pode até ser que as pessoas ficariam felizes com a ociosidade mas o que de fato elas fariam de fato é tramar o mal de outras, usar drogas, estuprar, etc. E sabe por qual motivo? As pessoas iriam migrar de um lugar para o outro em busca de "aventuras", afinal onde chegassem tudo seria de graça, a energia seria renovável, logo o transporte das pessoas seria "grátis". Imagine um mundo onde você tem transporte GRÁTIS, comida grátis e pode se deslocar sem empecilho algum.

No Brasil a maioria correria primeiro para o litoral, "viver na praia". E isso levaria a restrição de movimentos; já que tamanha massa de pessoas livres por aí entupiria um espaço muito pequeno, logo depois haveria uma legislação para controlar esse movimento e que teria que ser efetuado através de, para ficar no que sabemos, um chip ( ele apareceu). As pessoas tentariam burlar o sistema de vigilância ( teriam tempo para pensar numa maneira e nenhum sistema é a prova de falhas ) e dessas tentativas haveria retaliações e prisões ( de que tipo não sei, talvez falta de acesso a internet, ou restrição a obter alguns bens ). Não dá nem para imaginar

Ou esse sujeito é lesado ou apenas um Clow que quer trollar todo mundo lançando livros com tais bobagens para hipsters sonharem enquanto escolhem um novo óculos sem lente.

A não ser que ele fale de uma minúscula parcela de alguma população de algum país entre o País de Preste João e Xangri-Lá.
[/quote]
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a MARCELO DF pelo seu post:
Padmé Amidala (14-02-2016), Tarcisio_1 (15-02-2016)
14-02-2016, 05:11 PM (Resposta editada pela última vez em: 14-02-2016 05:40 PM por Padmé Amidala.)
Resposta: #14
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
(14-02-2016 04:22 PM)MARCELO DF Escreveu:  Li o artigo do infomoney, segundo link, listado por você. (...)

Concordo com você!
Por isso disse que tinha opinião para tudo que lado sobre o futuro econômico, uns mais otimistas e outros mais pessimistas, embora todos sejam unânimes sobre o colapso do capitalismo. Ou seja, mesmo quem tem visões diferentes acaba convergindo nesse resultado. Coloquei uma visão de cada e uma que fica mais ou menos no meio termo.

Infelizmente, estou mais na corrente pessimista. Undecided
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 4 usuários diz(em) obrigado a Padmé Amidala pelo seu post:
DeOlhOnafigueira (16-02-2016), MARCELO DF (14-02-2016), Tarcisio_1 (15-02-2016), Urtiga (14-02-2016)
Biscoitos saudáveis e sem glúten
você encontra aqui!
14-02-2016, 07:55 PM (Resposta editada pela última vez em: 14-02-2016 08:02 PM por Peter Joseph.)
Resposta: #15
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
Tenho certeza que caso ocorra de vivermos num mundo de abundância sem necessidade de trabalho obrigatório, não ocorreria isto. Somos fruto do ambiente. Um mundo sem necessidade de competir e brigar por recursos levaria a novos valores positivos e não iguais aos que temos agora. Não existe comportamento desligado do ambiente em que se vive. Ser humanos não é ruim nem bom por natureza.

Pessoas com tempo livre tendem a se dedicar às suas paixões pessoais, muitos vão ter paixões pela ciência, cultura, arte... Claro que um mundo perfeito é impossível, mas seria bem melhor do que o atual.

Bertrand Russell: o ócio e a falácia do trabalho

Por Maurício Angelo

Publicado originalmente em Crimideia

Anos atrás me deparei com o livro “Elogio Ao Ócio”, do pensador britânico Bertrand Russell. O livro é uma compilação de textos escritos por Russell sobre assuntos como trabalho, educação, comportamento, etc. Ao que parece, está esgotado na editora Sextante, pois só pode ser encontrado em sebos como a Traça Virtual (como este exemplar, por módicos 14 reais).

Teve um impacto decisivo em minha vida. Russell é claro, lúcido, argumentador talentoso, capaz de expor as coisas sem fazer uso de retóricas desnecessárias e do estilo “entrecortado” e forçosamente hermético de alguns “filósofos” enganadores da modernidade.

O eixo central do livro é o texto que dá nome à ele: O Elogio Ao Ócio, disponível aparentemente completo aqui, com a ressalva apenas de leves deslizes de tradução que não comprometem em nada sua importância. Com a licença do hiperbolismo, é a única coisa que você precisa ler. Depois pode partir para outros.

