Conheça os Benefícios do Matcha


Atualizações: Operação Jade Helm

Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 1 Votos - 5 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
20-03-2017, 09:08 AM (Resposta editada pela última vez em: 20-03-2017 09:11 AM por ruicoelho.)
Resposta: #1
O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
1ª parte





Documentos de categoria histórica

Trataremos aqui de outro momento histórico, quando foram estabelecidas sombrias relações entre o papado e o nazi-fascismo. Talvez estas reflexões sobre o passado nos ajudem a elucidar os dramas do tempo presente. Este artigo utilizará amplamente as referências contidas no livro "O papa de Hitler", do professor e jornalista liberal inglês John Cornwell.

[Imagem: zxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz...io+xii.jpg]

[Imagem: 2freidrichcoch.jpg]

[Imagem: hitler-e-a-igreja-83.png]

Este artigo não tratará do atual pontífice, o Papa Francisco, embora tambem seja um jesuita, nem do seu antecessor Bento XVI, apesar de ter sido membro da juventude hitlerista e nem da onda clerical reacionária que varre várias regiões do mundo, especialmente no Leste Europeu. Na Polônia, por exemplo, o Estado dá suas mãos à cúpula Igreja Católica para ressuscitar o que de pior existe na tradição conservadora cristã: o anticomunismo, o anti-semitismo, a homo-fobia e a misoginia.

O Tratado de Latrão: O papado e o fascismo italiano

No ano de 1860 o Estado Italiano, que caminhava para unificação, se apoderou de todos os domínios do Papa, menos Roma. A cidade continuava a ser protegida pelas tropas francesas de Napoleão III. Como resposta aos novos tempos de revolução o Papa Pio IX aprovou o documento “Sílabo de erros” (1864) – denunciando os grandes malefícios da modernidade: a democracia, o socialismo, a maçonaria e o racionalismo.

Seguindo na trilha do reacionarismo clerical, em 1870, o concílio Vaticano I estabeleceu o dogma da infalibilidade do Papa. Este, como legítimo representante de Deus na terra, estaria imune aos erros humanos. No entanto, antes que o Concílio chegasse ao fim, as tropas francesas foram obrigadas a abandonar Roma para defender sua própria capital, ameaçada pelos prussianos. Imediatamente o exército italiano entrou na cidade, unificando finalmente o país. Ao papado coube apenas o pequeno território: o Vaticano.

Pio IX recusou qualquer acordo com o governo italiano e pregou a abstenção política dos católicos. O ambiente clerical se tornou cada vez mais reacionário. As pazes entre o Vaticano e o Estado Italiano só pode ser estabelecida com a ascensão do fascismo ao poder em 1922.

Em fevereiro de 1929 o papa Pio XI firmou com Mussolini o Tratado de Latrão, através do qual o catolicismo voltava a ser a religião oficial e o Estado passava a aceitar os casamentos religiosos. A Santa Sé também expandiria sua soberania para outros prédios e igrejas de Roma, além do Palácio de verão em Castel Gandolfo. O fascismo italiano ainda pagaria uma indenização equivalente a 85 milhões de dólares pelos territórios e propriedades expropriados durante o processo de unificação italiana. Assim, o Santo Padre pode se referir a Mussolini como “um homem enviado pela Providência”.

[Imagem: hitler-e-a-igreja-163.gif]

Pelo Tratado de Latrão, os católicos deveriam se abster da política, especialmente de uma política autônoma que se contrapusesse ao governo fascista. A conseqüência imediata deste acordo foi o fechamento do Partido Popular (católico) e o exílio de seus principais líderes. Enquanto o Papa e os fascistas comemoravam, dezenas de milhares de italianos, muito deles católicos, padeciam sob torturas nas inóspitas prisões do regime.

Hitler, ainda sonhando com o poder, rejubilou-se com as boas novas vindas de Roma. Escreveu ele: “O fato de que a Igreja Católica chegou a um acordo com a Itália fascista (…) prova que além de qualquer dúvida que o mundo das idéias fascistas é mais próximo do cristianismo do que o liberalismo judeu ou mesmo o marxismo ateu, a que o Partido do Centro Católico se considera tão ligado”. O Tratado de Latrão foi o primeiro torpedo dirigido contra os liberais e democratas católicos da Itália e da Alemanha, outros viriam.

Quando Mussolini invadiu a Etiópia, em 1935, o Vaticano não protestou e o alto clero italiano, sem amarras morais, exultou com a aventura colonialista. Um bispo declarou: “Ó Duce, a Itália hoje é fascista e os corações de todos italianos batem junto com o seu!”. “A Nação está disposta a qualquer sacrifício que garanta o triunfo da paz e das civilizações romana e cristã”. Enquanto isso armas químicas caiam sobre as cabeças da indefesa população etíope.

O papa e a ascensão do nazismo

Em novembro de 1918 os operários alemães, seguindo o exemplo de seus camaradas russos, derrubaram o seu Imperador e fundaram uma República Democrática, que chegou mesmo a se anunciar como uma República Socialista. Mas, a capitulação da direção do Partido Social-Democrata Alemão frustrou os sonhos dos revolucionários.

Em Munique um dos principais líderes era Eisner que, em fevereiro de 1919, seria brutalmente assassinado por ativistas de extrema-direita. A resposta do governo socialista ao crime foi o endurecimento com os setores contra-revolucionários, no qual se incluía a cúpula da Igreja Católica. Neste quadro conturbado o Núncio papal Eugênio Pacelli, futuro papa Pio XII, foi obrigado a estabelecer delicadas negociações com o novo governo democrático e socialista.

Assim ele descreveu o seu primeiro encontro com os operários e as operárias socialistas: “A cena no palácio era indescritível (…) o prédio, outrora a residência de um rei, ressoava com gritos, uma linguagem vil e profana (…) No meio de tudo isso, um bando de mulheres, de aparência duvidosa, judias como todos ali, refastelava-se em todas as salas, como uma atitude devassa e sorrisos sugestivos. Quem mandava nessa turba feminina era a amante de Levien, uma jovem russa, judia e divorciada.

Foi a ela que a Nunciatura teve de prestar sua homenagem, a fim de prosseguir sua missão”. O dirigente socialista Levien não lhe causou melhor impressão: era “russo e judeu” “pálido, sujo, olhos de drogado, voz rouca, vulgar, repulsivo”. Assim a Igreja católica via os representantes do proletariado alemão.

No auge da República de Weimar, os católicos representavam 1/3 da população alemã e tinham uma força política ainda maior. A Juventude Católica possuía mais de 1,5 milhões de membros e existiam 400 jornais católicos diários. O tradicional Partido de Centro Católico era o segundo maior do país, perdia apenas para o Partido Social-Democrata Alemão. Era nele que, até então, a grande burguesia desaguava seu dinheiro e voto contra o socialismo.

Após a grande crise do capitalismo de 1929, a Alemanha teve sua economia desorganizada. Aumentou a radicalização política. Visando derrotar o movimento operário e socialista, a grande burguesia monopolista muda de aliado, abandona os católicos e passa agora a jogar suas fichas nos nacional-socialistas liderados por Hitler.

Já nas eleições de 1930, o Partido de Centro perdeu espaço para os nazistas, que passaram a ser a segunda força eleitoral. Naqueles dias ainda eram duros os embates entre os centristas católicos e os nazistas. Vários padres, com anuência dos bispos, proibiam os nazistas freqüentar as igrejas enquanto fardados. No entanto, esta resistência estava prestes a desaparecer.

Sob a cabeça dos católicos alemães, o Vaticano tecia sua pérfida trama. Em janeiro de 1933 Hitler assumiu o poder. Estavam dadas as condições para que se estabelecesse uma concordata com o Reich alemão do mesmo tipo que fora assinada com o governo fascista da Itália.

Para testar sua força, uma das primeiras medidas do governo nazista foi apresentar um projeto de Lei de Exceção, através do qual Hitler ficava autorizado a aprovar leis sem consultar o parlamento. Vários dirigentes do Partido de Centro resistiram em dar carta branca ao novo governo. Então o Vaticano entrou no jogo e pressionou para que eles votassem favoravelmente – pois esta era uma das condições para a assinatura da concordata. Apenas os socialistas e comunistas votaram contra a lei de exceção. Estava aberto o caminho da ditadura nazista, com a benção de Roma.

[Imagem: hitler-e-a-igreja-203.jpg]

Em julho daquele mesmo ano, Pacelli, em nome de Pio XI, assinou a concordata com o governo nazista. A partir de então a Igreja Católica e todas as suas organizações deveriam se afastar de qualquer de ação política e social. Em troca o papado poderia impor suas leis canônicas a todos os católicos alemães, além de receber privilégios espaciais para o clero e suas escolas.

Naquele mesmo mês, como aconteceu na Itália, o Partido Católico se dissolveu e muitos de seus líderes seguiram o caminho do exílio. A repressão aos católicos militantes continuou duríssima, com espancamentos e internações em campos de concentração. Muitos acabaram sendo assassinados ao lado de comunistas e judeus.

Um ex-chanceler centro-católico chegou a afirmar que por trás daquela concordata estava Pacelli, que visualizava “um Estado autoritário e uma Igreja autoritária dirigida pela burocracia do Vaticano, os dois concluindo uma eterna aliança. Por esse motivo, os partidos parlamentares católicos (…) eram inconvenientes (…), sendo extintos sem qualquer arrependimento”. Portanto não se tratava mais de barrar apenas o perigo comunista e sim abolir a própria democracia liberal.

