Compre o Melhor do Mel e Derivados na Tudo Saudável


Atualizações: Operação Jade Helm

Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 5 Votos - 3.8 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Epidemia de abusos sexuais no transporte público
26-03-2014, 05:59 PM (Resposta editada pela última vez em: 26-03-2014 06:13 PM por Lord Ravenous.)
Resposta: #1
Epidemia de abusos sexuais no transporte público
Como se já não bastassem todos os problemas relacionados à precariedade generalizada dos transportes públicos, agora as mulheres estão sendo abusadas dentro de ônibus e metrôs. Isso já ultrapassou os limites da insanidade! Cada vez mais as os direitos e a liberdade das mulheres são prejudicados por uma cultura doentia que legitimam esses atos grotescos como simples expressão da "virilidade" masculina ou do "direito incondicional ao sexo".

Além disso, há quem diga que: "não existe machismo, nem cultura do estupro no Brasil. E a culpa pelos abusos é delas".


Atenção! O conteúdo do texto é bem forte.

Citar:SP: epidemia de molestadores sexuais no transporte público

Fonte: Outras palavras

Prisões após abusos e surgimento de comunidades de “encoxadores” nas redes sociais alertam para problema, ampliado pela sobrelotação do metrô e trens

“Cheguei na morena deliciosa e meti a mão por baixo. Ela fez cara de que não gostou, mas ficou toda molhadinha”. Assim um arrogante e pretensioso internauta cuja identidade estava protegida por um perfil falso relata aos colegas da comunidade “Encoxadores e Encoxadoras”, retirada do Facebook na última semana, o assédio que teria cometido contra uma mulher em uma estação de trem naquele mesmo dia. Além dos relatos, a comunidade virtual reúne fotos de decotes ou tiradas por baixo das saias de mulheres com celulares, além de vídeos de diversas nacionalidades com imagens de homens esfregando-se ou apalpando mulheres constrangidas e subjugadas no transporte coletivo.

A comunidade é apenas uma das dezenas que divulgam e incentivam usuários do sistema público de transporte a aproveitar a superlotação em trens, ônibus e metrôs para assediar sexualmente sem medo de ser pegos, e que, desde que se tornaram notórias, estão na mira da polícia, dos governos e de organizações feministas.

A ação desses grupos foi revelada a partir da prisão de um homem por estupro na Estação da Luz, na Linha 1-Azul, em 17 de março. Ele chegou a colocar o pênis para fora e ejacular na calça da vítima, que gritou por socorro e foi salva de uma agressão mais grave pelos demais passageiros do trem. Assim que foi preso, ele se identificou como universitário.

Por mais grotesca que seja, a situação não é rara no transporte coletivo paulista. Mas marcou um novo momento da caçada aos assediadores: ele foi o primeiro a admitir publicamente que suas ações foram motivadas pelas publicações de comunidades online. Na quarta-feira (19), um engenheiro e um administrador de empresas também foram presos por apalpar uma mulher e por filmar partes íntimas de uma passageira com o celular. Ambos apontaram para comunidades virtuais no Facebook e no Whatsapp, aplicativo de chat para celulares, como “inspiradores” da ação. Só neste ano, a Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom) contabilizou 17 ocorrências de mulheres molestadas em composições da CPTM e do Metrô.

Destas, 16 foram registradas como importunação ofensiva ao pudor e uma como estupro.

Desde então, o número de comunidades no Facebook despencou, fechadas pelos próprios usuários, temerosos de investigação das polícias Civil de São Paulo e Federal provocadas por denúncias de mulheres e de organizações feministas. Mas continuam no Whatsapp, onde usuários que não tiverem sido convidados ao grupo por um dos integrantes não conseguem ver a troca de mensagens, e os “encoxadores” se sentem mais protegidos.

“A sociedade tem de demonstrar todos os dias que o Brasil e o povo brasileiro têm tolerância zero com a violência contra a mulher”, resume Aparecida Gonçalves, secretária nacional de Enfrentamento à Violência da Secretaria de Políticas para as Mulheres, do governo federal. “E é, sim, violência contra a mulher, independentemente do que digam os perpetuadores dessa prática. É impossível dissociar a ação desses indivíduos das demais agressões físicas e psicológicas das quais as mulheres são vítimas. São todas parte de um mesmo desprezo pelos direitos do próximo. É crime. Sempre que existe interação sexual não consensual é crime, e eles têm de ser individualmente responsabilizados por isso”, completa.

No Brasil, entre 2001 a 2011, estima-se que ocorreram mais de 50 mil feminicídios: ou seja, em média, 5.664 mortes de mulheres por causas violentas a cada ano, 472 a cada mês, 15,52 a cada dia, ou uma morte a cada 1h30, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Em São Paulo, a média de estupros é de 37 por dia, embora esse número possa ser maior: como as delegacias da mulher funcionam apenas entre as 9h e as 19h, vítimas que sofrem o estupro de madrugada, por exemplo, acabam desistindo de fazer a denúncia no dia seguinte; a opção seria buscar uma delegacia de plantão, onde o atendimento é feito por homens sem treinamento para lidar com esse momento psicológico.

Aparecida reforça que as mulheres não podem se calar quando forem assediadas, e que têm de buscar as autoridades para coibir o abuso. “Elas têm de buscar a polícia, a autoridade do transporte público, e denunciar. Elas devem também ligar para o 180, do governo federal, que recebe denúncias. Não é um número apenas para os casos que se enquadram na Lei Maria da Penha, mas para todo tipo de violência contra a mulher”, ressalta.

À reportagem da RBA, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) afirmou que “repudia” os ataques a mulheres, e que mantém câmeras de vigilância para identificar os assediadores, além de funcionários homens e mulheres à paisana para pegar os “encoxadores” em flagrante.

Segundo a secretária de Políticas para a Mulher da prefeitura de São Paulo, Denise Motta Dau, embora o papel do poder público municipal seja limitado em assuntos de segurança pública, a prefeitura também pode adotar medidas para coibir a ação dos assediadores, como câmeras nos ônibus, mas o principal é registrar os casos e investir em prevenção.

“Nós precisamos, hoje, de um registro de denúncias. Porque se você tem em mãos, olha, em tal linha de ônibus foram tantos ataques neste mês, nesta semana, você começa a incomodar mais, a ter mais condição de enfrentar. Agora, toda a comunicação que recebermos vamos encaminhar imediatamente para a Secretaria de Segurança Pública do estado, para apuração. Mas o que resolve mesmo é educação, para prevenir esse tipo de mentalidade”, pondera.

Independentemente de soluções de longo prazo, a professora Carla Cristina Garcia, pós-doutorada em relações de gênero e professora da pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica (PUC), avalia que esse tipo de manifestação pública de apologia ao assédio sexual pode ser fruto do refluxo causado pelas conquistas feministas das últimas décadas.

“Há ondas em que isso aparece mais e aparece menos, mas não é um problema novo. Se está epidêmico ao ponto de você ter grupos na internet, de homens, de ‘machões’ contra o feminismo, enfim, é uma representação dessa onda conservadora na sociedade. Estamos conversando em uma quinta-feira que antecede uma Marcha Da Família no sábado; você tem no Congresso uma bancada evangélica e outros conservadores que atacam os direitos LGBT e da mulher de forma muito agressiva, isso se acumula”, pondera.

Embora não se diga favorável à separação de homens e mulheres no transporte coletivo, Carla Cristina se diz favorável à medida para evitar abusos graves. “Infelizmente, como medida paliativa, pode ser necessário para garantir a integridade das mulheres”, afirma. Atualmente, a Assembleia Legislativa de São Paulo analisa projeto que cria o carro exclusivo para mulheres, geralmente o primeiro vagão do trem, mas o caráter segregador da medida é polêmico.

Em 1995, a CPTM tentou aplicar o que chamou de “carro cor-de-rosa” na Linha 10, mas recuou apenas três meses depois por encontrar dificuldade para abrigar todas as mulheres nesses vagões: elas são 58% dos usuários do transporte público. A medida está em funcionamento atualmente no Rio de Janeiro e no Distrito Federal.

Uma enquete realizada pelo blog Feminismurbana entre o fim de 2013 e fevereiro de 2014 com 300 mulheres que vivem em cidades com o vagão exclusivo revela que as usuárias do sistema se dividem entre as que são a favor como medida paliativa, mas cobram outras ações para coibir o assédio (42%) e as que condenam o fato de que o “carro cor-de-rosa” é uma medida pune a vítima em vez de ensinar o homem a não assediar as mulheres (40%).