Sei que muita gente não lê textos com mais de dois parágrafos. Sintomático. Outros tantos dispensam coisas longas justamente porque a jornada de trabalho e tudo que a envolve toma muito tempo e muita energia vital. Ironia. Parece claro que esta é uma das formas básicas de como o sistema age para manter as coisas como são: tentar retirar ao máximo do ser humano a possibilidade de se dedicar a reflexões que exijam mais do que uma rápida olhadela e uma informação curta, seca, “direta”. Neste sentido, aliás, os “princípios” do jornalismo são a manifestação mais flagrante. A mídia atua como o operário mais incansável do esquema.

Não pensar. Não ter tempo para refletir. Além disso: extirpar desde o nascimento a vontade, o tesão, o interesse, a curiosidade e a dedicação necessária para ultrapassar a mediocridade. Nos deixar confortavelmente anestesiados, acomodados, ignorantes. Cada vez mais. Fazer com que nos contentemos com pouco, muito pouco.

Russell destrói com uma mentira fulcral da sociedade: “o trabalho dignifica o homem”. Mostra como essa falácia histórica contribuiu (e contribui) para o estado das coisas. O texto, escrito no início dos anos 30, soa (infelizmente) atemporal. Podem alegar que o cenário analisado por Russell ainda se concentrava demasiadamente no trabalho físico, na produção de bens materiais, na incipiência da Revolução Industrial. Russell mostra, já naquela época, como a jornada de trabalho (que chegava a 15 horas para um adulto na Inglaterra) poderia ser convertida para 4 hs. Como nos concentrávamos excessivamente no frisson em produzir bens inúteis e dispensáveis.

Fato que muita coisa mudou de lá pra cá. Mas Russell acreditava que quanto mais as máquinas evoluíssem, quanto mais a tecnologia fosse capaz de contribuir para a substituição do trabalho pesado na indústria e demais setores, mais razões existiriam e mais a sociedade poderia caminhar para uma substituição deste tipo de trabalho e mentalidade. É indiscutível que, sim, houve avanços descomunais nesta área nos últimos 80 anos. Ao mesmo tempo em que o capitalismo tratou de manter o mesmo tipo de consciência e o mesmo tipo de jornada excruciante na “era da informação”. Daí a tristeza por constatar que o texto de Russell se mantém atual, presente. Que suas passagens possam falar tão forte e tão diretamente ao que vivemos hoje.

Selecionei alguns trechos essenciais do texto completo:

(…)

Uma das coisas mais comuns que se faz com a poupança é emprestá-la a algum governo. Considerando-se o fato de que a maior parte das despesas públicas de quase todos os governos civilizados consiste nas dívidas das guerras passadas ou na preparação de guerras futuras, quem empresta seu dinheiro ao governo acha-se na mesma posição do vilão que aluga assassinos de Shakespeare. O resultado líquido de seus hábitos econômicos é aumentar as forças armadas do Estado ao qual ele empresta sua poupança. Obviamente, seria melhor gastar o dinheiro, mesmo que fosse com bebida ou no jogo.

(…)

Antes de mais nada: o que é trabalho? Há dois tipos de trabalho: o primeiro, alterar a posição de um corpo na ou próximo à superfície da Terra relativamente a outro corpo; o segundo, mandar outra pessoa fazê-lo. O primeiro tipo é desagradável e mal pago; o segundo é agradável e muito bem pago. O segundo tipo é capaz de extensão indefinida: há não somente aqueles que dão ordens, mas aqueles que dão conselhos sobre que ordens deveriam ser dadas. Geralmente dois tipos opostos de conselhos são dados simultaneamente por dois grupos organizados; a isto se chama política. A habilidade necessária a este tipo de trabalho não é conhecimento dos assuntos sobre os quais são dados conselhos, mas conhecimento da arte da fala e da escrita persuasiva, isto é, da propaganda.

Na Europa, mas não na América, há uma terceira classe de homens, mais respeitada do que qualquer uma das outras classes de trabalhadores. Há homens que, pela propriedade da terra, podem fazer outros pagarem pelo privilégio de poderem existir e trabalhar. Estes proprietários de terras são ociosos, e portanto se esperaria que eu os elogiasse. Infelizmente, a sua ociosidade se torna possível pelo trabalho de outros; de fato, seu desejo pelo ócio confortável é historicamente a fonte de todo evangelho do trabalho. A última coisa que eles desejariam é que outros seguissem o seu exemplo.

(…)

A técnica moderna tornou possível que o lazer, dentro de certos limites, não seja uma prerrogativa de uma pequena classe privilegiada, mas um direito distribuído eqüanimemente pela comunidade. A moral do trabalho é a moral de escravos, e o mundo moderno não precisa da escravidão.