Logo após a concordata, o Führer afirmou orgulhoso: “só se pode considerar isso como uma grande realização. A concordata proporcionará uma oportunidade à Alemanha e criará uma área de confiança bastante significativa na luta em desenvolvimentos contra o judaísmo internacional”. Continuou: “O fato de o Vaticano estar concluindo um tratado com a nova Alemanha significa o reconhecimento do Estado nacional-socialista pela Igreja Católica. Esse tratado comprova para o mundo inteiro, de maneira clara e inequívoca, que a insinuação de que o nacional-socialismo é hostil à religião não passa de uma mentira”. Todas as barreiras de ordem moral, que separavam nazistas e católicos, foram minadas pelo Vaticano.

Em abril de 1933 começaram as primeiras perseguições massivas contra a comunidade judaica, através do boicote aos seus estabelecimentos comerciais e espancamentos de judeus por tropas das SA. A primeira resposta dos líderes máximos da Igreja alemã foi: “Os judeus que ajudem a si próprios”. Sem dúvida, uma frase muito cristã.

Durante a Guerra Civil na Espanha, em 1936, Hitler se encontrou com o Cardeal Faulhaber, de Munique. A pauta era a ameaça representada pelo comunismo. O Cardeal deu sua impressão sobre o amistoso encontro com Sr. Hitler: “O Führer possui uma habilidade diplomática e social melhor do que um soberano nato (…) Não resta a menor dúvida de que o chanceler vive com a fé em Deus. Ele reconhece o cristianismo como base da cultura ocidental”. Em seguida elaborou uma carta pastoral que foi lida nas igrejas alemãs, nela pregava a cooperação entre católicos e nazistas contra o comunismo ateu.

No final de 1938 estourou a violência contra os judeus. Numa única noite de novembro, a “noite dos cristais”, mais de 800 deles foram assassinados, 26 mil enviados para campos de concentração, centenas de Sinagogas e estabelecimentos destruídos. Depois deste dia fatídico os judeus foram obrigados a portar a estrela de David nas roupas.

Enquanto o holocausto judeu dava seus primeiros passos na Alemanha, Pacelli assumia o trono pontífice. Quatro dias depois escreveu à Hitler: “Ao ilustre Herr Adolf Hitler, Führer e Chanceler do Reich Alemão! No início do nosso pontificado, desejamos lhe assegurar que permanecemos devotados ao bem-estar do povo alemão confiado a sua liderança”. Nenhuma admoestação em relação à repressão contra os judeus e setores de oposição, nos quais se incluíam vários católicos.

Quando Hitler e Mussolini invadiram a Iugoslávia, eles permitiram a criação de uma Croácia Independente sob o comando do líder fascista Ante Pavelic. Os croatas eram católicos e se consideravam arianos. Sob seu reinado de terror iniciou-se uma limpeza étnica na região. 487 mil sérvios, 30 mil judeus e 27 mil ciganos foram assassinados barbaramente pelos bandos fascistas de Paveli. À frente desses bandos sanguinários estavam os padres franciscanos. O Vaticano imediatamente reconheceu o novo Estado e Pio XII se referiu a ele como “posto avançado do cristianismo nos Bálcãs”. Uma das eminências pardas daquele regime de terror era o bispo Stepinac – que acabou sendo beatificado por João Paulo II em 1998.

Em 1942 o Papa já tinha todas as informações sobre o projeto de “Solução Final”. Operação que visava eliminar judeus, ciganos e eslavos da Europa. Entre 1933 e 1944 mais de seis milhões de judeus foram assassinados nos campos de extermínios nazistas. Depois de forte pressão das forças aliadas – e de muitos católicos e judeus-, Pio XII preparou uma homilia de Natal que visava denunciar esta situação. Para decepção geral ela acabou sendo uma declaração inócua que nem ao menos teve a coragem de usar as palavras judeu, genocídio e nazismo.

Em setembro de 1943, quando a própria Roma caiu sob ocupação militar alemã, a “solução final” chegou às portas do Papa. Começou, então, o aprisionamento de judeus e oposicionistas. Caminhões carregando homens, mulheres e crianças percorriam as ruas vizinhas ao Vaticano. Muitas igrejas começaram a abrigar os judeus, especialmente os convertidos ao catolicismo. Mas, nenhuma conclamação pública foi feita para que os católicos se opusessem às deportações e o massacre de milhares de cidadãos italianos.

[Imagem: 25priestsalutehitler.jpg]

Ciente da boa vontade do Papa, o embaixador alemão enviou para o seu chefe uma carta na qual afirmava: “O papa, embora sob pressão de todos os lados, não se permitiu ser levado a uma censura expressa da deportação dos judeus de Roma. Embora deva saber que tal atitude será usada contra ele por nossos adversários (…) mesmo assim o papa fez tudo o que era possível para não prejudicar as relações com o governo alemão”.

Naqueles dias fatídicos, a preocupação de Pio XII não era com as famílias italianas deportadas, ou com a cidade ocupada pelos bárbaros nazistas, mas com os partisans que lutavam pela libertação da Itália. Temia que uma abrupta saída dos alemães pudesse deixar a cidade nas mãos da resistência comunista. “Os alemães, afirmou ele, pelo menos, haviam respeitado a cidade do Vaticano e as propriedades da Santa Sé em Roma”. A sorte de Pio XII é que Deus não existe, pois se existisse o fulminaria com um raio diante de tal heresia.

Em 23 de março de 1944 um grupo de guerrilheiros atacou um comando alemão e matou 33 invasores. Este ato heróico foi duramente criticado pelo Vaticano e definido como terrorismo. A resposta alemã foi assassinar friamente 335 italianos. A Santa Sé simplesmente se lastimou pelas pessoas sacrificadas “em lugar dos culpados”. Em outras palavras, o Papa não se oporia se os fuzilados fossem os membros da resistência italiana.

O papa e a guerra-fria

Quando, finalmente, Roma foi libertada, o Sumo Pontífice enviou uma singelo pedido, mui cristão, ao alto-comando das Forças Aliadas na Itália no qual dizia: “O papa espera que não haja soldados pretos entre as tropas aliadas que ficarão aquarteladas em Roma depois da ocupação”.

Nazistas sim, soldados negros não. Neste caso a preocupação do Santo Papa não eram as propriedades do Vaticano e sim a virgindade das moças italianas. A hecatombe universal não foi suficiente para remover os preconceitos raciais do representante de Deus na terra.

No imediato pós-guerra estabeleceu-se uma sólida aliança entre o Vaticano e o imperialismo norte-americano. O primeiro, e mais sombrio, resultado desta nova concordata foi a cobertura dada à fuga de inúmeros criminosos de guerra nazistas para a América do Sul e Estados Unidos. Eles ainda poderiam ser úteis na luta contra o comunismo.

Milhões de dólares foram investidos na reorganização da Democracia Cristã, na Itália e na Alemanha. Desmontada para ajudar o nazi-fascismo e agora reorganizada para derrotar a esquerda socialista. Em 1949, o Papa determinou que os católicos não deveriam ser membros e nem votar nos Partidos Comunistas. Os padres estavam autorizados a recusar os sacramentos a quem desobedecesse estas ordens. As excomunhões se proliferaram por todo o mundo, inclusive no Brasil.

O mesmo Pacelli que advogou a colaboração de católicos e nazistas – ou o silêncio obsequioso em relação aos crimes destes últimos – agora passava a defender uma igreja politicamente ativa contra o comunismo; apoiando, inclusive, de maneira irresponsável, o martírio pessoal dos seus bispos no Leste Europeu.

O conservador Pio XII foi sucedido por três papas progressistas, João XXIII, Paulo VI e João Paulo I que procuraram estabelecer algum diálogo com o mundo socialista, incentivaram teólogos da libertação e defenderam certo ecumenismo. Mas esta fase teve curtíssima duração – foi apenas de 1958 até 1978. João Paulo II retomou o ciclo conservador que agora tem no Papa Bento XVI sua versão radicalizada. Dias difíceis podem esperar os católicos progressistas do mundo. Diante deste quadro sombrio só nos resta suplicar: “Que Deus nos proteja …. do Santo Padre!”

[Imagem: banqueangleterrelondres.jpg]

O SANTUÁRIO DE FÁTIMA TEVE OURO NAZI DEPOSITADO NUMA CONTA BANCÁRIA, NOS ANOS 70, AO TODO FORAM 50 QUILOS, DA CASA DA MOEDA PRUSSIANA


No princípio era o “cascalho”. {Notem que não era o verbo, mas o cascalho!} Foi desta forma que os responsáveis do santuário de Fátima chamavam o ouro velho ou deteriorado que os devotos ofereciam nas suas peregrinações: fios, argolas, brincos, alfinetes, alianças ou aparentados. Ouro esse que, a partir de 1959, o Santuário achou por bem começar a derreter e transformar em barras, guardando-o nos seus cofres. Porém, em 1970, e por razões de segurança, foi decidido recorrer ao depósito nos cofres do Pinto de Magalhães {grande banco particular de Portugal}, no Porto. Aí, e para esse efeito, o Santuário tinha uma conta designada ‘não oficial’ ou ‘Conta 2’ e por isso considerada ilegal. À luz da confiabilidade oficial, o resultado era simples; o ouro do Santuário, pura e simplesmente não existia. Foi em outubro daquele ano de 1970 que o Banco, a braços com dificuldades em importar ouro para vender nos balcões, decidiu colmatar a falta, recorrendo ao do Santuário, que ali se encontrava na situação de guarda à confiança. Eram, então, quase 198 quilos. Os contatos para obter a anuência do reitor, monsenhor Antonio Borges (já falecido), foram efetuados por um emissário do próprio Pinto de Magalhães. E acabaram bem sucedidos, com uma condição imposta pelo Santuário: o banco poderia fazer o que muito bem entendesse com o ouro, mas a quantidade utilizada nesses negócios deveria ser restituída na primeira oportunidade. Uma operação financeira posteriormente anulada, destinada a fazer entrar o ouro do Santuário no circuito oficial e a vendê-lo, fez o resto.