Colaboração dos usuários

Depois da ocorrência de estupro, a CPTM e o Metrô pediram, em nota, a cooperação dos usuários para identificar e denunciar práticas de constrangimento e comportamentos inadequados no interior dos trens.

Os usuários devem denunciar os suspeitos imediatamente a algum agente de segurança. Outra opção é mandar um torpedo para o SMS-Denúncia, que garante total anonimato do passageiro. No Metrô, o número é 9 7333-2252. Já a CPTM tem disponível o celular 9 7150-4949 ou o telefone 0800 055-0121.

PS do Viomundo: Foi horrível, ao fazer uma série sobre transporte público para o Jornal da Record, constatar o nível de abusos. Há bandidos que esperam o trem com hora marcada com o objetivo de cercar determinadas vítimas. Há outros que não embarcam enquanto não selecionam a mulher na qual querem encostar. Vi uma cena constrangedora dentro do Metrô, a tal ponto que disse a um marmanjo para, por favor, dar espaço a uma jovem que tentava escapar do cerco. Quando as mulheres gritam, em geral os passageiros expulsam do vagão o acusado. Obviamente, isso só é possível porque as autoridades brasileiras acham normal que os contribuintes sejam transportados feito gado na hora do rush. Este assunto é gravíssimo e exige ação imediata das autoridades.

"Quando é preciso escolher entre a economia e a democracia,
nosso dever é salvar a economia."

Henry Kissinger

Se os esquerdistas tem aversão a meritocracia, quem faz dela algo exemplar?

Guinaldo
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a Lord Ravenous pelo seu post:
Alimah (01-04-2014), Droid Z (27-03-2014), Eduardo - Unholy Confessions (27-03-2014), Guinaldo (28-03-2014), Vanessa_Michael (18-05-2014)
Desodorante Bion Vitta sem Alumínio ou Triclosan Você Encontra na Tudo Saudável Produtos Naturais
26-03-2014, 07:22 PM (Resposta editada pela última vez em: 26-03-2014 07:28 PM por Bill Goldberg.)
Resposta: #2
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
Não defendo de forma alguma aqueles que praticam os abusos estes sujeitos devem ser punidos.Mas quero deixar minha opnião a respeito do assunto, Bem sabemos que estes sujeitos são em grande maioria homens ignorantes desprovidos de conhecimento e respeito. Por isso deixo um alerta aos ditos "estudados" os que tem conhecimento e respeito, com tanto estimulo sexual vide própria recorde em suas novelas aonde um homen arrebenta a porta entra na casa agarra a mulher a força e está gosta "eu vi em sua novela", que tipo de ensino estão deixando? E as próprias mulheres porque usam roupas ousadas não sabem que é da natureza do homen desejar suas curvas?? Então Para quem, para oque se exibem? Então não reclame se um sujeito a agarre porque não tem controle sobre seus impulsos selvagens pois estão cutucando a onça com vara curta.Nem todos os homens tem auto controle.Eu não justifico os atos mas aponto uma das causas. Homens conquiste-a se a deseja.E mulheres mais comportamento na vestimenta se não querem atenção. O estado não pode resolver tudo.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 6 usuários diz(em) obrigado a Bill Goldberg pelo seu post:
Anonymous_T.ron (21-05-2014), Droid Z (27-03-2014), John Wesley (29-03-2014), Neo1 (17-07-2017), Rox Extreme (28-03-2014), sleber (27-03-2014)
27-03-2014, 12:18 PM
Resposta: #3
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
(26-03-2014 07:22 PM)Bill Goldberg Escreveu:  Não defendo de forma alguma aqueles que praticam os abusos estes sujeitos devem ser punidos.Mas quero deixar minha opnião a respeito do assunto, Bem sabemos que estes sujeitos são em grande maioria homens ignorantes desprovidos de conhecimento e respeito. Por isso deixo um alerta aos ditos "estudados" os que tem conhecimento e respeito, com tanto estimulo sexual vide própria recorde em suas novelas aonde um homen arrebenta a porta entra na casa agarra a mulher a força e está gosta "eu vi em sua novela", que tipo de ensino estão deixando? E as próprias mulheres porque usam roupas ousadas não sabem que é da natureza do homen desejar suas curvas?? Então Para quem, para oque se exibem? Então não reclame se um sujeito a agarre porque não tem controle sobre seus impulsos selvagens pois estão cutucando a onça com vara curta.Nem todos os homens tem auto controle.Eu não justifico os atos mas aponto uma das causas. Homens conquiste-a se a deseja.E mulheres mais comportamento na vestimenta se não querem atenção. O estado não pode resolver tudo.

Sabe o que é mais triste a Rede bobo falando em educação sendo que a mesma incentiva a falta de educação e alienação uma contradição tremenda por parte da Rede bobo.

Impossivel é passar a vida acreditando que a nossa realidade é apenas uma fantasia acreditamos que em outra dimensão somos livres o universo está além da nossa compreensão apenas um dia saberemos sobre isso quando não mais existirmos no mundo real!
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Droid Z pelo seu post:
CristalShip (28-03-2014)
27-03-2014, 04:27 PM (Resposta editada pela última vez em: 31-03-2014 12:27 PM por Krull.)
Resposta: #4
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
Esse vídeo ilustra bem o caso:
http://www.youtube.com/watch?v=8x3I_Uw62T4

et cognoscetis veritatem et veritas liberabit vos.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
Emagreça com saúde neste verão - Tudo Saudável Produtos Naturais
27-03-2014, 05:17 PM (Resposta editada pela última vez em: 27-03-2014 05:20 PM por fallen1232.)
Resposta: #5
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
Uma palavra: HIPOCRISIA.

Não, não estou a falar de quem comentou no tópico, não estou a falar de ninguém...estou a falar de duas coisas bem simples : Midia e Sub culturas.

Não preciso citar a sub cultura que transforma as mulheres brasileiras em objetos,certo? pois bem, eu vos pergunto: Qual é o gênero musical mais presente em novelas,programas,intervalos,etc? e mais pra matar a xarada : Essa sub cultura é vista como suburbana ,inocente,minoria e vitima ou vista como rica e elitista?

Depois dessa ficou fácil né?

Mídia e cultura
Vivemos como o "país da bunda" e sem infra estrutura nenhuma, não tiro o direito de punir os "encoxadores" como agressores,mas calma la..isso causaria também uma histeria, quer dizer que, se o homem sem intenção apenas encostar na mulher, ela já poderia considerar abuso e gritar no vagão CHEIO e ele poderia ser punido, sem que nenhuma prova ou alguém consiga dizer o contrário... sabe o que eu acho ? uma perca de tempo, claro que se o cara deve ser perveritdo,deve-se verificar isto antes mas o foco deve ser na INFRA ESTRUTURA, pois se houvesse espaço o bastante, não haveria ninguém apoiado um nos outros como zumbis. Mas, por outro lado,também reconheço que há os tarados, mas a mulher certamente saberia diferenciar, o que eu estou dizendo em parte dessa resposta é o seguinte : pelo alarde que o assunto está tomando, qualquer encostada acidental, pode soar um abuso e a nossa atenção será atraida para outras coisas...e acho engraçado que : Na mesma altura que isso passou a surgir na midia e na internet, foi votado o Marco Civil da internet.


CONCORDO que o Estado não pode resolver tudo...
e aí entra a questão da midia e sub cultura...pois se o homem cresce na mentalidade de que toda mulher é cachorra ( pelo estilo "musical" que também se escuta) quando ele encontrar uma mulher mais "robusta" provavelmente vai pensar que todas também são a não ser que a vida o molde antes.
há tantas coisas para se conversar, cada assunto pequeno, ao desenrolar se torna uma bola de neve.