(…)

A técnica moderna tornou possível diminuir enormemente a quantidade de trabalho necessário para assegurar as necessidades vitais para todos. Isto se tornou óbvio durante a Primeira Guerra Mundial. Naquele tempo todos os homens nas forças armadas, e todos os homens e mulheres envolvidos na produção de munição, e todos os homens e mulheres envolvidos com espionagem, propaganda de guerra ou escritórios governamentais relacionados com a guerra foram tirados de ocupações produtivas. Apesar disto, o nível geral de bem-estar entre assalariados não-qualificados do lado dos aliados era mais alto do que antes ou mesmo depois da Guerra. O significado deste fato era escondido pelas finanças: empréstimos fizeram parecer que o futuro estava nutrindo o presente. Mas isto, é claro, seria impossível; um homem não pode comer um pão que não existe. A guerra mostrou conclusivamente que, através da organização científica da produção, é possível manter as populações modernas em razoável conforto com uma pequena parte da capacidade de trabalho do mundo moderno. Se, ao final da guerra, a organização científica que foi criada para liberar homens para as guerras e produção de munição fosse preservada, e as jornada de trabalho fosse reduzida para quatro horas, tudo teria ficado bem. Aos invés disto, o antigo caos foi restaurado, aqueles cujo trabalho era necessário voltaram às longas horas de trabalho, e o restante foi deixado à mingua no desemprego. Por quê? Porque o trabalho é um dever, e um homem não deveria receber salários proporcionalmente ao que produz, mas proporcionalmente à virtude demonstrada em seu esforço.

Esta é a moral do Estado escravista, aplicada em circunstâncias totalmente diferentes daqueles na qual surgiu. Não é surpresa que o resultado tenha sido desastroso.

(…)

A ideia de que os pobres devam ter lazer sempre foi chocante para os ricos. Na Inglaterra, no início do século dezenove, quinze horas era a jornada comum para um homem; algumas vezes crianças trabalhavam tanto quanto, e muito comumente trabalhavam doze horas por dia. Quando alguns intrometidos sugeriram que talvez estas horas fossem exageradas, foi-lhes dito que o trabalho afastava os adultos da bebida e as crianças da marginalidade. (…)

Se o trabalhador comum trabalhasse quatro horas por dia, haveria o suficiente para todos e não haveria desemprego – assumindo um moderado senso de organização. Essa ideia choca os abastados, porque eles estão convencidos de que os pobres não saberiam como usar tanto lazer. Nos Estados Unidos, os homens freqüentemente trabalham longas horas mesmo quando estão bem financeiramente; tais homens, naturalmente, se indignam com a ideia do lazer para assalariados, exceto na forma do cruel castigo do desemprego; de fato, eles não gostam de lazer nem mesmo para seus filhos. Estranhamente, enquanto querem que seus filhos trabalhem tão duro que não tenham tempo para serem civilizados, eles não se importam que suas esposas e filhas não tenham absolutamente nenhum trabalho. A inutilidade esnobe, que em uma sociedade aristocrática se estende a ambos os sexos, é, sob uma plutocracia, confinada às mulheres; isto, entretanto, não a torna mais sensata.

O uso sábio do lazer, deve-se conceder, é produto de civilização e educação. Um homem que tenha trabalhado longas horas a vida inteira fica entendiado se se torna subitamente ocioso. Mas sem considerável quantidade de lazer um homem é privado de muitas das melhores coisas. Não há mais nenhuma razão para que a maior parte da população sofra dessa privação; somente um ascetismo tolo, geralmente paroquiano, nos faz continuar a insistir em excessivas quantidades de trabalho agora que não há mais necessidade.

(…)

Não tentamos fazer justiça econômica, de forma que uma grande proporção da produção total vai para uma pequena minoria da população, e boa parte dela simplesmente não trabalha. Devido à ausência de qualquer controle central sobre a produção, produzimos grande quantidade de coisas que não precisamos. Mantemos uma grande percentagem da população trabalhadora ociosa, porque podemos dispensar seu trabalho dando sobretrabalho a outros. Quando todos estes métodos se provarem inadequados, temos a guerra: colocamos muitas pessoas a fabricar explosivos, e muitas outras para explodi-los, como se fôssemos crianças que recém descobriram os fogos de artifício. Combinando estes mecanismo, somos capazes, com dificuldade, de manter viva a noção de que uma grande quantidade de trabalho manual intenso é o quinhão inevitável do homem comum.