O mencionado emissário, Alfredo Barros, também já desaparecido, foi, durante alguns anos, o portador das peças de ouro do Santuário destinadas a serem derretidas e transformadas em barras. Até agosto de 1973, de Fátima continuaram a chegar, regularmente, diversos sacos, alguns totalizando para acima de 30 quilos, que continham uma variedade razoável de peças doadas pelo peregrinos. Várias cartas testemunham esses envios, embora parte da correspondência trocada entre o Banco e a reitoria de Fátima tenha desaparecido sem deixar rasto, quando se encontrava, a pedido da PJ, à guarda do banco. Na maioria dos casos, as missivas do Santuário descreviam ao pormenor a ‘encomenda’ e o Banco respondia, dando o peso final desse ouro, já em barra, e agradecendo a confiança nele depositada. Outras cartas ilustram apenas o bom relacionamento entre a entidade religiosa e sua correspondente financeira, tendo o Santuário louvado, não poucas vezes, a amabilidade com que os seus enviados – incluindo por vezes o próprio reitor – eram recebidos na sede do Banco Pinto de Magalhães... O ouro do santuário é tanto que circula sobre rodas dentro dos túneis do Santuário, que fazem lembrar as minas com vagões, carros e tudo.

Até aqui temos um breve relato do ouro de Fátima colocado no Banco Pinto de Magalhães. Indagado pela revista “Visão” sobre quanto ouro nazista Portugal recebeu, o ilustre pesquisador e historiador, Antonio Louçã, responde: “Através do depósito C do Banco Suíço, recebeu cerca de 48 toneladas, mas quatro foram devolvidas. Se contabilizarmos os depósitos A, B e C, terá recebido à volta de 123 toneladas. Mas existiu um canal paralelo de entrada de ouro e esse não é controlável. Segundo um documento do Reich Bank, só no mês de junho de 1944, entrou por mala diplomática uma quantidade de ouro relevante para cobrir os gastos da Legação Alemã em Portugal, e, depois, era colocado no mercado, vendido a ourivesarias ou outras entidades particulares”.

Quando indagado pela “Visão” se era possível identificar o circuito das barras que estiveram na posse do Santuário, Louçã responde:

É impossível estabelecer uma pista mais provável. É importante saber como é que esse ouro foi parar no Banco Pinto de Magalhães, mas há uma lacuna de décadas e não creio que alguma vez se possa reconstituir completamente o percurso. (Quem sabe, agora Portugal vai progredir um pouco, depois de se libertar paulatinamente das garras de ferro do Vaticano e sua deusa Fátima, com a ajuda do Pe. Mário de Oliveira, autor do livro “Fátima Nunca Mais”!)

A Igreja de Roma jamais soube manusear a Bíblia, a não ser para deturpar o seu conteúdo, desde o século 4, usando o texto alexandrino corrompido por Orígenes, um dos primeiros apóstatas do Evangelho do Senhor Jesus Cristo. Contudo, ela sabe manusear muito bem os seus bilhões em barras de ouro, guardados em depósitos seguros do Ocidente. J. T. Chick, editor e escritor americano, fundador e presidente da Chick Publications, Califórnia, conta numa de suas publicações (The Godfathers) o que a Igreja fez com o ouro dos nazistas. Quem sabe o pesquisador Antonio Louçã ainda desconheça este pormenor a respeito do lugar onde foi parar o ouro nazista que, mais tarde, foi distribuído por vários bancos particulares na Europa e nas Américas.

[Imagem: 663pxDante_and_Virgilio_28Trento29.jpg]

Diz J. T. Chick o seguinte:

Quando a II Guerra Mundial estava chegando ao fim, o exército soviético (suprido com armamento americano) atacava no Oriente, enquanto os Aliados entravam na Alemanha, esmagando o exército de Hitler. Atendendo a um pedido secreto de Hitler, o General Franco enviou-lhe o seu famoso “Exército Azul”, quase todo composto de soldados bascos. Este exército espanhol lutou pelos alemães, defendendo Berlim. Quando Hitler viu que estava perdido cometeu suicídio e o seu Almirante, Karl Doenitz (um bom católico romano) assumiu o comando da Alemanha nazista. Uma divisão inteira foi transportada de trem através das linhas aliadas. Essa divisão ostentava a bandeira do Vaticano. Seus condutores diziam aos Aliados que sua missão era salvar freiras, padres e monges. Contudo, em vez de devolver o “Exército Azul” à Espanha, conforme Hitler havia prometido fazer, Doenitz colocou o ouro nazista, que agora pertencia ao Vaticano, dentro daquele trem e o mandou para os bancos suíços. Desse modo, o Exército Azul foi traído e a maior parte dos seus membros acabou nas prisões russas. Os poucos sobreviventes que conseguiram regressar à Espanha foram fuzilados ou atirados em asilos de loucos, a fim de que a verdadeira história do ouro nazista permanecesse oculta ao mundo inteiro. Contudo, os principais oficiais do Exército Azul, que tomaram parte naquela conspiração, retornaram em glória ao seu país e até foram condecorados pelos serviços prestados ao papa Pio XII. Quanto aos americanos, foi-lhes dito que o trem carregado de ouro, que estava atravessando suas linhas, era o Trem da Misericórdia do papa, levando medicamentos para os feridos. {Pio XII sempre foi “misericordioso” com a Igreja dele, porém jamais com os judeus e protestantes!]. Quando os americanos viram a bandeira do papa, permitiram que o trem passasse sem inspeção alguma. A Alemanha rendeu-se em 08/05/1945.

A Europa ficou em ruínas. Milhões haviam sido dizimados para satisfazer a sede fatimista de ouro e sangue (A Deusa parece gostar de ensopado de cascalho de ouro velho ao molho pardo). Pio XII tinha agora um probleminha pela frente. O filho amado da igreja, o Partido Nazista, estava derrotado, enquanto o outro filho, que ele havia renegado, o Partido Comunista, criado, amamentado e fortalecido pela Igreja antes, durante e logo depois da Revolução Russa (1914-1918), com o objetivo de liquidar o Czar, dessa vez saíra vitorioso. Para saber como a Igreja de Roma criou o Partido Comunista deve-se ler o livro de Michael Pearson, “The Sealed Train”, (1975, G. P. Patnam’s) em que é revelado o esquema da remessa de ouro do Vaticano para a Rússia, via Alemanha, a fim de ajudar os comunistas. Com o término da II Guerra Mundial, os jesuítas, sempre precavidos contra qualquer eventualidade, haviam tomado as seguintes precauções:

1. Fazer com que o mundo inteiro acreditasse que o Vaticano nada havia tido com a II Guerra Mundial e convencer o mundo de que o Holocausto jamais havia acontecido.

2. Dar a certeza de que os padres, freiras e monges nazistas haviam sido internados em campos de concentração (como inimigos do nazismo) e, desse modo, convencer o mundo de que estes haviam sido perseguidos.

3. Pio XII havia ordenado que as famílias católicas abrigassem alguns judeus em seus lares, a fim de que no futuro estes servissem de material de relações públicas documentais para livros, filmes, etc.

4. Mostrar uma nova face da Igreja através da convocação – mais tarde, já com o sucessor de Pio XII, Papa João XXIII, – do Concílio Vaticano II.

Este é apenas um milésimo do que sabemos sobre a atuação da ”Senhora de Fátima” na política mundial. Uma coisa é certa: ela foi criada não apenas para ser a “Deusa do Cascalho”, mas sobretudo para se tornar a “Rainha do Universo”. E vai conseguir o seu intento porque já tem conquistado povos que durante séculos nem sequer poderiam admitir qualquer aproximação com a Igreja de Roma. Como Dave Hunt deixa bem claro em seu livro “A Woman Rides the Beast” (traduzido por mim), ela é a amazona cavalgando a besta, que vai reunir todas as religiões numa só: a Religião Mundial, da Igreja Mundial sob a égide do Anticristo.

[Imagem: Segredos+de+Fatima.jpg]


Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a ruicoelho pelo seu post:
DeOlhOnafigueira (23-03-2017), jonas car (21-03-2017), marcosarierom (20-03-2017), pablo_hp (20-03-2017), rmuller (20-03-2017)
As delícias de ALFARROBA da Carob House você encontra na Tudo Saudável Produtos Naturais
20-03-2017, 03:16 PM
Resposta: #2
RE: O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
A Igreja Católica foi muito prestativa ao nazismo e ao fascismo italiano durante a Segunda Guerra Mundial,mesmo ao fim da guerra ainda ajudou muitos nazistas como Joseph Mengele a fugirem da Europa e se estabelecerem em países da América do Sul,América Central e América do Norte.
É aquela coisa,onde tem crime contra a humanidade tem a Igreja Católica,foi assim nas cruzadas,foi assim na Segunda Guerra Mundial,foi assim nas colonizações europeias na América do Sul,América Central,Ásia e África.
A Igreja Católica matou tanto quanto o Nazismo e faltou pouco para ter matado igual ou mais que o Comunismo.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a Sanderson S. Pierre pelo seu post:
jonas car (21-03-2017), marcosarierom (21-03-2017), NoNOM (20-03-2017), rmuller (21-03-2017), ruicoelho (20-03-2017)
21-03-2017, 01:07 AM
Resposta: #3
RE: O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
Hum...espinhoso esse tópico heim.
Li, mas vou fazer minhas pesquisas e revisitar as informações desse tópico para uma abordagem mais calma.
Adianto apenas que tem coisas que não "casam" tão perfeitamente no organograma geral.
A ICAR tem tanto peso quanto todos os estados vizinhos da Alemanha à época. Suiça, França, Russia, UK...todos com seus pesos no contrato com Hitler. Não foram poucas as oportunidades que a "liga" do ocidente teve para ceifar o nazismo antes do holocausto e raros são os "pais" dessa criança indesejada que muitos fingem ser órfã.