Eu estou pensando nas feminazi agora, que devem estar rolando no chão,dizendo que todo homem é um estuprador em potencial...pois é isso na década de 60...70..era mesmo bem frequente não?rsrsrs
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 3 usuários diz(em) obrigado a fallen1232 pelo seu post:
Chronoplast (27-03-2014), Droid Z (28-03-2014), John Wesley (30-03-2014)
27-03-2014, 05:27 PM (Resposta editada pela última vez em: 28-03-2014 11:10 PM por Siouxsiesyw.)
Resposta: #6
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
Angry




“Não há muita gente disposta a se sacrificar pelo que é certo, e muito menos gente que irá proteger e respeitar a humanidade de outros. Para esses, tirando comida e água não é necessário dignidade para sobreviver."(Saitou Hajime)
“Você estará lutando não só pelo seu destino… Mas também pelo destino da pessoa que você está protegendo.” (Kenshin Himura)
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Siouxsiesyw pelo seu post:
Droid Z (28-03-2014)
27-03-2014, 07:08 PM
Resposta: #7
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
Não se preocupem, em algumas décadas o problema vai piorar ainda mais!

isso porque quem estará a solta nos transportes públicos serão a próxima geração, os filhos desses sem vergonhas !

De todas as "verdades" fabricadas que existem nesse mundo, nenhuma vai nos libertar, apenas a compreensao. Entretanto é mais fácil seguir uma doutrina mastigada e lutar pela vontade de terceiros do que pensar por si mesmo e compreender os próximos ao seu redor.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a Eduardo - Unholy Confessions pelo seu post:
Droid Z (28-03-2014), Littlejohnbr (20-05-2014)
Biscoitos saudáveis e sem glúten
você encontra aqui!
27-03-2014, 07:31 PM
Resposta: #8
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
Mulheres tambem fazem isso.Pensam que nao?Ja aconteceu inclusive comigo,e ja vi acontecer com outros.Nao e so coisa dos homens.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Javelin pelo seu post:
Droid Z (28-03-2014)
27-03-2014, 09:17 PM
Resposta: #9
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
Eu uso o Onibus todo dia e nunca vi esse tal assedio ,é bem normal em um trem ,onibus lotados as pessoas se tocarem
Não sei aonde a midia quer chegar ,porem essa é uma situação bem rara,logo aparece um projeto de lei pra resolver a situação
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a sleber pelo seu post:
Droid Z (28-03-2014), jah live (28-03-2014)
27-03-2014, 11:05 PM (Resposta editada pela última vez em: 27-03-2014 11:34 PM por Chronoplast.)
Resposta: #10
RE: Epidemia de abusos sexuais no transporte público
(27-03-2014 05:17 PM)fallen1232 Escreveu:  Mídia e cultura
Vivemos como o "país da bunda" e sem infra estrutura nenhuma, não tiro o direito de punir os "encoxadores" como agressores,mas calma la..isso causaria também uma histeria, quer dizer que, se o homem sem intenção apenas encostar na mulher, ela já poderia considerar abuso e gritar no vagão CHEIO e ele poderia ser punido, sem que nenhuma prova ou alguém consiga dizer o contrário... sabe o que eu acho ?

Uma coisa que me impressiona normalmente em alguns ditos estudiosos é sempre querer buscar causas maiores para tudo que é tipo de problema como o relatado acima: se um cara ou mulher abusam de alguém a culpa é de alguma força maior e não exclusivamente deles por não controlarem seus instintos. Outra coisa é que a referida comunidade chama se "Encoxadores e Encoxadoras" o que dá a subentender que há mulheres envolvidas também. Por que só focar nos homens?

Agora indo a parte da sua resposta a qual citei, já há essa histeria e casos em que homens são presos apenas pela alegação de uma mulher são comuns. Exemplos abaixo:

Citar:Falsa alegação de violação destruiu a vida de um homem inocente

[Imagem: Falsamente+acusado+de+viola%C3%A7%C3%A3o.jpg]


No dia 18 de maio de 2006, ao sair de sua cela e cruzar os muros da Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, Heberson Oliveira, 30, achou tudo estranho. O sol estava alto, mas não era o calor que lhe incomodava.

Aquele era seu primeiro dia de liberdade após dois anos e sete meses na prisão. Nem ele acreditava mais que isso um dia pudesse acontecer.

- Eu já tinha perdido as esperanças de sair da cadeia vivo. A minha cela já estava virando a minha casa - conta Heberson, quase cinco anos depois, sentado na cama tubular cor de vinho de seu irmão mais novo. Heberson Oliveira é o rosto de um silencioso drama brasileiro: o das vidas roubadas pela lentidão da Justiça. Foi preso em novembro de 2003, suspeito de ter estuprado uma menina de nove anos de idade. Ele negou ter cometido o crime e disse que sequer estava em Manaus na época em que tudo ocorreu.

Mesmo sem nenhuma prova material ou testemunhal que o incriminasse, foi indiciado, denunciado e transferido para a Unidade Prisional do Puraquequara (UPP). Só dois anos e sete meses depois de ter sido preso é que Heberson foi julgado e, finalmente, considerado inocente.

Mas a sentença que o pôs em liberdade não foi suficiente para lhe fazer um homem completamente livre. Heberson foi estuprado pelos “xerifes” da cadeia e contraiu o vírus da AIDS.

- Eu fui violentado lá dentro. Na hora do desespero, não vi quantos eram. Só queria que aquele sofrimento acabasse. Agora, essa doença vai me acompanhar pelo resto da vida. Eu estou condenado à morte. A Justiça roubou minha vida - desabafa tentando disfarçar o constrangimento evidente no queixo tremido.

Paradeiro

Para encontrar Heberson é preciso paciência. Depois que saiu da cadeia, ele morou durante algum tempo na casa de sua mãe, mas depois de três crises de depressão, se entregou às drogas e saiu de casa.Tentou alguns empregos, mas não se firmou em nenhum lugar.

- É difícil alguém oferecer emprego para um ex-presidiário e um aidético. Algumas pessoas me ajudaram, mas aí vieram as depressões. Eu vivo cuspido pela sociedade - diz chorando.

Heberson, que tinha o corpo firme e o rosto limpo antes da prisão, agora parece uma sombra. Emagreceu pela doença e pelo vício. A barba cresce e o cabelo encaracolado escapa pelas laterais de um boné esfarrapado. Dorme sob marquises, em terrenos baldios ou construções abandonadas na periferia de Manaus.

Quase todos os dias, ele vai à casa de sua mãe, Maria do Perpétuo Socorro, 51, em uma rua estreita e esburacada do bairro Compensa II, na Zona Oeste de Manaus. Caminha lentamente pelas ladeiras do bairro e, aos poucos, a gritaria na mercearia ao lado da casa de sua mãe vira cochicho. Atento, ele percebe que os olhos se voltam em sua direção; abaixa a cabeça e continua a andar.

Ao fim da tarde, Heberson deixa a casa da mãe. Carrega um saco plástico com roupas sujas e objetos catados na rua. Maria, pela janela, olha o filho indo embora mais uma vez, sem muito o que fazer. E Heberson, sem paradeiro definido, desaparece na rua sem saber quando ou se vai voltar.

Fonte
Via


Citar:Há três dias um homem foi morto por causa de uma falsa alegação de estupro por parte de enteadas.

[Imagem: 1623344_735590616472644_1542316326_n.jpg]

falsa alegação de estupro já começa causar a morte de inocentes.

A acusação não comprovada de estupro de três enteadas pode ter custado a vida do auxiliar de serviços gerais Marcelo Pereira da Silva, de 31 anos. Ele foi morto a tiros, na manhã de ontem, no bairro Ilha dos Aires, em Vila Velha, um dia depois de ter sido acusado de abusar das crianças.

Esse fato, segundo a polícia, pode ter motivado o assassinato. No entanto, de acordo com a polícia civil, as meninas - de 11, 10 e três anos - foram submetidas a exame no Departamento Médico Legal (DML), que não comprovou o estupro.

Marcelo já havia sido agredido por moradores do bairro na quarta-feira, quando sua ex-namorada, mãe das crianças, denunciou o abuso. Na ocasião, foi socorrido pela polícia militar e liberado depois que o laudo não comprovou o estupro.

Familiares afirmam que o auxiliar era inocente da acusação de abuso. De acordo com a mãe da vítima, a dona de casa Rosalina da Silva, a ex-namorada do filho o procurou na manhã de quarta pedindo para ele tomar conta das enteadas de 11, 10 e três anos, enquanto ela trabalhava.

O auxiliar de serviços gerais teria chamado a atenção da menina mais velha, que não teria gostado. Ele levou as crianças até a escola e depois foi para a casa da mãe, no mesmo bairro. Na escola, a garota disse aos colegas de turma que o padrasto havia estuprado ela e as irmãs, enquanto a mãe estava fora.