(…)

O fato é que mudar corpos de lugar, ainda que em certa quantidade seja necessário à nossa existência, não é, em absoluto, um dos objetivos da vida humana. Se fosse, teríamos que considerar todo operador de britadeira superior a Shakespeare. Temos sido enganados neste aspecto por duas razões. Uma é a necessidade de manter os pobres aplacados, o que levou os ricos, for milhares de anos, a defender a dignidade do trabalho, enquanto cuidavam eles mesmos de se manterem indignos a este respeito. A outra é o novo prazer no maquinismo, que nos delicia com as espantosas transformações que podemos causar na superfície da Terra. Nenhum destes motivos tem grande apelo ao trabalhador real. Se se pergunta a ele o qual ele acha a melhor parte de sua vida, não é provável que ele dia: “Eu gosto do trabalho manual porque ele me faz sentir que estou fazendo a tarefa mais nobre do homem, e porque eu gosto de pensar o quanto o homem pode transformar o planeta. É verdade que o meu corpo necessitam períodos de descanso, que devo preencher da melhor forma possível, mas eu nunca fico tão feliz quanto quando chega a manhã e eu posso retornar ao trabalho duro do qual provém o meu contentamento”. Eu nunca ouvi trabalhadores dizerem este tipo de coisa. Eles consideram o trabalho como ele deve ser considerado, um meio necessário à sobrevivência, e é de seu lazer que eles obtém qualquer felicidade que possam ter.

Há quem diaga que, enquanto um pouco de lazer é prazeroso, os homens não saberiam como preencher seus dias se tivessem somente quatro horas de trabalho nas suas vinte e quatro horas do dia. Considerar isto uma verdade no mundo moderno é uma condenação de nossa civilização; as coisas nunca foram assim. Havia anteriormente uma capacidade de despreocupação e divertimento que foi de certo modo inibido pelo culto à eficiência. O homem moderno pensa que tudo deve ser feito pelo bem de alguma outra coisa, e nunca por seu próprio bem.

(…)

E A PARTE FINAL, RESUMO COMPLETO E PUNGENTE DO PENSAMENTO DE RUSSELL:

A noção de que as atividades desejáveis são aquelas que trazem lucro é uma inversão da ordem das coisas. O açougueiro que lhe fornece carne e o padeiro que lhe fornece pão são dignos de louvor, porque estão ganhando dinheiro; mas quando se saboreia a comida que eles forneceram, se é frívolo, a não ser que se coma somente para ficar forte para o seu trabalho. Falando de maneira geral, diz-se que ganhar dinheiro é bom e gastar dinheiro é ruim. Vendo que são dois lado de uma transação, isto é absurdo; poderia se dizer que chaves são boas, mas fechaduras são ruins. Qualquer mérito que haja na produção de bens deve ser inteiramente retirado da vantagem a ser obtida consumindo-os. O indivíduo, em nossa sociedade, trabalho pelo lucro; mas a finalidade social do trabalho se baseia no consumo do que ele produz. É este divórcio entre o indivíduo e a finalidade social da produção que torna tão difícil aos homens pensar claramente em um mundo no qual fazer lucro é o incentivo da indústria. Pensamos demais na produção, e de menos no consumo. Um resultado é que atribuímos muito pouca importância ao divertimento e à simples felicidade, e que não julgamos a produção pelo prazer que ela proporciona ao consumidor.

Quando sugiro que a jornada de trabalho deveria ser reduzida para quatro horas, não quero dizer que todo o tempo restante deveria necessariamente ser gasto em frivolidade pura. Quero dizer que um dia de trabalho de quatro horas deveriam ser suficientes para as necessidades e confortos elementares da vida, e que o resto de seu tempo deveria ser seu para usá-lo como achasse conveniente. É uma parte essencial em qualquer sistema social que a educação deva ser levada além do que normalmente é no presente e deveria por objetivo, em parte, prover gosto que iriam tornar um homem apto a usar o lazer inteligentemente. Não estou pensando aqui no tipo de coisa que seria considerada “intelectualizada”. Danças camponesas desapareceram exceto em remotas áreas rurais, mas os impulsos que levaram ao seu cultivo ainda devem existir na natureza humana. Os prazeres das populações urbanas se tornaram na maior parte passivos: ver filmes no cinema, assistir jogos de futebol, escutar rádio, e assim por diante. Isto resulta do fato de que suas energias ativas são totalmente gastas com o trabalho; se tivessem mais lazer, iriam aproveitar novamente os prazeres nos quais tem um papel ativo.

No passado havia uma pequena classe ociosa e uma grande classe trabalhadora. A classe ociosa desfrutava de vantagens para as quais não havia base em justiça social; isto necessariamente as fez opressivas, limitou sua simpatia, e levou à invenção de teorias para justificar seus privilégios. Isto fez diminuir enormemente a sua excelência, mas apesar disto elas contribuíram com quase tudo do que chamamos de civilização. Ela cultivou as artes e descobriu as ciências; escreveu os livros, inventou as filosofias, e refinou as relações sociais. Mesmo a libertação dos oprimidos foi geralmente iniciada de cima. Sem a classe ociosa, a humanidade nunca teria emergido da barbárie.