Não entendi também como o cristianismo conservador tem seu pior no "antissemitismo", "anticomunismo", homofobia, misoginia....?
Devo lembrar que ao longo das décadas o sionismo e o semitismo pouco tem de diferença e seu livro guia(talmud) é descaradamente anticristão.

Que o comunismo é uma das maiores atrocidades que a dualidade maçônica ja criou. Uma fera que teve seu embrião la atrás, com Napoleão e companhia.
Isso pra não falar da Teologia da Libertação que gozou de ares quase sobrenaturais na dita "américa latina". Ora, quantos não foram as "guaridas", "resgates" e "apoios" dados ao comunistas ao longo da guerra fria.

Que o que se tem por homofobia é um tratado particular da igreja e não uma imposição aos seculares. Aliás, nada exclusivo da ICAR. A Grecia helenica ja gozava de tratados acerca da nocividade da pederastia. Uma analise histórica/antropológica do trasgenerismo mostra como o crescimento do homossexualismo esta ligado ao declínio da sociedade, tendo em Roma seu maior exemplo.

Quanto à misoginia, respeitadas as tradições particulares religiosas, creio que seja realmente algo nocivo, mas que pouco tem haver com o cristianismo primitivo.

Sei que vai discordar de mim. É são e saudável. É espaço para isso.
Voltarei com mais calma para debater aqui.
Gostaria de ver aqui a opinião do @Campanário, mas acho que ja não frequenta mais este fórum.

"é um lobo predador; pela manhã devora a presa e à tarde divide o despojo"

Gênesis 49:27
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a jonas car pelo seu post:
DeOlhOnafigueira (23-03-2017), marcosarierom (21-03-2017), Minerim (22-03-2017), ruicoelho (21-03-2017), WithoutDoctrine (21-03-2017)
21-03-2017, 01:25 PM (Resposta editada pela última vez em: 21-03-2017 01:29 PM por ruicoelho.)
Resposta: #4
RE: O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
2ª parte



Os aliados ocultos de Hitler


[Imagem: 11171535890768.jpg?w=1040]

Grandes corporações alemãs e até americanas patrocinaram o nazismo, enviaram funcionários judeus a campos de concentração e venderam a tecnologia que tornou o Holocausto possível. Tudo em nome de uma ideologia: o lucro.

A solução final tecnológica

O Holocausto não teria acontecido nos moldes em que ocorreu não fosse a International Business Machines, mais conhecida como IBM. A tradicional empresa de tecnologia organizou toda a Solução Final, o plano de extermínio total dos judeus da face da Terra. Desde o fim do século 19, a IBM dominava uma tecnologia ancestral do computador, os cartões perfurados. Esse sistema, desenvolvido para fazer censos, podia capturar qualquer tipo de informação por meio de furos feitos em colunas e fileiras de um cartão especialmente preparado. Linhas horizontais e verticais tinham significados diferentes e, com o cruzamento delas, obtinha-se a informação, que seria interpretada por uma máquina da empresa.

O equipamento foi bastante útil para o Terceiro Reich. “Com a IBM como parceira, o regime de Hitler pôde substancialmente automatizar e acelerar as seis fases dos 12 anos de Holocausto: identificar, excluir, confiscar, `guetizar¿, deportar e exterminar”, diz o jornalista americano Edwin Black no livro Nazi Nexus (“O nexo nazista”, inédito no Brasil).

Assim, ficou muito mais fácil para o Reich descobrir quem eram os judeus na Alemanha, onde viviam, em que trabalhavam. Confiscaram seus bens, tiraram seus empregos, jogaram-nos em guetos. Mais tarde, quando eles foram enviados para campos de concentração, a IBM coordenava todos os sistemas de trens para levá-los até lá. Já nos campos, as informações organizadas pelos programas da empresa eram usadas para os mais variados propósitos: gerenciar a mão de obra escrava, quem iria para a câmara de gás etc. O número de identificação tatuado no braço dos prisioneiros de Auschwitz nada mais era, a princípio, do que o número do cartão perfurado da IBM correspondente à pessoa. “Desde os primeiros momentos do relacionamento estratégico com a Alemanha, iniciado em 1933, o Reich tornou-se o maior consumidor internacional da IBM”, escreveu Black. Em valores atuais, o serviço prestado aos nazistas rendeu à subsidiária alemã US$ 200 milhões.

Pós-guerra – Hoje, a IBM se limita a dizer que não tem muita informação sobre a guerra e que perdeu o controle de seus negócios na Alemanha no período.

[Imagem: super_imgtablenazi1.jpg?quality=70&a...;strip=all]

A máquina de batalha

Em fevereiro de 1933, Gustav Krupp, cabeça da Krupp, grupo alemão de aço e armamentos, foi chamado, com outros 24 dos principais industriais da Alemanha, para uma reunião com o Partido Nazista. Hitler anunciou então seus planos, entre eles investir pesadamente nas Forças Armadas alemãs. Krupp, no papel de dirigente da Associação da Indústria Alemã do Reich, espécie de Fiesp de lá, anunciou que a instituição estava alinhada com os objetivos do futuro Führer e que estaria à disposição para ajudá-lo. Ou seja, o grosso do PIB do país, a elite industrial alemã, fechou com Hitler desde o começo.

Em 1936, já governante, Hitler elaborou o Plano de Quatro Anos, cujo objetivo era fazer com que a Alemanha nazista fosse autossuficiente em matérias-primas, essencialmente combustível, borracha, fibra têxtil e metais não-ferrosos – tudo isso como medida de preparação para os planos imperialistas do país. O desenvolvimento de produtos sintéticos foi acelerado, apesar dos altos custos. A produção de aço, por exemplo, subiu de 74 mil toneladas em 1933 para 477 mil em 1938.

“Quando Hitler subiu ao poder, os industriais não falavam uma língua só”, diz Jonathan Wiesen. “Mas a maioria estava feliz de apoiar nazistas em vez de comunistas, e de dar suporte a um movimento político que prometia limitar, senão esmagar, o crescente poder dos trabalhadores organizados. Gustav Krupp foi um que se tornou apoiador do regime.” Mesmo depois que ele sofreu um derrame e deixou o poder da empresa, em 1941, a Krupp continuou com o governo. Alfried, sucessor de Gustav, deu continuidade ao papel de principal fornecedor de armas e tanques da Alemanha. Durante a guerra, a indústria expandiu suas fábricas para todos os países ocupados, como siderúrgicas na Áustria e montadora de tratores na França. Como grande parte das empresas da época, a Krupp usou mão de obra forçada, com prisioneiros de guerra e de campos de concentração, e também civis dos locais ocupados. Acredita-se que o número de escravos tenha chegado a 100 mil.

Outra grande joia da indústria alemã a usar e abusar da mão de obra escrava foi a Siemens. Ela operava um subcampo em Auschwitz e um em Ravensbrück, na Alemanha, de onde retirou centenas de milhares de operários. Eles fabricaram telefones, telégrafos e rádios para a comunicação militar durante a guerra, componentes elétricos para motores de aviões, equipamentos para geração de energia, estradas de ferro e munições. A empresa ainda foi acusada de ter construído as câmaras de gás nas quais morreram milhões de judeus, mas isso nunca foi comprovado. Já o uso de mão de obra escrava era público e notório.

Pós-guerra – No Tribunal de Nuremberg, 12 pessoas foram condenadas, inclusive Alfried Krupp. Em 1999, a empresa se fundiu a outra grande siderúrgica alemã, formando a ThyssenKrupp. Na década passada, a Siemens começou a pagar indenizações às famílias de seus operários escravizados

[Imagem: mauthausen-gusen-deportado-concentracion...033_14.jpg]

O alimento da guerra

Os negócios do alemão Max Keith viviam tempos difíceis com o início da Segunda Guerra. A empresa que dirigia, filial alemã da Coca-Cola, estava isolada da matriz, em Atlanta, EUA. E do resto do mundo também. A bebida tinha conquistado os alemães nas décadas anteriores, a ponto do país ter se tornado o maior mercado da empresa fora dos EUA. Mas, com a guerra, a Coca-Cola da Alemanha não conseguia importar os ingredientes necessários para produzi-la. Foi então que Keith teve uma ideia: fabricar um refrigerante com o que tivesse a mão. Nascia assim a Fanta.

A fábrica usou o que tinha de disponível, como soro da proteína do leite, subproduto da fabricação de queijo, e fibra de maçã, que vinha da fabricação da cidra. E o principal, as frutas mais fáceis de conseguir: laranja e uva. Keith foi reconhecido e passou a comandar também as filiais da Coca-Cola nos países ocupados pela Alemanha. Convidado a se filiar ao Partido Nazista, ele recusou. Mas enquanto nos EUA a Coca forjava a imagem de ícone americano e parceira inseparável dos jovens do front, sua subsidiária alemã usava mão de obra escrava, especialmente nos últimos anos da guerra.

Além de Coca, os nazistas gostavam bastante dos chocolates da Nestlé. A empresa suíça obteve lucros monumentais em contratos com os alemães. E, mais uma vez, com milhares de escravos em suas linhas de produção. Segundo um relatório elaborado pelo historiador suíço Jean François Bergier, a Nestlé não só usou mão de obra forçada em sua subsidiária alemã como a matriz estava a par de tudo. “Como regra, as empresas não se importavam com a situação. Desde que a produção fosse mantida, elas não pensavam em intervir na política de gerenciamento de suas subsidiárias”, afirma o estudo.