As crianças foram até a professora e contaram o que tinham ouvido. A mulher então, avisou a diretora da escola, que acionou o Conselho Tutelar. “Depois disso, a fofoca se espalhou pelo ar e todo mundo do bairro já estava sabendo”, contou a mãe de Marcelo.

As meninas foram levadas para o Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Vila Velha, e de lá, encaminhadas para exames de conjunção carnal, no Departamento Médico Legal.

Depois de medicado - após ser agredido por populares - Marcelo também foi para o DPJ. Segundo a Polícia Civil, ele permaneceu no local até de madrugada, quando por volta das 4 horas foi liberado, após o resultado do exame médico comprovar que as meninas não haviam sofrido abuso.

No entanto, na manhã de ontem (01/03/14), homens armados quebraram o portão da casa da atual namorada da vítima, subiram até o segundo andar da residência, invadiram o local e executaram Marcelo com mais de 20 tiros. Em seguida, eles saíram do local correndo.

Publicidade Jam Ajna Soares
Via fb.com/Mulheres-contra-o-feminismo
http://on.fb.me/1jOtIBo
__________________________________

Como se não bastasse o excesso de direitos apenas para um dos sexos como se a vida da mulher valesse mais que a dos homens, as falsas alegações de violência e estupro normalmente não tem condenação para quem engana as autoridades e comete o crime de falso testemunho.

Acusar, condenar, prender, matar uma pessoa inocente merece qualificação de crime hediondo. Inúmeros homens vão para a cadeia e tem as suas vidas arruinadas por conta das mentiras de mulheres vingativas e ladras. Alguns homens tem a vida arruinada e outros a vida terminada.

Não só mulheres adultas, mas também adolescentes rebeldes e crianças com alienação parental tem feito estragos como o desta notícia.

Em jeito de conclusão essa notícia confirma dois pontos importantes:

1)As falsas alegações existem e não são poucas.

2)As falsas alegações de estupro podem ter consequências gravíssimas para o homem.

Tradicionalíssima

Fonte
Via


Citar:A terrível injustiça feita a Brian Banks

[Imagem: BrianBanks1.JPG]


No dia 8 de Julho de 2002, Brian Banks, um linebacker da "Beach Poly High" (16 anos, 1,93m de altura e 102 quilos de peso) sentia-se no ponto mais alto do mundo. Ele era um atleta fortemente requisitado por um certo número de universidades, incluindo a USC( que se havia comprometido a oferecer-lhe uma bolsa de estudo a 100%). Mas antes do dia terminar, o seu mundo seria transtornado por completo.

Pouco antes do meio dia, Brian dirigia-se para a sua escola, para falar das suas candidaturas universitárias, quando se encontrou com Wanetta Gibson, uma colega de 15 anos. Brian já a conhecia desde a "middle school" [ed: períodio intermédio da escola secundária]. Eles não se encontravam romanticamente envolvidos mas decidiram passar alguns minutos juntos numa alcova isolada da escola. "Beijamo-nos, acariciamo-nos, tocamo-nos, mas nunca tivemos qualquer tipo de relação sexual,” disse Brian. Antes de cada um seguir o seu caminho, Brian fez o erro de dizer algo a Wanetta que a deixou zangada.

Mais tarde nesse dia, Brian soube que algo se passava quando viu um certo número de polícias perto da sua escola. Pouco depois, ele viu Wanetta a sair da escola acompanhada pela policia. Brian nunca tinha tido problemas com a polícia, mas agora sentia que o seu coração iria sair para fora do seu corpo, de tanto bater.

A Mentira

Antes de Brian chegar, Wanetta havia dito à polícia que Brian a havia violado. Brian disse mais tarde que ela não queria que a sua família soubesse que ela era sexualmente activa. Wanetta disse que cruzou com Brian quando supostamente tinha saido da sua aula de História por volta das 11:45 a.m. (para se dirigir à casa de banho). Depois dela sair da casa de banho, Brian alegadamente agarrou nela, e empurrou-a para dentro do elevador, que supostamente subiu um andar.

Depois disto, Brian alegadamente forçou Wanetta a sair do elevador, arrastando-a através do hall e passando por dois lances de escadas até chegarem a uma alcova isolada. Supostamente foi aqui que Brian a violou durante cerca de 15 a 20 minutos. Wanetta alegou que Brian ejaculou dentro dela.

Brian foi preso e acusado - como adulto - de violação e sodomia forçada. Mais tarde, ele foi encarcerado. "Acreditamos que isto é um incidente isolado,'' declarou Jana Blair (policia de Long Beach), assegurando ao enervado público tanto a segurança da escola, como a veracidade da alegação de Wanetta Gibson.

Desde o princípio, Brian afirmou que o encontro romântico havia sido consensual, e que não havia ocorrido qualquer tipo de relação sexual. Menos de um mês depois da prisão de Brian, o co-director da escola onde, até algumas horas atrás, Brian era considerado uma estrela, declarou que Brian "não mais voltará à escola, independentemente do resultado do procedimento judicial."

Porquê? Mesmo que Brian fosse ilibado das acusações, o porta-voz da "Long Beach Unified School District", Dick Van Der Laan, disse que Brian havia violado as linhas orientadoras e o código disciplinar do distrito porque ele, alegadamente, havia tido uma relação sexual consensual em terreno escolar. Ninguém perguntou se Wanetta Gibson receberia o mesmo tipo de tratamento se mais tarde se apurasse que a sua alegação de violação era falsa.

A História de Wanetta Gibson Não Faz Qualquer Tipo de Sentido

Não houve testemunhas para a alegada violação, e a história de Wanetta não era coerente. Por exemplo, ela afirmou que Brian havia ejaculado dentro dela, mas não foi encontrado sémen algum - nem uma única molécula. Justin Brooks do "California Innocence Project" explicou:

Ela disse que limpou tudo com uma toalha de papel, mas isso é impossível.

De facto, não havia qualquer tipo de evidência física que suportasse a história de Wanetta Gibson. Justin Brooks explicou também que a logística da história de Wanetta não fazia sentido:

Para o Brian tê-la levado da casa de banho para o elevador, ele teria que passar por várias salas de aulas. Alguém teria visto ou ouvido algum tipo de luta.

A história de Brian - que o encontro havia sido consensual - era, na opinião de Brooks, "a única que fazia algum tipo de sentido."

Books conclui que Brian nunca deveria ter sido acusado. . . Houve um trabalho policial desleixado, e nem sei o nível de escrutínio que a acusação fez.

Um antigo promotor da "Los Angeles County", especializado em crimes sexuais, afirmou perante um repórter que, "o Promotor nunca deveria ter avançado com este caso; em vez disso, o mesmo deveria ter sido abandonado imediatamente" devido a ausência de qualquer tipo de evidência ADN e também devido às declarações inconsistentes de Wanetta em torno do que aconteceu.

1 Milhão e Meio de Dólares Para Wanetta Gibson

Depois da alegação de violação, os órgãos de informação entraram em contacto com a mãe de Wanetta Gibson, que afirmou estar irritada com a falta de segurança da escola.

Cheguei a um ponto onde já nem quero deixar as crianças ir para a escola. . . . Verdadeiramente, não existe um sítio seguro para elas. Seria de pensar que na escola estariam seguras, mas não foi isso que aconteceu.

A mãe de Gibson deu entrada a um processo legal contra o distrito escolar de Long Beach devido à suposta falta de segurança da escola que causou o suposto incidente envolvendo Wanetta. Chegou-se a um acordo antes do julgamento, e Wanetta recebeu 1 milhão e meio de dólares ($1.500 000), dividindo metade com o advogado e retendo $750,000.

Por outro lado, e como forma de pagar a advogada, a mãe de Brian viu-se forçada a vender a casa e o carro, bem como a pedir emprestado elevadas somas de dinheiro à família.

Wanetta afirmou que tentou "revelar toda a verdade" e admitir a mentira . . . mas o advogado disse "Não digas nada. Tipo, nem fales. Deixa que eles façam o que têm a fazer."

Os Esteriótipos


Enquanto isso, Brian ficou na prisão durante um ano enquanto o seu caso serpenteava pelos tribunais. Brian enfrentava uma pena de 41 anos de prisão, se convicto; por esta altura a advogada levava a cabo esforços para o convencer a litigar um acordo. Finalmente, ela disse a Brian que ela havia obtido um acordo bastante favorável, urgindo para que Brian o aceitasse. O acordo resumia-se em ele não contestar as acusações de violação e rapto. Ela disse a Brian que isto provavelmente resultaria em 18 meses adicionais de prisão para além do ano que ele havia já cumprido.