O método da classe ociosa sem deveres, entretanto, gerou enormes desperdícios. Nenhum de seus membros tinha que aprender a ser trabalhador, e a classe como um todo não era excepcionalmente inteligente. A classe podia produzir um Darwin, mas a ele se opunham dezenas de milhares de proprietários rurais que nunca pensavam em nada mais inteligente do que caçar à raposa e punir invasores de propriedades. No presente, espera-se que as universidades forneçam, de forma mais sistemática, o que a classe ociosa fornecia acidentalmente e como um subproduto. Isto é um grande avanço, mas tem certas desvantagens. A vida universitária é tão diferente da vida do mundo exterior que os homens que vivem no meio acadêmico tendem a ficar alheios das preocupações e problemas de homens e mulheres comuns; além disso, suas formas de se expressar é geralmente tal que rouba de suas opiniões a influência que elas deveriam ter no público em geral. Outra desvantagem é que nas universidades os estudos são organizados, e o homem que pensa sobre alguma pesquisa original provavelmente será desencorajado. As instituições acadêmicas, portanto, úteis como são, não são guardiãs adequadas para os interesses da civilização em um mundo onde todos fora de seus muros estão ocupados demais para objetivos não-utilitários.

Em um mundo em que ninguém seja compelido a trabalhar mais do que quatro horas por dia, todas as pessoas que possuíssem curiosidade científica seriam capazes de satisfazê-la, e todo pintor seria capaz de pintar sem passar por privações, qualquer que seja a qualidade de suas pinturas. Jovens escritores não precisarão procurar a independência econômica indispensável às grandes obras, para as quais, quando a hora finalmente chega, terão perdido o gosto e a capacidade. Homens que, em seu trabalho profissional, tenham se interessado em alguma fase da economia ou governo, serão capazes de desenvolver suas idéias sem a distância acadêmica que faz o trabalho de economistas universitários freqüentemente parecer fora da realidade. Médicos terão tempo para aprender sobre o progresso da medicina, professores não estarão lutando exasperadamente para ensinar por métodos rotineiros coisas que aprenderam na juventude, que podem, no intervalo, terem se revelado falsas.

Acima de tudo, haverá felicidade e alegria de viver, ao invés de nervos em frangalhos, fadiga e má digestão. O trabalho exigido será suficiente para tornar o lazer agradável, mas não suficiente para causar exaustão. Uma vez que os homens não ficarão cansados em seu tempo livre, eles não exigirão somente diversões passivas e monótonas. Ao menos um por cento provavelmente devotará o tempo não gasto no trabalho profissional para objetivos de alguma importância pública e, como não dependerão destes objetivos para viver, sua originalidade não será tolhida, e não haverá necessidade de adaptar-se aos padrões estabelecidos pelos velhos mestres.

Mas não é somente nestes casos excepcionais que as vantagens do lazer aparecerão. Homens e mulheres comuns, tendo a oportunidade de uma vida feliz, se tornarão mais gentis, menos persecutórios e menos inclinados a ver os outros com desconfiança. O gosto pela guerra desaparecerá, parcialmente por esta razão, e parcialmente porque ele envolverá trabalho longo e severo para todos. A boa índole é, de todas as qualidades, a que o mundo mais precisa, e boa índole é o resultado de segurança e bem-estar, não de uma vida de árdua luta. Os métodos modernos de produção nos deram a possibilidade de bem-estar e segurança para todos; escolhemos, ao invés disso, ter sobretrabalho para alguns e privação para outros. Ainda somos tão energéticos quanto éramos antes do surgimento das máquinas; neste aspecto temos sido tolos, mas não há razão para continuarmos sendo tolos para sempre.

https://blog.movimentozeitgeist.com.br/b...-trabalho/
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 6 usuários diz(em) obrigado a Peter Joseph pelo seu post:
MARCELO DF (16-02-2016), Padmé Amidala (14-02-2016), Sunabouzu (19-02-2016), tarcardoso (15-02-2016), Trust Noone (01-06-2016), Unk (14-02-2016)
14-02-2016, 10:18 PM (Resposta editada pela última vez em: 14-02-2016 10:29 PM por Padmé Amidala.)
Resposta: #16
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
(14-02-2016 07:55 PM)Peter Joseph Escreveu:  Tenho certeza que caso ocorra de vivermos num mundo de abundância sem necessidade de trabalho obrigatório, não ocorreria isto. Somos fruto do ambiente. Um mundo sem necessidade de competir e brigar por recursos levaria a novos valores positivos e não iguais aos que temos agora. Não existe comportamento desligado do ambiente em que se vive. Ser humanos não é ruim nem bom por natureza.