Recentemente, outra indústria do ramo alimentício teve seu envolvimento com o nazismo vindo à tona – por vontade própria. A Dr. Oetker, aquela de bolos, sobremesas e chás, encomendou no ano passado um estudo sobre sua história durante o regime nazista. O patriarca, Rudolf-August Oetker, tinha as mãos sujas e era contra a investigação. Mas seu filho August decidiu que o trabalho deveria ser feito.

A pesquisa descobriu que, como muitos industriais da época, o diretor-executivo da companhia, Richard Kaselowsky, filiou-se ao Partido Nazista e doou grandes quantias a Heinrich Himmler, líder da SS (a tropa pessoal de Hitler). Rudolf-August Oetker, seu enteado e sucessor, manteve a proximidade. Em 1941, chegou a se alistar como voluntário da Waffen-SS, responsável pela vigilância dos campos de concentração. Além disso, a empresa também usou mão de obra forçada.

A Dr. Oetker é o mais novo nome em uma lista de empresas que pesquisam o passado que as condena. Esse movimento não é novo. “Desde 1970, uma boa parte das instituições e indivíduos alemães tentam encarar seu passado nazista”, diz Martin A. Ruehl, professor da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e especialista em história intelectual da Alemanha moderna. “Em alguns casos, isso aconteceu em resposta a pressões externas, como nos julgamentos conduzidos nos EUA. Em outros, não houve essa indução.” Para ele, essas empresas sentiram necessidade de encarar a própria colaboração para não serem vistas como silenciosas ou complacentes.

Pós-guerra – A Nestlé admitiu o envolvimento e pagou US$ 14,5 milhões para um fundo das vítimas de trabalho escravo. A Coca-Cola pediu desculpas publicamente.

[Imagem: 17827747_303.jpg]

Os Motores do Terceiro Reich

Várias montadoras se envolveram até o pescoço com os crimes nazistas. A BMW usou cerca de 30 mil trabalhadores forçados em sua fábrica durante a guerra. Além de veículos terrestres, prisioneiros de países ocupados e de campos de concentração eram a mão de obra para a produção de motores também para a Luftwaffe, a Força Aérea nazista. A Daimler-Benz, dona da Mercedes-Benz, também fez caminhões e motores de avião. Por volta de 1941, toda a produção dela era voltada para fins militares. Em 1944, cerca de metade dos 63.610 trabalhadores eram prisioneiros ou civis de países invadidos obrigados a trabalhar.

Como vimos no começo da reportagem, não foram só montadoras alemãs que negociaram com os nazistas. James D. Mooney caiu nas graças de Hitler, mas quem decidiu toda a operação da General Motors com o governo nazista foi o presidente da empresa, Alfred P. Sloan. A guerra foi um grande negócio para a GM. Mas, diferentemente da maioria dos colaboradores de Hitler, que tinham no lucro sua maior – senão única – motivação, o presidente da GM tinha razões políticas. “Sloan desprezava o emergente estilo de vida americano trabalhado pelo presidente Franklin Roosevelt. Ele admirava a força, determinação irreprimível e a magnitude da visão de Hitler”, afirma Edwin Black.

Figura central da racista American Liberty League, Sloan cooperou em todos os aspectos com os nazistas, dando dinheiro para atividades do partido e demitindo todos seus funcionários judeus. Das fábricas da Opel saíram motores de avião para a Luftwaffe, detonadores de minas terrestres e torpedos. O volume de vendas para o Exército era 40% maior que para civis. Em 1937, quase 17% dos caminhões produzidos pela Opel eram comercializados diretamente com os militares nazistas. No ano seguinte, o número saltou para 29%.

Hitler via na indústria automobilística um parceiro-chave. Ao estimular a criação de um carro do povo (ou volkswagen, em alemão), ele ganhou uma arma política formidável, e um símbolo do boom econômico do governo: o Fusca. Criado pelo engenheiro Ferdinand Porsche, o carro que se tornaria o mais vendido da história foi um sucesso antes e durante a guerra, já que seu sistema de refrigeração a ar permitia atravessar até desertos. A fábrica do carro, que também tinha mão de obra escrava, foi bombardeada, tomada pelos ingleses, devolvida aos alemães depois da guerra e enfim privatizada para se tornar a Volkswagen de hoje.

Hitler foi influenciado pelo Ford T, carro americano muito barato que fez de Henry Ford gênio industrial e um dos homens mais ricos dos EUA. Os dois tinham muito em comum. Antissemita, Ford comprou um jornal para divulgar suas ideias, inspiradas por uma teoria da conspiração recorrente que diz que os judeus têm um plano de dominação do mundo, manipulando imprensa, governos e economias. Os textos viraram um livro, O Judeu Internacional, traduzido em várias línguas. Na Alemanha, onde Ford era venerado como empresário, O Judeu Internacional foi um sucesso ao ser lançado, em 1921. A obra virou uma bíblia dos antissemitas alemães, entre eles Hitler. Na primeira edição de Minha Luta, seu livro-manifesto, há a dedicatória: “Apenas um grande homem, Ford.” A devoção ao americano seria depois expressada em uma foto emoldurada em seu escritório.

Empresário visionário e antissemita? Nada melhor para ganhar a admiração de Hitler. Com isso, a Ford explorou o rico mercado alemão, montando inclusive fábricas de veículos militares no país – antes mesmo do início da guerra. Com isso, a Ford da Alemanha mais que dobrou de tamanho entre 1939 e 1945.

Não importava, para os alemães, que a empresa fosse americana. De acordo com Charles Higham, autor de Trading with the Enemy (“Comercializando com o inimigo”, inédito no Brasil), empresários dos EUA continuaram de conluio com o governo alemão mesmo depois da entrada do país no conflito, em dezembro de 1941. Na mesma semana em que declararam guerra, os EUA proibiram qualquer negócio com os inimigos. Mas um decreto presidencial permitia algumas exceções, especialmente quando tinha muito dinheiro envolvido. A Standard Oil, de Nova Jersey, transportava o combustível para a Alemanha através da neutra Suíça, e os caminhões da Ford eram fabricados na França (que estava sob domínio nazista) com autorização da matriz, por exemplo.

De seu lado, o governo alemão prometeu que, se saísse vitorioso, as propriedades de alguns empresários americanos não seriam afetadas. “Qualquer que fosse o vencedor, os poderes que faziam o país funcionar não seriam prejudicados”, escreve Higham. Dessa forma, os investimentos das subsidiárias de empresas americanas na Alemanha chegaram a US$ 475 milhões na época – dentre eles, US$ 35 milhões da GM e US$ 17,5 milhões da Ford, que fabricou cerca de um terço dos caminhões nazistas.

Pós-guerra – GM e Ford contrataram historiadores para investigar a época. A Ford abriu os arquivos, e um livro sobre o passado da GM foi publicado. Em 2007, um documentário sobre a família Quandt, dona da BMW, escancarou sua relação com o nazismo. A empresa reconheceu isso quatro anos depois. A Daimler admitiu o envolvimento, pediu perdão pela escravidão e se propôs a pagar indenizações às famílias das vítimas.

[Imagem: obamawallstreet.gif]

Coco Chanel revolucionou a moda e virou sinônimo de sofisticação e elegância. Mas, para o serviço de inteligência alemão, a estilista era só um número: F-7124. Entre 1940 e 1944, ela foi agente nazista durante a ocupação alemã na França. A história foi revelada pelo jornalista americano Hal Vaughan no livro Dormindo com o Inimigo – A Guerra Secreta de Coco Chanel, lançado no Brasil em 2011.

A ligação de Chanel com os alemães começou após a ocupação de Paris, quando ela teve um caso com um espião da Alemanha, o barão Hans Günter Dinklage. A função dela era mediar negociações entre os alemães e pessoas de seu círculo social – que, como é de se esperar, era cheio de gente importante. Ela colocou os alemães em contato com o duque de Westminster, então o sujeito mais rico da Europa, e o primeiro-ministro britânico, Winston Churchill. Tudo em troca da libertação de seu sobrinho André Palasse, prisioneiro dos nazistas. Ou seja, o serviço de agente até tinha um objetivo nobre. Mas o resto, não. Chanel tentou, sem sucesso, se livrar de seus sócios judeus, que investiram nela no começo da carreira.

Outro ícone da moda marcado pelo nazismo foi Hugo Boss. Dono de uma fábrica de roupas, ele recebeu uma encomenda de camisas marrons para o então pouco conhecido Partido Nacional-Socialista. Mais tarde, a agremiação encomendou a produção de seus uniformes. Finalmente, em 1931, Boss virou o membro 508.889 do Partido Nazista. Graças à ligação, ele passou a fazer roupas também para a Juventude Hitlerista e o Exército. Seus lucros subiram de 200 mil para 1 milhão de marcos.

Durante a guerra, Boss usou 140 escravos, que trabalhavam sob condições desumanas, em barracões imundos e com pouca comida. Um dos casos mais chocantes foi o de uma empregada polonesa, Josefa Gisterek. Ela fugiu, foi capturada e mandada para Auschwitz. Boss usou suas conexões para encontrá-la e levá-la de volta à fábrica. Não se sabe sua real motivação, mas, ao chegar à confecção, o capataz a fez trabalhar tanto que ela teve um colapso e se matou, colocando a cabeça em um forno a gás. Boss pagou todas as despesas do funeral.

Pós-guerra – A Chanel diz que o papel de Coco deve ser mais estudado e não admite que ela era antissemita, pois inclusive tinha amigos judeus. A Hugo Boss pediu desculpas formais.