Num caso envolvendo "ele disse/ela disse", onde as evidências não davam apoio às acusações levantadas pela suposta vítima, Brian disse que a advogada o tinha dito que, se o caso fosse para tribunal, ele perderia. E porquê? "Se tu fores para aquela sala de tribunal," Brian lembra-se dela dizer, "o júri automaticamente verá um enorme adolescente negro, e assumir automaticamente que és culpado."

Mais tarde, Justin Brooks (California Innocence Project) afirmou que, inquestionavelmente, o racismo desempenhou um papel no que aconteceu. Segundo Brooks, a primeira advogada de Banks disse ao adolescente que, uma vez que ele era grande, negro e jovem, o julgamento seria a sua palavra contra a dela [Wenetta]; devido a isto, disse a advogada, Brian deveria aceitar o acordo.

A "Escolha" Que Nunca Chegou a Ser

Brian, então com 17 anos, alega que a sua própria advogada negou o seu [do Brian] pedido para consultar os seus pais sobre o assunto do acordo, e que ele teve apenas 10 minutos para decidir. Brian sentou-se e chorou. Finalmente, decidiu que 18 meses era "muito melhor que 41 anos a prisão perpétua". Ele afirma:

Foi-me vendido um sonho.


Mas Brian não obteve os 18 meses que esperava. Em vez disso, Brian foi condenado a seis anos de prisão, seguidos de 5 anos de liberdade condicional, e um registo permanente como um criminoso sexual -- esta última como forma da sua comunidade estar sempre segura em saber onde é que Brian se encontrava. Para além disso, Brian seria forçado a usar um dispositivo de rastreamento GPS no seu tornezelo. Ele não tinha também permissão para viver a menos de ~610 metros (2,000 pés) duma escola ou dum parque; ele tinha um tempo de recolher obrigatório; ele não poderia sair do país sem autorização; ele não poderia sair do Estado sob nenhumas circunstâncias.

Justin Brooks afirmou:

No que se trata a este acordo, Brian recebeu mau aconselhamento legal. A advogada deveria ter levado as coisas até ao tribunal. Nem consigo imaginar alguém não levar isto até ao tribunal uma vez que Wanetta tinha proferido muitas declarações inconsistentes.

O sistema falhou.

Brian também se apercebeu rapidamente do mesmo:

A minha mãe vendeu a casa, o carro, e pediu emprestado dinheiro à família para pagar a advogada que nos representava, e tudo o que obtivemos foi um acordo . . . um acordo que destruiu a minha vida.

Brian passou mais de 5 anos atrás das grades por um crime que não cometeu. Cinco anos, no primor da vida, quando poderia estar a jogar futebol a nível universitário ou profissional.

Sem dinheiro, Brian tentou, sozinho, um recurso legal, mas não foi bem sucedido. Foi então que ele recorreu ao "California Innocence Project."

'Livre'

Mesmo depois do fim do seu encarcermento, Brian foi incapaz de levar uma vida normal.

Tenho estado desempregado desde que saí da prisão. Só tive um verdadeiro emprego, e foi a trabalhar num armazém. Para sobreviver, tive que viver com a minha mãe, depois com a minha namorada, e nos últimos 7 ou 8 meses, tenho vivido com o meu irmão.

Foi então que algo espantoso aconteceu. Em Março de 2011, e assim do nada, Wanetta Gibson entrou em contacto com Brian através do facebook, e disse que queria reconciliar a amizade. "Ela não exibiu qualquer tipo de remorso," afirmou Brian. Wanetta afirmou:

Pensei que eu e tu poderíamos deixar para trás o que aconteceu. O que passou, passou. Naquela altura, eu era imatura, mas hoje sou muito mais madura.

Brian ficou perplexo. Ele rapidamente fechou o portátil e pensou "O que foi que eu acabei de ver?". Brian pensou que alguém estava a pregar-lhe uma partida maldosa, mas ele manteve-se calmo.

Depois de ter recebido aquele pedido de amizade através do Facebook, entrei em contacto com ela. Quando nos encontramos frente a frente, o meu único propósito foi o de secretamente gravar retratação.

Wanetta concordou em encontrar-se com Brian e com um investigador privado, Freddie Parish. Porque é que Wanetta concordou em encontrar-se com Brian? Brian é de opinião de que ela tentava uma reconciliação. Uma fonte que trabalhou no caso afirmou:

Se vocês forem ler o que ela escrevia, essa é a única conclusão lógica [reconciliação]. Ela parece não ter ideia nenhuma daquilo que as suas acções haviam causado junto de Brian.

Quando ambos se encontraram, Brian contou-lhe tudo o que aconteceu na sua vida e ela, totalmente abstraída do sofrimento de Brian, tentou equivaler o que ele lhe contava relatando aquilo pelo que ela tinha passado.

Montando uma pequena câmera numa caneta, Freddie Parish, o investigador privado, teve a ideia de secretamente gravar Wanetta, e levá-la a retratar-se da acusação que ela lançou sobre Brian.

'Não, Ele Não Me Violou'


"Não, ele não me violou"
Foi perguntado a Wenetta se Brian a havia violado, ao que ela respondeu, "Não, ele não me violou." Parish pensou consigo mesmo "wow! Conseguímos o que queríamos!" Mas ela também admitiu que estava preocupada com a possibilidade de ter que devolver os $750,000 pagos durante o processo legal levantado contra as escolas de Long Beach. Ela disse o seguinte a Brian:

Eu farei tudo o que for necessário para te ajudar, mas, tipo, ao mesmo tempo, o dinheiro que eles nos deram, digo, que me deram, não quero devolvê-lo.

Para além disso, Gibson temia a forma que a retratação afectaria a sua relação com os filhos.

Como forma de se ver o quão mal ela se sentia, e o quão madura ela estava agora, Wenetta mais tarde alegou que a retratação em si era uma mentira, e que Brian a havia oferecido $10,000 de suborno como forma de levá-la a afirmar que ele não a havia violado. Esta última acusação, tal como a anterior, não tinha qualquer tipo de plausibilidade uma vez que Brian não tinha dinheiro. "Foi revoltante," afirmou Brian perante um repórter televisivo.

Depois de tudo ter terminado, Brian contou o comentário "o que passou, passou" no programa de televisão de Jay Leno, e a audiência manifestou-se ruidosamente.

Verdadeiramente Livre

Armado com a retratação em vídeo, e ciente da ausência de qualquer evidência para as alegações de Wenetta, Justin Brooks convenceu o promotor distrital a analisar novamente o caso. Books disse:

Eu disse-lhes, 'Falem com ambos e vocês verão que ele está a dizer a verdade e ela está a mentir'. Não só ela não tinha qualquer tipo de credibilidade, como eles levaram a cabo a sua própria investigação.

Na audiência realizada no dia 24 de Maio de 2012, e perante o Juíz Mark C. Kim, o jurista que presidiu o caso original, o Promotor concordou com Brooks e convenceu o juíz de que a condenação de Brian deveria ser revertida. Brian curvou a cabeça. Não foram só lágrimas que caíam da sua face, mas sim rios de lágrimas.




Numa questão de dias, Brian Banks -- o miúdo que havia sido preso e cujo mundo havia sido virado do avesso quando tinha apenas 16 anos com base numa mentira; o miúdo a quem havia sido dito que nunca mais teria permissão para voltar à sua escola, mesmo que estivesse inocente; o miúdo que foi pressionado a aceitar um acordo judicial só porque era um jovem negro corpulento, e porque supostamemnte ninguém acreditaria nele; o miúdo que passou mais de cinco anos preso e forçado a usar um tipo de engenho de rastreamento que normalmente é colocado nos animais; o miudo que não conseguia arranjar um emprego desde a altura que havia saído da prisão, e como consequência via-se forçado a viver com amigos e familiares -- ESSE MIÚDO -- recebeu propostas para treinar na NFL [National Footbal Association] com os Seattle Seahawks, os San Francisco 49ers, os San Diego Chargers, e os Kansas City Chiefs.