Pessoas com tempo livre tendem a se dedicar às suas paixões pessoais, muitos vão ter paixões pela ciência, cultura, arte... Claro que um mundo perfeito é impossível, mas seria bem melhor do que o atual.

Mas será que realmente haveria abundância? E essa adaptação seria a longo prazo ou você acha que as primeiras gerações já se adaptariam? Muitas pessoas já utilizam bem o seu ócio, mas nem todas, talvez a maioria não, não sei... Tem gente que trabalha bastante e no entanto utiliza bem o tempo livre, e muitas pessoas que têm tempo livre não encontram nada de bom para fazer.

Não gosto de ser pessimista, mas às vezes tenho que fazer um grande esforço para imaginar os seres humanos se ajudando mutuamente, cooperando e cuidando do planeta.
Espero que você e o economista realmente estejam certos! Smile
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a Padmé Amidala pelo seu post:
Peter Joseph (15-02-2016), Tarcisio_1 (15-02-2016)
14-02-2016, 11:54 PM
Resposta: #17
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
Alain de Benoist - Confrontando a Globalização
por Alain de Benoist(1)

Tudo mundo está falando sobre globalização, um fenômeno ainda mais significativo por ser geralmente considerado inevitável e além do controle de qualquer um. O que isso significa? Ainda que haja muitas obras sobre este tema(2), o conceito permanece confuso. Para alguns, globalização é um desenvolvimento para além do Estado-Nação. Para outros, ela define um novo tipo de oposição entre capital e trabalho trazido pela ascensão do capital financeiro, ou uma nova separação entre trabalho especializado e trabalho não-especializado. Alguns a veem como a expansão do comércio mundial com a inclusão de novos jogadores do Sul (acompanhada pela estratégia de globalização de corporações multinacionais), enquanto outros enfatizam a ampliação de trocas causada pela revolução informacional. O que ela é realmente?

Em primeiro lugar, a globalização cultural deve ser distinguida da globalização econômica. Estes dois fenômenos se sobrepõem, mas não são a mesma coisa. Um dos traços mais óbvios da globalização econômica é a explosão das trocas financeiras. Hoje, o comércio internacional cresce mais rápido do que vários PNBs. Em 1990, as trocas internacionais eram já 15% dos negócios mundiais. Em apenas 5 anos, de 1985 a 1990, as exportações aumentaram em 13.9%. Entre 1960 e 1989, a troca de produtos manufaturados dobrou enquanto o fluxo de capital quadruplicou. Durante este tempo a natureza do fluxo financeiro mudou: o desenvolvimento contínuo do investimento estrangeiro direto foi acompanhado pela disponibilidade de capital de curto prazo. Esses investimentos diretos também estão crescendo mais rápido do que a riqueza mundial. A taxa anual de crescimento passou de 15% entre 1970 e 1985 para 28% de 1985 a 1990, enquanto durante este período os investimentos diretos quadruplicaram em volume, passando de 43 bilhões de dólares em 1985 para 167 bilhões em 1990. Uma economia global emergiu com uma fatia cada vez maior do PNB diretamente dependente das trocas estrangeiras e do fluxo de capital internacional.

O outro fator importante é obviamente o papel crescente dos computadores e eletrônicos. Ao reduzir os custos de transações de longa distância e permitindo a comunicação em "tempo real" em qualquer lugar do mundo, assim fornecendo instantaneamente informação crucial para a estruturação de preços, informação que costumava levar semanas para alcançar uns poucos centros financeiros, as novas tecnologias de comunicação tornaram possível um fluxo financeiro sem precedentes. O sol não mais se põe sobre os mercados de ações interligados. A moeda vai de uma ponta do globo à outra, procurando pelos melhores retornos na velocidade da luz. Essa globalização, porém, é exclusivamente financeira: o mercado monetário é o único no qual a arbitragem instantânea faz sentido.
INTEGRA AQUI - http://legio-victrix.blogspot.com.br/
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a GU4RD1ÃO pelo seu post:
Padmé Amidala (15-02-2016), Peter Joseph (15-02-2016)
Produtos de Higiene naturais você encontra na Tudo Saudável
15-02-2016, 09:45 AM
Resposta: #18
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
Uma revolução é sem via de dúvidas necessária, o mundo precisa mudar isto é certo. Devemos mudar radicalmente de forma que sejamos mais socialista. Uma função existe para todos, mas o erro ocorre na má administração. Vivemos uma distopia que ilude a todos que estão em cima da pirâmide e subjungam a todos que vivem em sua base, sustentando o luxo.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a spyroots pelo seu post:
DeOlhOnafigueira (16-02-2016), MARCELO DF (15-02-2016)
15-02-2016, 10:44 AM (Resposta editada pela última vez em: 15-02-2016 10:46 AM por Peter Joseph.)
Resposta: #19
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
(14-02-2016 10:18 PM)Padmé Amidala Escreveu:  
(14-02-2016 07:55 PM)Peter Joseph Escreveu:  Tenho certeza que caso ocorra de vivermos num mundo de abundância sem necessidade de trabalho obrigatório, não ocorreria isto. Somos fruto do ambiente. Um mundo sem necessidade de competir e brigar por recursos levaria a novos valores positivos e não iguais aos que temos agora. Não existe comportamento desligado do ambiente em que se vive. Ser humanos não é ruim nem bom por natureza.