[Imagem: 074703854d0e5696dde2d318b0d42172.jpg]

Cineclube do Führer

Toda noite, antes de dormir, Hitler assistia a um filme. No jantar, pegava um de uma lista e levava seus convidados a um cinema privativo na Chancelaria do Reich, em Berlim. Quando seus funcionários alertaram que logo não haveria mais filmes alemães inéditos, ele decidiu ver longas americanos. Suas opiniões eram sempre anotadas. É assim que sabemos, por exemplo, que ele achou Tarzan ruim e que era fã de Mickey e de O Gordo e O Magro. Mas o mais importante dessa paixão por cinema foi a lição política que Hitler teve: filmes são capazes de convencer as pessoas e moldar suas opiniões.

Essas revelações estão em The Collaboration: Hollywood¿s Pact With Hitler (“A colaboração: o pacto de Hollywood com Hitler”, inédito no Brasil), lançado no ano passado. No livro, o jornalista australiano Ben Urwand conta sobre a relação de Hitler com os estúdios de cinema americanos. E afirma que Hollywood, pensando em não perder o grande mercado alemão, submeteu-se não apenas à censura nazista, mas também colaborou com a propaganda do regime.

Nos anos 30, para se aproximar de Hitler, Paramount, Columbia e outros estúdios demitiram funcionários judeus. A Fox alterou cenas em que oficiais alemães foram retratados de um jeito que desagradou Hitler em O Lanceiro Espião (1937). A Warner retirou a palavra “judeu” dos diálogos do filme A Vida de Émile Zola (1937). Jack Warner, chefão da casa do Pernalonga, foi o primeiro a convidar oficiais nazistas para Los Angeles, para que eles palpitassem nos cortes que queriam nos filmes. Em 1945, Warner teria ido a um passeio no iate de Hitler, no qual teria discutido oportunidades de negócio no pós-guerra.

A MGM também pegou pesado. O lucro de empresas estrangeiras era proibido de sair da Alemanha. Então esse dinheiro ficava com as subsidiárias, sem chegar às matrizes em outros países. Quem não tinha uma filial e quisesse fazer negócio lá precisava usar seus representantes para dar um jeito, às vezes com certa malandragem nazi. Em 1938, a MGM seguiu uma recomendação dos nazistas e investiu em armamentos para a Alemanha, segundo o historiador americano Tom Doherty, estudioso do envolvimento dos estúdios com o nazismo. Para completar, Joseph Goebbels, o poderoso ministro da Propaganda alemão, teria pedido a Frits Strengholt, chefe da MGM no país, que se divorciasse de sua mulher judia. Ele atendeu o pedido e, segundo Urwand, há evidências de que a ex-esposa foi para um campo de concentração.

O mais espantoso é que não só as esposas, mas muitos dos próprios dirigentes dos estúdios eram judeus. “Assim como outras empresas americanas, os estúdios colocaram os lucros acima dos princípios”, afirma Urwand. “Mas Hollywood não era uma distribuidora de mercadorias, era uma fornecedora de ideias e cultura. Eles tinham a chance de mostrar ao mundo o que estava acontecendo. E aqui o termo `colaboração¿ adquire seu significado mais completo.” Jonathan Wiesen lembra que toda empresa sabia que o que se passava era uma guerra racial. “Esperamos que elas tivessem dito `não¿ para trabalhar para a guerra? Provavelmente sim, apesar de eu não conseguir imaginar isso acontecendo.” Tudo o que se sucedeu foi possível, em boa parte, graças aos esforços financeiros de quem via a guerra como um grande negócio, nos dois lados do Atlântico. E o que mais instiga os especialistas é que provavelmente há dados ocultos. E que, possivelmente, ainda existam muitos arranha-céus imponentes com uma velha suástica escondida em seus arquivos.

Pós-guerra – As denúncias são recentes e nenhum estúdio se manifestou publicamente a respeito.

[Imagem: Hollywood+e+o+Nazismo.jpg]



Os vários Schindlers

O industrial alemão Oskar Schindler salvou mais de mil judeus empregando-os em sua fábrica. A história, contada no filme A Lista de Schindler (1993), de Steven Spielberg, é um dos vários casos de empresários, executivos e funcionários de grandes empresas que arriscaram suas vidas para salvar judeus no Holocausto. Conheça algumas dessas histórias nas próximas páginas.

Frits Philips – Empresário holandês salvou 400 pessoas

Viu a empresa de sua família, a Philips Electronics, virar uma gigante multinacional. Durante a guerra, ficou na Alemanha para tocar as várias unidades do conglomerado, inclusive uma que operava dentro do campo de concentração de Vught. Lá, salvou trabalhadores judeus. Virou CEO da empresa em 1961.

Berthold Beitz – Executivo alemão salvou 800 pessoas

Escondeu judeus em casa com a ajuda da mulher. Como executivo de uma empresa de petróleo, obtinha informações privilegiadas sobre ações dos nazistas, e avisava a comunidade judaica. Salvou 250 pessoas de embarcarem em um trem com destino ao campo de concentração de Belzec, afirmando que eram seus empregados. Assinou falsas permissões de trabalho para livrar judeus de outros campos. Nos anos 50, virou presidente da Krupp

Raoul Wallenberg – Empresário sueco Salvou 25 mil pessoas

Diretor de uma empresa alimentícia, trabalhou como diplomata em Budapeste. Na capital da Hungria, ocupada pelos nazistas, organizou uma rede de resgate que dava abrigo em casas protegidas pela embaixada da Suécia. Foi preso em 1945 pelos soviéticos, e morreu em 1947.

Franjo Sopianac – Industrial croata

Dono de uma empresa de petróleo, vivia com a família em Zagreb, Croácia, então sob domínio nazista. Em 1941, quando as leis antissemitas foram anunciadas e as ordens de deportação começaram, usou os prédios da refinaria para esconder judeus. Ele conseguiu várias permissões de viagem e mandou judeus à zona ocupada pelos Aliados na Itália, livrando-os dos campos.

Alfred Rossner – Empregado de indústria alemão salvou 10 mil pessoas

Administrador de uma tecelaria em Bedzin, na Polônia, que produzia uniformes para o Exército alemão, protegeu empregados judeus e cuidou dos parentes deles, para que não fossem deportados. Também abrigou vários judeus nas fábricas sob sua administração quando houve o extermínio dos guetos. Foi descoberto e preso pela SS em 1943 e condenado à morte por enforcamento.


Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a ruicoelho pelo seu post:
jonas car (23-03-2017)
Spirulina Orgânica da Fazenda Tamanduá Você Encontra na Tudo Saudável Produtos Naturais
22-03-2017, 12:29 PM (Resposta editada pela última vez em: 22-03-2017 01:05 PM por Campanário.)
Resposta: #5
RE: O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
Eu já passei da fase de querer convencer alguém de alguma coisa... Apenas vou fazer um contraponto entre as informações postadas aqui e quem tiver lendo o tópico pode formar o próprio julgamento...

[Imagem: O%2BPAPA%2BDE%2BHITLER.gif]


Livro de John Cornwell, “O Papa de Hitler”: “A capa do livro de John Cornwell mostra o arcebispo Pacelli saindo de um edifício do governo alemão, escoltado por dois soldados. Essa visita oficial do então Núncio Apostólico na Alemanha, teve lugar em 1929, quatro anos antes que Hitler chegasse ao poder (em 30 de janeiro de 1933). Como Pacelli saiu da Alemanha em 1929 e nunca mais voltou, é enganoso e tendencioso o uso dessa fotografia”





Encíclica Mit brennender Sorge (Com profunda preocupação) (14 de Março de 1937), é uma Carta Encíclica de Pio XI que condena o nacional-socialismo alemão e sua ideologia racista. Foi a primeira crítica oficial ao nazismo feita por um chefe de Estado e contém um ataque velado a Adolf Hitler, referindo-se a ele como "um profeta louco de arrogância repulsiva".

A encíclica foi publicada dias antes de Divini Redemptoris, uma condenação similar ao comunismo na Rússia. Em 1933, Pio XI havia negociado uma concordata com a Alemanha, mas Hitler deixou de honrar seus compromissos, o que fez com que as críticas do Papa se tornassem mais severas nos anos seguintes.

Mit brennender Sorge é considerada como o primeiro documento público de um chefe de Estado europeu a criticar o nazismo. Em uma das suas passagens mais célebres, contém o que é frequentemente interpretado como um ataque pessoal ao Führer:

Como a mensagem era destinada especificamente ao povo germânico, Pio XI optou por redigir a Encíclica em alemão. Quando pronta, foi enviada clandestinamente para a Alemanha para que não fosse apreendida pela Gestapo, e então reproduzida por oficiais da Igreja Católica. As cópias foram distribuídas aos bispos, padres e capelães para serem lidas em todas as paróquias alemãs no dia 21 de março de 1937, durante a homilia da missa de Domingo de Ramos, quando a presença de fiéis costuma ser a máxima de todo o ano litúrgico.

Na época foi uma surpresa geral para os fiéis, as autoridades e a polícia, a leitura da encíclica nas missas do domingo de Ramos, 21 de março de 1937, em todos os templos católicos alemães, que eram então mais de 11.000 igrejas. Seu impacto entre as elites dirigentes alemãs foi forte. Em toda a breve história do Terceiro Reich, nunca recebeu este na Alemanha uma contestação de amplitude e gravidade que se aproximasse da que se produziu com a Mit brennender Sorge. No entanto, o controle intensivo que o regime exercia sobre a imprensa e a falta de liberdade de circulação de informações impediu que o impacto fosse maior entre as massas, sendo seu conteúdo prontamente censurado e respondido com uma forte campanha publicitária anticlerical. No dia seguinte a leitura nos púlpitos, todas as paróquias e escritórios das dioceses alemãs foram visitados por oficias da Gestapo que apreenderam as cópias do documento.