Mike Shanahan, treinador dos Redskins, ligou para Brian pessoalmente e disse:

Falei com ele pelo telefone. Acho que quando uma pessoa passa pelo tipo de situação que ele passou, merece uma oportunidade para treinar para alguém. Considerando tudo o que ele passou, lendo apenas a sua história - não o conheço pessoalmente - liguei para ele e disse 'Adoraríamos ter-te aqui a treinar.' Para a semana ele vem cá treinar e por essa altura veremos em que tipo de forma ele se encontra.

Este miúdo merece uma oportunidade.


Para além disso, ele recebeu uma oferta não-solicitada do presidente e CEO dos Arizona Diamondbacks. Infelizmente, até hoje [ed: altura em que o texto original foi escrito] Brian não conseguiu ainda um contrato profissional na NFL. Durante o Verão, ele assinou com os Las Vegas Locomotives, da "United Football League"; jogou 4 vezes como linebacker antes de problemas financeiros forçarem a Liga a cancelar o resto da época.

Mas mesmo assim, Brian mantém de espirito positivo. Quando ele esteve presente no programa de Jay Leno, a primeira coisa que este jovem - que havia dito a 8 de Julho de 2002 que se encontrava "no ponto mais alto do mundo" - disse a Jay Leno foi que ele se encontrava "no ponto mais alto do mundo."

Um jornal declarou que "a Justiça eventualmente prevaleceu", mas será isto verdade?

Depois da Tempestade

Brian, hoje com 27 anos, diz que quer colocar tudo isto para trás e que não está a pensar em avançar com acções legais contra Wanetta.

Permaneci imbatido durante toda esta situação, e sei que se conseguir passar por isto e ter de volta a minha vida, serei capaz de atravessar o resto. Com esta renovada liberdade, promete-te e juro-te que farei grandes coisas.

O conhecido escritor desportista Rick Reilly escreveu:

Não te conheço, mas não me lembro de outra história que alternadamente me tenha dado vontade de esmurrar alguma coisa e abraçar alguém. A forma como Banks se segurou, sem amargura ou cólera, gracioso e corajoso, faz com que desejes que ele se candidate para o Senado Americano. Se fosse eu no lugar dele, eu estaria a bater com o pé no chão, agitando acções legais e gritando EU BEM TE DISSE que eu não o fiz!!!!

O Ministério Público de Los Angeles afirmou que não tem planos de acusar Wenetta Gibson pelas falsas alegações, afirmando que seria um caso difícil de provar. Brian Banks tentará obter $100 por cada dia que ele esteve injustamente preso - que perfará um total de $200,000. Isto é tudo o que a lei permite que ele receba. Segundo se sabe, Wenetta ficará com o dinheiro que obteve pela alegada violação. Existem evidências de que a maior parte do dinheiro foi gasto em coisas como carros e afins, portanto, mesmo que a escola distrital não tivesse à sua frente dificuldades legais para obter o seu dinheiro de volta, Wenetta encontra-se practicamente à prova de qualquer juízo.


"Não quero devolver [o dinheiro]"

Ela recebeu assistência pública durante um tempo, e os seus filhos ainda recebem. Inicialmente, Wenetta foi ordenada a pagar $600 por mês em pensão para os filhos, mas durante o ano passado [ed: 2011], os oficiais do distrito disseram que ela não tinha que pagar nada, citando uma falta de rendimento e emprego.





* * * * * * *

Certamente que este tipo de notícia dificilmente será reportada nos blogues que sonham com uma imaginada "cultura de estupro".

Fonte
Via


Citar:Acusado de estupro é absolvido 19 anos após denúncia

A prova nova é a única possibilidade de rediscutir, em revisão criminal, questões já analisadas no juízo da ação penal. O entendimento, estabelecido pela Súmula 66 aprovada pelo Grupo de Câmaras Criminas do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, foi usado para absolver um homem denunciado por estupro e atentado violento ao pudor praticados contra sua sobrinha dos 11 aos 14 anos de idade. A reviravolta, porém, ocorre depois de 19 anos. A sobrinha afirmou ter mentido na denúncia e o 2° Grupo de Câmaras Criminais do TJ-MG absolveu o acusado.

O tio da menina, preso desde 2012, pediu a reforma da decisão, alegando que novas provas foram descobertas durante o procedimento de justificação criminal. Afirma que o acórdão que o condenou se tornou contrário à evidência dos autos, e pediu pela sua inocência. O processo corre em segredo de Justiça.

Segundo o acusado, defendido pelo advogado Sergio Antonio Borges Loureiro,
os desembargadores que o julgaram culpado formaram sua convicção apenas com o depoimento da vítima.
Afirmou ainda que a nova prova de sua inocência é a própria retratação da vítima que, “a fim de preservar seu namorado, incriminou seu tio.”

Na decisão, o desembargador Pedro Vergara cita entendimento de Ada Pellegrini Grinover, que afirma que somente em casos excepcionais, taxativamente elencados pelo legislador, prevê o ordenamento jurídico a possibilidade de desconstituir-se a coisa julgada por intermédio da ação de revisão criminal e da ação rescisória para o juízo cível. Isso ocorre quando a sentença se reveste de vícios extremamente graves, que aconselham a prevalência do valor 'justiça' sobre o valor 'certeza'.

Mesmo com a Procuradoria-Geral da Justiça ter opinado pelo indeferimento do pedido, o desembargador entendeu que a prova nova justifica o deferimento do pedido revisional, já que a vítima se retratou dizendo que o tio não praticou os crimes pelos quais foi condenado. Dessa forma, a prova nova comprova a inocência do tio da vítima e impõe a sua absolvição.

Retratação da vítima

Hoje com 33 anos, a mulher denunciou o tio com 14 pelos crimes de estupro e atentado ao pudor, praticados várias vezes desde que ela tinha 11 anos de idade. Em primeira instância, a denúncia foi julgada improcedente e o tio da menina foi absolvido por não existir prova suficiente para a sua condenação (artigo 386, inciso VII do Código de Processo Penal). O Ministério Público recorreu.

No TJ-MG, o tio da garota foi condenado, com base no depoimento dela, a 8 anos e 2 meses de reclusão no regime fechado. A pena começou a ser cumprida em 2012. A vítima confirmou os fatos que foram narrados na denúncia quando os ouviu na Delegacia de Polícia Civil e em juízo. Porém, ela se retratou durante o procedimento de justificação judicial, afirmando que mentiu para preservar seu namorado.

Com isso, para o desembargador, a prova foi desconstituída. “A nova prova colhida na justificação criminal comprova a inocência do peticionário, impondo-se a sua absolvição”, tal entendimento do desembargador foi seguido por todos os demais julgadores.

* Notícia alterada às 11h do dia 8/9 para correção de informações.

Fonte

Continuando com algumas outras notícias ainda abordando o assunto da minha resposta anterior:

Citar:Suposto estuprador é queimado vivo na zona sul de SP

[Imagem: homemqueimadoedusilvafut.jpg]

O homem foi encontrado com o corpo queimado na noite desta quarta
Foto: Edu Silva / Futura Press


Um homem foi encontrado com o corpo seminu, queimado e com sinais de espancamento na noite desta quarta-feira na rua José Maria Pinto Zilli, na Vila Andrade, zona sul de São Paulo. Segundo informações da rádio CBN, o homem foi identificado pelos agressores como um estuprador e agredido. Não há informações sobre a participação da vítima em nenhum crime.

Equipes do Resgate foram acionadas e conseguiram socorrer o homem, que foi encaminhado para um pronto-socorro da região. A Polícia Civil vai investigar o caso.

Fonte


Citar:Homem está preso injustamente por estupro há mais de um ano

Está recolhido no Presídio Estadual de Lajeado o apenado Ademir Saenger (35), morador do Bairro Jardim do Cedro. Ele foi preso no dia 16 de junho de 2010, quando pediu uma ficha de antecedentes criminais na Delegacia de Polícia. Na ocasião, os policiais constataram que ele possuía uma condenação de 11 anos e seis meses de reclusão no regime fechado. A acusação de estupro foi feita por uma adolescente de 17 anos, no caso que teria ocorrido no ano de 2007. Em primeira instância, o réu foi absolvido pela Comarca de Lajeado. No entanto, o Tribunal de Justiça, em Porto Alegre, analisou recurso e acabou condenando o acusado. No ano passado, a própria vítima admitiu em Juízo que havia sido forçada pelo ex-companheiro a incriminar Saenger. O advogado de defesa, Dr. Sérgio Leonhardt pediu a revisão do processo ao Tribunal de Justiça. No entanto, a solicitação não foi acatada e a condenação foi mantida, já que os magistrados consideraram que a alteração do depoimento da vítima não poderia ser considerada uma nova prova anexada aos autos. Desta forma, corre em Brasília pedido de Habeas Corpus para a anulação do processo. Enquanto isso, o réu Ademir Saenger (35), morador do Jardim do Cedro, permanece recolhido mesmo com o desmentido da vítima, hoje com 21 anos de idade. GL

Fonte


Citar:Homem condenado por falso estupro é absolvido depois de 16 anos
Sem ter feito absolutamente nada, ele foi acusado de estuprar uma vizinha de apenas 12 anos em 1994

Alexandre Lyrio e Victor Uchôa
mais@correio24horas.com.br

O técnico em telefonia Jonas da Silva Cruz, de 53 anos, morreu pela primeira vez em setembro de 1994. Sem ter feito absolutamente nada, ele foi acusado de estuprar Lucineide Santos Souza, uma vizinha de apenas 12 anos.