Pessoas com tempo livre tendem a se dedicar às suas paixões pessoais, muitos vão ter paixões pela ciência, cultura, arte... Claro que um mundo perfeito é impossível, mas seria bem melhor do que o atual.

Mas será que realmente haveria abundância? E essa adaptação seria a longo prazo ou você acha que as primeiras gerações já se adaptariam? Muitas pessoas já utilizam bem o seu ócio, mas nem todas, talvez a maioria não, não sei... Tem gente que trabalha bastante e no entanto utiliza bem o tempo livre, e muitas pessoas que têm tempo livre não encontram nada de bom para fazer.

Não gosto de ser pessimista, mas às vezes tenho que fazer um grande esforço para imaginar os seres humanos se ajudando mutuamente, cooperando e cuidando do planeta.
Espero que você e o economista realmente estejam certos! Smile

Esta abundância e liberdade, se acontecerem, dificilmente ocorrerá de forma natural/expontânea como propõe o senhor Rifkins (ele de fato é muito otimista). Provavelmente só por meio da pressão da sociedade e de movimentos que tenham isto como objetivo declarado. Para entender como seria possível e como poderia funcionar, sugiro fortemente a leitura deste livro e documentário, ambos disponibilizados gratuitamente:

Livro => http://www.umanovaformadepensar.com.br
Doc. legendado => https://www.youtube.com/watch?v=Yb5ivvcTvRQ
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Peter Joseph pelo seu post:
Padmé Amidala (15-02-2016)
15-02-2016, 12:04 PM
Resposta: #20
RE: [COLAPSO] Fim do Capitalismo chegou!
Obrigada pela indicação! Com certeza vou ler!Smile

É... a única certeza é que precisamos urgentemente mudar nossos conceitos, nossos sistemas e nossa relação uns com os outros e com o ambiente!
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Padmé Amidala pelo seu post:
Peter Joseph (15-02-2016)
Você encontra o Sal Rosa do Himalaya pelo menor preço na Tudo Saudável
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
  A dívida pública poderá levar o Brasil ao colapso econômico. Anonymous_T.ron 11 1,170 28-09-2017 06:17 PM
Última Resposta: Sanderson S. Pierre
  [Colapso Econômico] Economia em frangalhos John Dickinson 7 2,523 31-05-2017 07:56 PM
Última Resposta: Doc S
  Capitalísmo aprontando das suas na India Xevious 10 1,993 03-02-2017 01:07 PM
Última Resposta: Xevious
  Não verta lágrimas pelo capitalismo Peter Joseph 3 1,427 05-10-2016 04:35 PM
Última Resposta: Peter Joseph
  Mundo a caminho do colapso John Dickinson 8 4,638 10-03-2016 04:24 PM
Última Resposta: Álvaro

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Publicidade:
Loja de Produtos Naturais Tudo Saudável

Recomende o Fórum


Sites Associados: Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas
Rastreando Chemtrails
Site Notícias Naturais
Fórum Notícias Naturais Blog Anti-Nova Ordem Mundial

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 123 usuários online.
» 4 Membros | 119 Visitantes
FaNtOmAs, marcosarierom, Nikoloz, OfimDoComeço

Estatísticas do Fórum
» Membros: 20,087
» Último Membro: O Mensageiro
» Tópicos do Fórum: 24,590
» Respostas do Fórum: 263,580