Como era de se esperar, no mesmo dia o órgão oficial nazista, Völkischer Beobachter, publicou uma primeira réplica à encíclica - que foi também a última. O ministro alemão da propaganda, Joseph Goebbels, foi suficientemente perspicaz para perceber a força do documento e entender que o mais conveniente era ignorá-lo completamente, fazendo uso do extensivo controle dos meios de comunicação que o Reich já possuía na altura para censurar o seu conteúdo e qualquer referência a ele.

Após a leitura e publicação da encíclica, as perseguições anticatólicas tiveram lugar, e as relações diplomáticas Berlim-Vaticano ficaram severamente estremecidas. Em maio de 1937, 1.100 padres e religiosos são lançados nas prisões do Reich. 304 sacerdotes católicos são deportados para Dachau em 1938. As organizações católicas são dissolvidas e as escolas confessionais interditadas.

Até a queda do regime nazista, cerca de onze mil sacerdotes católicos (quase metade do clero alemão dessa época) "foi atingido por medidas punitivas, política ou religiosamente motivadas, pelo regime nazista", terminando muitas vezes nos campos de concentração.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Mit_brennender_Sorge

Eu, da minha parte, considero o livro "O papa de Hitler", de John Cornwell absolutamente falso e carente de fontes que evidencie as suas mentiras, principalmente no que tange a associação entre Hitler e o Vaticano.

A igreja católica cometeu vários crimes contra a humanidade durante sua existência, mas eu presumo que nem 1/3 das que lhe tentam imputar são verdadeiras... no entanto, sendo muitas ou poucas, essas contas serão cobradas a qualquer momento.

APANHADO DO TESTEMUNHO DE JUDEUS ILUSTRES SOBRE PIO XII

ELIO TOAFF - SOBREVIVENTE - Elio Toaff, judeu italiano que viveu o Holocausto e depois se tornou rabino-chefe de Roma, lembra:
"... nós tivemos a oportunidade de conhecer de perto a grande compaixão, bondade e magnanimidade do papa durante os anos infelizes de perseguição e terror, quando parecia que para nós não havia mais saída."

DIA DA GRATIDÃO - Em 1955, quando a Itália celebrou o décimo aniversário de sua libertação, a União da Comunidades Judaicas Italianas proclamou 17 de abril o "Dia da gratidão" pela ajuda do papa durante a guerra.

ISAAC HERZOG - O rabino-chefe de Israel, Isaac Herzog, enviou uma mensagem em fevereiro de 1944 dizendo que:
"o povo de Israel nunca esquecera o que Sua Santidade e seus ilustres representantes, inspirados pelos princípios eternos da religião, que são os verdadeiros fundamentos da verdadeira civilização, estão fazendo pelos nossos irmãos e irmãs desafortunados no momento mais trágico da nossa história; o que é uma prova viva da Divina Providência neste mundo"

JORNAL JEWISH CHRONICLE - Em 1942, o jornal Jewish Chronicle, de Londres, observou:
"Uma palavra de sincera e profunda apreciação é devida pelos judeus ao Vaticano por sua intervenção em Berlim e Vichy em favor de seus correligionários torturados na França... Foi uma iniciativa incentivada, honrosamente, por um bom número de católicos, mas para a qual o próprio Santo Padre, com sua intensa humanidade e sua clara compreensão das verdadeiras e mortais implicações dos assaltos contra o povo judeu, não precisou ser incentivado por ninguém."

MINISTRA ISRAELENSE GOLDA MEIR - Quando Pio XII morreu, em 1958, Golda Meir, então ministra de Assuntos Exteriores de Israel, enviou uma eloqüente mensagem:
"Compartilhamos a dor da humanidade... Quando o terrível martírio abateu-se sobre nosso povo, a voz do Papa elevou-se a favor das vítimas". (Fonte: Site "Interprensa").

REFUGIADOS JUDEUS - Em 29 novembro de 1945, Pacelli reuniu-se com 80 representantes de refugiados judeus de vários campos de concentração da Alemanha, que se expressaram
"sua grande honra por serem capazes de agradecer ao Santo Padre por sua generosidade com os perseguidos durante o período nazi-fascista." (até no fantasioso livro "O Papa de Hitler", de John Cornwell documentou isso).

JUDEUS ITALIANOS - Pode-se perguntar se existe algo pior do que o assassinato em massa de seis milhões de judeus. A resposta é o massacre de centenas de milhares a mais. E foi para salvar estes que o Vaticano trabalhou. O destino dos judeus italianos se tornou o ponto principal dos críticos do papa. O fracasso do catolicismo em evitar a tragédia em sua própria casa, demonstraria a hipocrisia papal de querer ter autoridade moral hoje. Mas o fato é que, enquanto 80 por cento dos judeus europeus pereceram durante a Segunda Guerra, 80 por cento dos judeus italianos foram salvos. Nos meses em que Roma esteve sob ocupação alemã, Pio XII instruiu o clero italiano a salvar vidas por todos os meios.

No início de outubro de 1943, o papa pediu às igrejas e conventos espalhados pela Itália para abrigarem os judeus. Apesar de Mussolini e dos fascistas cederem às exigências de deportação vindas de Hitler, muitos católicos italianos desafiaram as ordens germânicas.

Em Roma, 155 conventos e mosteiros abrigaram cerca de cinco mil judeus.

Pelo menos três mil se refugiaram na residência papal de verão de Castel Gandolfo.

Sessenta judeus viveram por nove meses na Universidade Gregoriana, e muitos foram escondidos na dispensa do Pontifício Instituto Bíblico.

Centenas se refugiaram no Vaticano mesmo.

Seguindo as instruções do papa, sacerdotes, monges, freiras, cardeais e bispos italianos salvaram milhares de vidas.

O cardeal Boetto, de Gênova, salvou pelo menos oitocentos.

O bispo de Assis escondeu trezentos judeus por mais de dois anos.

O bispo de Campagna e dois parentes seus salvaram 961 no Fiume.

O cardeal Pietro Palazzini, então vice-reitor do Seminário Romano, escondeu Michael Tagliacozzo e outros judeus italianos no seminário (propriedade do Vaticano) por muitos meses em 1943 e 1944.

Em 1985, o Yad Vashem (memorial do Holocausto em Israel) homenageou o cardeal como justo entre as nações. Acolhendo a homenagem, Palazzini disse que
"o mérito é todo de Pio XII, que nos mandou fazer todo o possível para salvar os judeus da perseguição".

A quem interessa o fim da Igreja Católica??? Religião Mundial e o super estado sinárquico
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 6 usuários diz(em) obrigado a Campanário pelo seu post:
DeOlhOnafigueira (23-03-2017), jonas car (23-03-2017), Minerim (22-03-2017), pequeno gafanhoto (23-03-2017), Rafaelsimões (22-03-2017), ruicoelho (22-03-2017)
22-03-2017, 04:19 PM (Resposta editada pela última vez em: 23-03-2017 05:10 PM por Minerim.)
Resposta: #6
RE: O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
(22-03-2017 12:29 PM)Campanário Escreveu:  Eu já passei da fase de querer convencer alguém de alguma coisa... Apenas vou fazer um contraponto entre as informações postadas aqui e quem tiver lendo o tópico pode formar o próprio julgamento...

@Campanário,

Você pode ter passado da fase de convencimento, mas não passou e nem passará da marca que representa como importante defensor e esclarecedor dos ataques sempre feitos à Igreja Católica Romana.

Espero que sua presença aqui não sege casual, mas com frequência maior, pois é sempre com prazer que eu e muitos outros membros acompanhamos as suas colocações.

Tudo de bom para você e sua família.

Na PAZ!
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a Minerim pelo seu post:
Campanário (23-03-2017), jonas car (23-03-2017), pequeno gafanhoto (23-03-2017), Rafaelsimões (22-03-2017), ruicoelho (22-03-2017)
23-03-2017, 01:34 PM
Resposta: #7
RE: O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
(22-03-2017 04:19 PM)Minerim Escreveu:  Você pode ter passado da fase de convencimento, mas não passou e nem passará da marca que representa como importante defensor e esclarecedor dos ataques sempre feitos à Igreja Católica Romana.

Espero que sua presença aqui não sege casual, mas com frequência maior, pois é sempre com prazer que eu e muitos outros membros acompanhamos as suas colocações.

Tudo de bom para você e sua família.

Na PAZ!

Amigo @Minerim agradeço suas palavras e vou aproveitar suas colocações para fazer um grande questionamento.

Longe de mim fazer defesa inquestionável do Vaticano... A Igreja Católica cometeu um sem número de abusos durante sua milenar história, quase todos absolutamente atrelados ao imenso poder que ela sempre teve (hoje menos) sobre a vida e a morte de todos os seres vivos nesse planeta.

E é sabido por todos que a espécie humana nunca soube lidar com o poder... o poder nos enlouquece, é a pior doença a que podemos ser submetidos.

Todavia, e basta qualquer um digitar a palavra Vaticano na pesquisa dos titulos dos tópicos desse forum, hj o vaticano é acusado de praticamente tudo de abjeto que acontece no mundo... algumas acusações são absurdas, outras são elaboradas com um pouco mais de cuidado mais igualmente falsas.

E algumas são de fato verdadeiras... o que é de se esperar de uma instituição composta por homens.

Mas porque esse imensa, gigantesco, esmagador ataque a instituição Igreja Católica Apostólica Romana? Vamos lembrar que apesar de seus erros históricos, toda a civilização ocidental foi moldada na moral judaico-cristã, e nosso mundo seria muito diferente hj, para pior, se não fosse a Igreja Católica...