Em 2008, Soró, como é conhecido, foi tirar um atestado de antecedentes criminais e acabou preso. Era sua segunda morte. “Nunca me senti tão abalado. Fiquei à deriva”, diz. Sem que soubesse, ele havia sido condenado em 1995 pelo tal estupro, mas, por um motivo que permanece inexplicado, durante 13 anos nunca foi procurado pela Justiça.

Morador de Nova Sussuarana, ele perdeu emprego, perdeu a casa e muitas amizades. Perdeu tudo que havia conquistado, mas nunca desistiu de provar sua inocência.

Até que, no início deste ano, aquela adolescente que o acusou, hoje mulher feita, resolveu falar a verdade: não houve estupro e nem mesmo assédio. Ao juiz da Vara de Execuções Penais, Lucineide revelou que toda a história fora criada por sua mãe. E que Jonas sequer a tocou.
[Imagem: soro-1.jpg]

Livre da condenação por estupro, Jonas Cruz comemora início de uma nova vida

Na última sexta-feira, no julgamento do pedido de Revisão Criminal realizado no Pleno do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ), o réu finalmente foi “absolvido por insuficiência de provas”. “Posso dizer que hoje eu renasci”, resumiu.
primeira morte A primeira morte de Soró se deu pela soma de uma raiva misteriosa e uma sentença judicial falha. Na tarde de 21 de setembro de 1994, Lucineide teve a primeira relação sexual de sua vida, com um namorado da mesma faixa etária.

No dia seguinte, sua mãe, Renilda Bispo dos Santos, percebeu um sangramento na calcinha da garota. “Lembro quando ela me levou para fazer um exame no IML. Quando voltamos, alguém, não lembro quem foi, disse que eu tinha ido na casa de Jonas. Foi aí que tudo começou. Minha mãe não sabia do meu namoro”, conta Lucineide, hoje com 29 anos. “Ela não gostava de Soró e eu nunca soube o motivo”.

O inquérito da 11ª Delegacia de Polícia foi encaminhado ao Ministério Público Estadual (MP), que denunciou Jonas por crime sexual. O acusado chegou a participar de duas audiências no Fórum Ruy Barbosa e achou que o caso havia sido arquivado.

Mas, em 5 de julho de 1995, frente a frente com o juiz, Lucineide, já com 13 anos, narrou a história inventada pela mãe como se fosse real: “Primeiro ele me deu um empurrão para dentro da casa. Eu estava de saia, calcinha e camisa. Ele mandou eu deitar, tirou minha roupa e meteu o ‘negócio’ dele devagar”. O depoimento, presente nos autos do processo, bastou para a decisão do juiz Marinaldo Bastos Figueiredo, da 10ª Vara Crime de Salvador. “Criança não mente”, argumentou o magistrado na sentença de Jonas.

Soró, que nem sabia que ainda estava sendo julgado, também não soube que foi condenado.

Segunda Morte

Somente em dezembro de 2008, quando ele tentava tirar um atestado de antecedentes criminais, a polícia percebeu que havia um mandado de prisão em aberto para aquele homem, detido na hora. “Meu mundo desabou. É uma dor insuportável”, lembra o senhor de voz grave e fala pausada, medindo cada palavra.

Soró foi enviado à Polinter, onde ficou preso por 10 meses. “Aquele é o pior lugar do mundo. Tem dias que os presos dormem uns por cima dos outros”, afirma.

Em seguida, Soró garante que nunca foi vítima de nenhuma violência sexual dentro da cadeia, algo comum em condenados por estupro.

“Tinha muita história dessa. Estuprador é tratado como lixo, não tem nenhum valor, mas Deus evitou que acontecesse comigo. Eu sempre disse que era inocente e acho que eles acreditaram”, emenda, contendo a emoção.

Em outubro de 2009, Jonas foi transferido para a Colônia Lafayete Coutinho, onde ficou até 23 de março de 2010, quando recebeu progressão de pena para o regime semiaberto, na Casa do Albergado e Egresso (CAE). Este ano, passou à prisão domiciliar.

Redenção

Desde então, sua luta é para andar de cabeça erguida. Atualmente, atua na triagem de correspondências dos Correios, emprego conseguido através de um programa de ressocialização da Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos.

Sexta-feira, fora do Tribunal de Justiça, enfim inocentado do crime nunca cometido, Jonas respirou fundo, como se tomasse fôlego suficiente para o resto da vida. “Hoje sou um homem mais forte, pronto pra qualquer desafio”, disse, antes de se despedir.

‘Criança não mente’, disse juiz

Ao proferir a sentença que condenou Jonas Cruz, o magistrado Marinaldo Bastos Figueiredo, que morreu no ano passado, chegou a se perguntar: “Por que a vítima acusa o denunciado?”. Então, sem o suporte de testemunhas ou provas materiais, embasou sua decisão da seguinte maneira: “Estou convicto e certo de que a acusação da vítima é verdadeira, toda criança é sincera, não mentem e inexistem provados motivos ensejadores de acusação mentirosa”.

Na peça de pedido da Revisão Criminal produzida pelo defensor público Rafson Ximenes, a tese é contraposta com um trecho de O Juízo Moral da Criança, do teórico suíço Jean Piaget: “A criança, em virtude de seu egocentrismo inconsciente, é levada espontaneamente a transformar a verdade em função do seus desejos e ignorar o valor da veracidade”.

“Minha mãe criou a história, mas admito que peguei carona. Não quis dizer que tinha transado com meu namorado e me acomodei”, relata Lucineide. Para a desembargadora Ivete Caldas, relatora do processo de Revisão Criminal, a decisão foi falha porque levou em conta somente a versão da garota. “Nunca houve prova, somente a palavra da vítima. Para se condenar alguém é preciso ter certeza, e nesse caso a denúncia não tinha relevo”, resumiu.
[Imagem: soro-2.jpg]

Sozinho, Jonas acompanha atento a decisão dos desembargadores

Votos de liberdade

Na sessão de sexta-feira da Câmara Criminal, o desembargador Lourival Trindade chegou a solicitar que Lucineide Souza prestasse um novo depoimento de retratação, este contando com a presença de um representante do Ministério Público (MP).

O magistrado também pediu que a mãe dela voltasse a depor, sem saber que a mulher morreu há nove anos. A desembargadora Ivete Caldas, relatora do processo, argumentou que o depoimento que Lucineide prestou em março deste ano ocorreu em juízo e não foi contestado pelos promotores do MP.

Assim, seu voto pela procedência do pedido de Revisão Criminal foi acompanhado pelos desembargadores Vilma Veiga, Nágila Brito, Jeferson de Assis e Abelardo de Carvalho. “A retratação foi uma prova nova totalmente relevante e é por isso que Jonas foi absolvido”, afirmou Caldas. Agora, para que o nome de Soró seja limpo, basta que o acórdão da Câmara Criminal chegue à Vara de Execuções Penais junto com o ofício que indica a nulidade da condenação de Jonas.

Maior erro da Justiça ocorreu em Pernambuco

No dia 22 de novembro, morreu em Recife o ex-mecânico Marcos Mariano da Silva, de 63 anos, vítima daquele que é apontado como o maior erro da Justiça da história do país. Ele ficou quase 20 anos preso porque tinha o mesmo nome de um assassino. Marcos morreu enquanto dormia, poucas horas depois de receber a notícia de que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) havia determinado que o governo de Pernambuco pagasse o restante da indenização que ele ganhou por danos morais e materiais: R$ 2 milhões, além de uma pensão mensal de R$ 1.200.