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
Como detectar MAVs e bloquear
Última Resposta Por: pequeno gafanhoto
Hoje 09:03 AM
» Respostas: 19
» Visualizações: 1731
O que está por trás das mentiras de Guga Chacra e da imprensa em geral
Última Resposta Por: tarcardoso
Hoje 08:35 AM
» Respostas: 10
» Visualizações: 851
Trump abrindo documentos sobre JFK. Os Aliens e Deep State
Última Resposta Por: CaféSemAçúcar
Hoje 12:50 AM
» Respostas: 19
» Visualizações: 3170
Canal "Ciência de Verdade" Anti Globalista, Perseguido
Última Resposta Por: Unk
Hoje 12:21 AM
» Respostas: 40
» Visualizações: 2121
Barrações e constrangimento não impedem o aumento migratório de brasil.p/ Portugal.
Última Resposta Por: Bruna T
Ontem 10:42 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 253
O Mito da Urna Eletrônica
Última Resposta Por: gidnet
Ontem 10:25 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 75
[Opinião] Delação Premiada
Última Resposta Por: SE7MUS
Ontem 10:15 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 45
Asgardia: Proposta de Nação Espacial
Última Resposta Por: Binho C.R.
Ontem 09:57 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 303
O que aconteceria se a Terra de repente ficasse plana
Última Resposta Por: Bruna T
Ontem 09:19 PM
» Respostas: 34
» Visualizações: 3026
O Último Dia De Gandhi - Outro Pedófilo?
Última Resposta Por: Infinite
Ontem 02:32 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 6813
Restauração da Pátria. Um trabalho de grande exaustão e profissionalismo ao extremo.
Última Resposta Por: tarcardoso
Ontem 02:06 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 673
Brasil: onde a vida humana é desprezada, odiada, perseguida e discriminada.
Última Resposta Por: Guigo Xavier
Ontem 12:52 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 874
Lobos em Peles de Cordeiro: como o Público foi Enganado no Socialismo
Última Resposta Por: Bogoton
Ontem 11:04 AM
» Respostas: 21
» Visualizações: 6210
Últimos acontecimentos ONLINE
Última Resposta Por: Nelson Ferreira
Ontem 09:18 AM
» Respostas: 611
» Visualizações: 137935
Cientistas descobrem espaço vazio escondido na Grande Pirâmide de Gizé
Última Resposta Por: Infinite
19-11-2017 11:48 PM
» Respostas: 18
» Visualizações: 1818
O Estado não necessita do imposto. Ele é viciado em arrecadar.
Última Resposta Por: pablo_hp
19-11-2017 06:23 PM
» Respostas: 5
» Visualizações: 581
Onde foi parar a sua testosterona?
Última Resposta Por: Elenin20182024
19-11-2017 01:23 PM
» Respostas: 52
» Visualizações: 9042
Maduro nomeia chefe de narcotráfico como negociador da dívida externa do país.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
19-11-2017 01:22 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 180
Caixões da FEMA: Estocados para a Eliminação de Corpos Durante uma Pandemia?
Última Resposta Por: pequeno gafanhoto
19-11-2017 12:25 PM
» Respostas: 24
» Visualizações: 14745
Terra Chata? Uma Nova Teoria sobre o Polo Sul
Última Resposta Por: Elenin20182024
19-11-2017 12:03 PM
» Respostas: 402
» Visualizações: 69332
Sobrevivencialismo: Conceito e Principais Postulados
Última Resposta Por: Nikoloz
19-11-2017 10:59 AM
» Respostas: 16
» Visualizações: 9613
IA o Exterminador do futuro?!
Última Resposta Por: CaféSemAçúcar
19-11-2017 12:01 AM
» Respostas: 26
» Visualizações: 5615
Canal da Nicarágua: força aérea russa faz patrulhamento constante.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
18-11-2017 06:55 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 185
Travesti Talita Oliveira denuncia movimento LGBT e gays extremistas
Última Resposta Por: Nelson Ferreira
18-11-2017 02:49 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 5143
Brasil Paralelo
Última Resposta Por: Elenin20182024
18-11-2017 12:19 PM
» Respostas: 12
» Visualizações: 4782
SIONISMO: A verdadeira face do mal
Última Resposta Por: Elenin20182024
18-11-2017 11:00 AM
» Respostas: 42
» Visualizações: 17035
Forças Armadas: se e é pra fazer, que faça completo e não pela metade
Última Resposta Por: Elenin20182024
18-11-2017 09:31 AM
» Respostas: 21
» Visualizações: 1688
Áudio Divulgado pelo GAR Retratando Intervenção Militar da Esquerda no Brasil
Última Resposta Por: Elenin20182024
18-11-2017 09:31 AM
» Respostas: 69
» Visualizações: 74131
O ATAQUE TOTAL:Maçonaria,Jesuitas,Rothschilds,GCA,PGM,SGM.(Mega-Post)
Última Resposta Por: OfimDoComeço
17-11-2017 10:30 PM
» Respostas: 3
» Visualizações: 1110
Turquia plantou com o Estado Islâmico, agora colhe o resultado.
Última Resposta Por: Nelson Ferreira
17-11-2017 07:32 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 193

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!

Camisetas:
camisetas resista à nova ordem mundial