Em 2008, Marcos já tinha recebido metade da indenização e usou o dinheiro para comprar casas para ele e familiares. O governo pernambucano recorreu para não ser obrigado a pagar a segunda parte, o que foi negado pelo STJ justamente no dia da morte do ex-mecânico.

Marcos tinha 28 anos quando foi preso pela primeira vez, em 1976, acusado de assassinato. Seis anos depois, o verdadeiro criminoso foi encontrado, e o homem inocente ganhou liberdade. Mas, em uma blitz, três anos mais tarde, foi preso novamente porque um policial o reconheceu e achou que ele estava foragido. Assim, foram mais 13 anos de reclusão.

[Imagem: RTEmagicC_condenado.jpg.jpg]


Fonte

"These chambers offer insight for those patient enough to look - in your haste to find me, perhaps you have not gazed deeply enough. Our futures are predestined - Moebius foretold mine a millennium ago. We each play out the parts fate has written for us. We are compelled ineluctably down pre-ordained paths. Free will is an illusion."
Kain
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 7 usuários diz(em) obrigado a Chronoplast pelo seu post:
#RSO# (28-03-2014), AktAnnd (28-03-2014), CristalShip (28-03-2014), Droid Z (28-03-2014), fallen1232 (28-03-2014), John Wesley (21-12-2015), Littlejohnbr (20-05-2014)
Sabonetes naturais pelo menor preço é na Tudo Saudável
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
Exclamation Pedofilia: a próxima revolução dos "direitos sexuais"? weirdo 75 25,106 04-07-2016 12:09 PM
Última Resposta: Stefan K.
  Estado islâmico leiloa meninas cristãs como escravas sexuais Popeye 12 15,128 04-02-2016 04:08 PM
Última Resposta: Álvaro
Rainbow No Amapá, Dinheiro Público financia “Oficina de Siririca e Chuca" Álvaro 11 3,345 26-11-2015 05:40 PM
Última Resposta: Josef Stalin
  Fêmeas de orango tango ,escravas sexuais Popeye 4 2,744 26-02-2015 02:10 AM
Última Resposta: A. Jorge
  “Roleta russa” da AIDS: tendência de festas sexuais onde um participante tem HIV rogeriosc 7 7,913 09-01-2015 07:25 PM
Última Resposta: lone warrior

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Publicidade:
Loja de Produtos Naturais Tudo Saudável

Recomende o Fórum


Sites Associados: Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas
Rastreando Chemtrails
Site Notícias Naturais
Fórum Notícias Naturais Blog Anti-Nova Ordem Mundial

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 95 usuários online.
» 3 Membros | 92 Visitantes
Aragorn, Infinite, OfimDoComeço

Estatísticas do Fórum
» Membros: 19,842
» Último Membro: RogérioSanitá
» Tópicos do Fórum: 24,395
» Respostas do Fórum: 259,721

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
Você está por dentro da PEC 241?
Última Resposta Por: ULTRON
Hoje 12:34 PM
» Respostas: 129
» Visualizações: 15692
Nibiru, Elenin, - Transformações da Terra - o que ninguém te conta
Última Resposta Por: Elenin20182024
Hoje 12:03 PM
» Respostas: 1191
» Visualizações: 498309
Fenômeno no céu deixa moradores de Oriximiná impressionados
Última Resposta Por: Elenin20182024
Hoje 11:53 AM
» Respostas: 10
» Visualizações: 887
Raio de Luz Muito Estranho no Céu de Palotina - Paraná
Última Resposta Por: Elenin20182024
Hoje 11:52 AM
» Respostas: 10
» Visualizações: 9673
Nova capa da revista "The Economist" - The World in 2017
Última Resposta Por: Fire Fox
Hoje 11:33 AM
» Respostas: 19
» Visualizações: 8796
Crime Organizado Internacional a terceira economia, atrás do petróleo e das armas
Última Resposta Por: tarcardoso
Hoje 09:27 AM
» Respostas: 11
» Visualizações: 503
Entendendo o mundo atual
Última Resposta Por: OfimDoComeço
Hoje 12:41 AM
» Respostas: 8
» Visualizações: 600
A NOM Está Devorando a Liberdade no Brasil!
Última Resposta Por: Padawan
Ontem 11:19 PM
» Respostas: 11
» Visualizações: 796
Apocalipse 12 e o céu em 23/09/2017
Última Resposta Por: jonas car
Ontem 09:46 PM
» Respostas: 51
» Visualizações: 4133
Duas Profecias coincidindo agora.
Última Resposta Por: Poseidon
Ontem 09:34 PM
» Respostas: 5
» Visualizações: 767
É fácil publicar documentos fraudulentos em revistas científicas
Última Resposta Por: Infinite
Ontem 09:31 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 106
Últimos acontecimentos ONLINE
Última Resposta Por: CaféSemAçúcar
Ontem 08:01 PM
» Respostas: 436
» Visualizações: 120940
Recrutamento para o Programa Espacial Secreto em andamento?
Última Resposta Por: DeOlhOnafigueira
Ontem 06:52 PM
» Respostas: 21
» Visualizações: 1540
Reforma trabalhista e o pato que o trabalhador vai ter que pagar
Última Resposta Por: Beobachter
Ontem 06:41 PM
» Respostas: 54
» Visualizações: 4011
Bicarbonato - Utilidades que você nem Imagina.
Última Resposta Por: Sanderson S. Pierre
Ontem 12:03 AM
» Respostas: 34
» Visualizações: 135693
AS 5 FAMÍLIAS QUE CONTROLAM O MUNDO
Última Resposta Por: Infinite
24-07-2017 11:37 PM
» Respostas: 9
» Visualizações: 867
Simbolismo no Poster de Thor Ragnarok
Última Resposta Por: aioria
24-07-2017 11:27 PM
» Respostas: 7
» Visualizações: 715
Brasil, ainda uma Colônia de Banqueiros
Última Resposta Por: Sanderson S. Pierre
24-07-2017 10:28 PM
» Respostas: 7
» Visualizações: 3228
O livro do bem e do mal de Edouard Daanson
Última Resposta Por: Jaspion
24-07-2017 10:13 PM
» Respostas: 17
» Visualizações: 1308
Suástica e SS Nazista ostentados pelo Batalhão “Azov” Ucraniano
Última Resposta Por: jonas car
24-07-2017 06:22 AM
» Respostas: 7
» Visualizações: 8071
Galinha Pintadinha - Mensagem subliminar
Última Resposta Por: Sanderson S. Pierre
23-07-2017 07:48 PM
» Respostas: 79
» Visualizações: 621207
Seriam as tatuagens uma forma de redução populacional?
Última Resposta Por: Sanderson S. Pierre
23-07-2017 07:29 PM
» Respostas: 22
» Visualizações: 6978
Aloe Vera: A Maravilha Proibida
Última Resposta Por: Sanderson S. Pierre
23-07-2017 06:50 PM
» Respostas: 11
» Visualizações: 21384
Juíza Manteve Menina de 15 Anos Em Cela Com 30 Homens
Última Resposta Por: Sanderson S. Pierre
23-07-2017 06:46 PM
» Respostas: 5
» Visualizações: 3684
Israel vai começar a roubar o petróleo da Síria antes mesmo de Assad ser deposto
Última Resposta Por: Beobachter
23-07-2017 04:38 PM
» Respostas: 3
» Visualizações: 2514
Culturas gêmeas antigas em lados opostos do Pacífico
Última Resposta Por: Sanderson S. Pierre
23-07-2017 03:31 PM
» Respostas: 14
» Visualizações: 8549
Shadow People - As Pessoas Sombra
Última Resposta Por: Infinite
23-07-2017 01:01 AM
» Respostas: 94
» Visualizações: 68242
AUTOHEMOTERAPIA - 2 Relatos de Usuários
Última Resposta Por: Profeta do Apocalipse
22-07-2017 10:41 PM
» Respostas: 9
» Visualizações: 15035
Simbolo olho-que-tudo-ve no cinema e na TV
Última Resposta Por: aioria
22-07-2017 08:27 PM
» Respostas: 30
» Visualizações: 18611
Plano Kalergi - Fim da velha Europa
Última Resposta Por: Aileron
22-07-2017 05:20 PM
» Respostas: 29
» Visualizações: 13484

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!

Camisetas:
camisetas resista à nova ordem mundial