A Igreja Católica é hoje, de longe, a maior instituição caritária do mundo...a Igreja administra 115.352 Institutos sanitários, de assistência e beneficência em todo o mundo.

Deste número, 5.167 hospitais (a maior parte na América, 1.493 e 1.298 na África); 17.322 dispensários, amaioria na África, 5.256, América 5.137 e Ásia 3.760; 648 leprosários distribuídos principalmente na Ásia (322) e África (229); 15.699 casas para idosos, doentes crônicos e deficientes - Europa (8.200) e América (3.815); 10.124 orfanatrófios, principalmente na Ásia (3.980) e América (2.418); 11.596 jardins da infância, a maior parte na América (3.661) e Ásia (3.441); 14.744 consultores matrimoniais, distribuídos no continente americano (5.636) e Europa (6.173); 3.663 centros de educação e reeducação social, além de 36.386 instituições de outros tipos.

No campo da instrução e da educação, a Igreja administra no mundo 68.119 escolas maternais, frequentadas por 6.522.320 alunos; 92.971 escolas primárias onde estudam 30.973.114 alunos; 42.495 escolas superiores médias com 17.114,73? alunos. Além disso, acompanha 2.288.258 jovens de escolas superiores e 3.275.440 estudantes universitários. (Fonte: “Anuário Estatístico da Igreja”, publicado pela Agência Fides)

Se perguntarmos a um estudante universitário o que sabe do contributo da Igreja Católica para a sociedade, a sua resposta talvez se resuma a uma palavra: “opressão”, por exemplo, ou “obscurantismo”. No entanto, essa palavra deveria ser “civilização”.

A Igreja criou uma instituição que mudou o mundo: a Universidade; o milagre da ciência moderna e de uma filosofia que levou a razão à sua plenitude só puderam nascer sobre o solo da mentalidade católica.

A Igreja nos deu uma arquitetura e umas artes plásticas de beleza incomparável.

Os filósofos escolásticos desenvolveram os conceitos básicos da economia moderna, que trouxe para o Ocidente uma riqueza sem precedentes.

O nosso Direito, garantia da liberdade e da justiça, nasceu em ampla medida do Direito canônico.

A Igreja humanizou a vida, ao insistir durante séculos nos direitos universais do ser humano – tanto dos cristão como dos pagãos – e na sacralidade de cada pessoa.

Então eu pergunto a vocês, de qualquer religião ou credo... A quem interessa o fim da Igreja Católica, ao qual esse mundo vem se dedicando com uma fúria implacável, e quem vem arquitetando esses planos?

A quem interessa o fim da Igreja Católica??? Religião Mundial e o super estado sinárquico
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 6 usuários diz(em) obrigado a Campanário pelo seu post:
Jápeto (23-03-2017), jonas car (25-03-2017), Minerim (23-03-2017), pequeno gafanhoto (23-03-2017), Rafaelsimões (25-03-2017), ruicoelho (23-03-2017)
Biscoitos saudáveis e sem glúten
você encontra aqui!
23-03-2017, 05:08 PM (Resposta editada pela última vez em: 23-03-2017 05:10 PM por Minerim.)
Resposta: #8
RE: O acordo entre Hitler e a Igreja Católica...
Excelente postagem amigo @Campanário,

Eu, por exemplo, estudei durante 3 anos em um seminário menor Redentorista nos idos anos de 1971 a 1973 (ufa tô veio).

Sempre digo que se o governo tornasse obrigatário para os jovens o ensino em uma instituição religiosa, da 5ª a 8ª série, independente de ser ela católica, mas que fosse séria, tenho certeza que a forma de vida de nossa juventude seria muito mais rica e produtiva, pois a educação que eu recebi nestes três anos foi a principal responsável pelo que fui e sou até hoje.

Foi lá que aprendi a lutar de maneira honesta, buscando sempre alcançar o melhor, mas respeitando a todos e sempre visando também os direitos do meu próximo.

Quero tirar umas dúvidas com você. Te mandarei por MP.

Na PAZ!
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 4 usuários diz(em) obrigado a Minerim pelo seu post:
Campanário (23-03-2017), Jápeto (23-03-2017), pequeno gafanhoto (24-03-2017), Rafaelsimões (25-03-2017)
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
Information Hitler viveu e morreu no Brasil lizardman 40 25,624 03-09-2017 04:31 PM
Última Resposta: Sanderson S. Pierre
  Qual é a conexão entre a famosa Área 51 e alienígenas pachacuti 39 21,660 30-11-2015 04:44 PM
Última Resposta: Elenin20182024
  Adolf Hitler , realmente morreu John Dickinson 0 3,220 15-03-2014 10:38 AM
Última Resposta: John Dickinson
  Bombardeiros russos, Igreja Ortodoxa, kgb, crise de 62 e mísseis na Venezuela yoda 8 7,501 11-04-2013 01:52 PM
Última Resposta: yoda
  Hitler era descendente de negros e judeus, diz teste de DNA admin 2 4,428 21-03-2013 02:42 PM
Última Resposta: vgfmaia

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Publicidade:
Loja de Produtos Naturais Tudo Saudável

Recomende o Fórum


Sites Associados: Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas
Rastreando Chemtrails
Site Notícias Naturais
Fórum Notícias Naturais Blog Anti-Nova Ordem Mundial

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 159 usuários online.
» 6 Membros | 153 Visitantes
Branco, NoNOM, ULTRON, Unk, xablim

Estatísticas do Fórum
» Membros: 20,090
» Último Membro: rennekerly nunes
» Tópicos do Fórum: 24,596
» Respostas do Fórum: 263,623

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
False Flags para acelerar a agenda do carro autônomo
Última Resposta Por: fil
Hoje 11:59 AM
» Respostas: 18
» Visualizações: 1241
Cientistas descobrem espaço vazio escondido na Grande Pirâmide de Gizé
Última Resposta Por: Infinite
Hoje 10:21 AM
» Respostas: 21
» Visualizações: 2072
Caixões da FEMA: Estocados para a Eliminação de Corpos Durante uma Pandemia?
Última Resposta Por: Mayaman
Hoje 09:48 AM
» Respostas: 25
» Visualizações: 14851
O que está por trás das mentiras de Guga Chacra e da imprensa em geral
Última Resposta Por: pequeno gafanhoto
Hoje 09:24 AM
» Respostas: 23
» Visualizações: 1409
O Mito da Urna Eletrônica
Última Resposta Por: tarcardoso
Ontem 02:12 PM
» Respostas: 3
» Visualizações: 424
R$ 2,84 - valor retirado de cada brasileiro p/construir mansão de presidente angolano
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
Ontem 12:19 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 226
[Opinião] Delação Premiada
Última Resposta Por: tarcardoso
Ontem 08:19 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 211
Uma liberdade que agora pode estar mais longe do que imaginamos.
Última Resposta Por: tarcardoso
Ontem 07:45 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 181
Escola infantil para a Elite chega ao Brasil ano que vem. E a NOM agradece...
Última Resposta Por: MarcioEscolaBilingue
21-11-2017 08:48 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 805
IA o Exterminador do futuro?!
Última Resposta Por: Beobachter
21-11-2017 08:48 PM
» Respostas: 27
» Visualizações: 5672
2019: A NOM e a Igreja Pan-Amazônica agora com aval do Papa
Última Resposta Por: O Mensageiro
21-11-2017 08:05 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 246
Canal "Ciência de Verdade" Anti Globalista, Perseguido
Última Resposta Por: Nikoloz
21-11-2017 07:48 PM
» Respostas: 42
» Visualizações: 2278
Como a JBS sugou o BNDES para expandir seus negócios
Última Resposta Por: tarcardoso
21-11-2017 07:39 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 381
Como detectar MAVs e bloquear
Última Resposta Por: Aragorn
21-11-2017 05:20 PM
» Respostas: 21
» Visualizações: 1911
Cartórios faturaram no Brasil 12 bilhões de reais. Faturamento que aumentará em 2018
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
21-11-2017 04:00 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 119
Trump abrindo documentos sobre JFK. Os Aliens e Deep State
Última Resposta Por: ULTRON
21-11-2017 01:41 PM
» Respostas: 20
» Visualizações: 3340
Barrações e constrangimento não impedem o aumento migratório de brasil.p/ Portugal.
Última Resposta Por: Bruna T
20-11-2017 10:42 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 413
Asgardia: Proposta de Nação Espacial
Última Resposta Por: Binho C.R.
20-11-2017 09:57 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 455
O que aconteceria se a Terra de repente ficasse plana
Última Resposta Por: Bruna T
20-11-2017 09:19 PM
» Respostas: 34
» Visualizações: 3088
O Último Dia De Gandhi - Outro Pedófilo?
Última Resposta Por: Infinite
20-11-2017 02:32 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 6860
Restauração da Pátria. Um trabalho de grande exaustão e profissionalismo ao extremo.
Última Resposta Por: tarcardoso
20-11-2017 02:06 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 688
Brasil: onde a vida humana é desprezada, odiada, perseguida e discriminada.
Última Resposta Por: Guigo Xavier
20-11-2017 12:52 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 909
Lobos em Peles de Cordeiro: como o Público foi Enganado no Socialismo
Última Resposta Por: Bogoton
20-11-2017 11:04 AM
» Respostas: 21
» Visualizações: 6256
Últimos acontecimentos ONLINE
Última Resposta Por: Nelson Ferreira
20-11-2017 09:18 AM
» Respostas: 611
» Visualizações: 138032
O Estado não necessita do imposto. Ele é viciado em arrecadar.
Última Resposta Por: pablo_hp
19-11-2017 06:23 PM
» Respostas: 5
» Visualizações: 677
Onde foi parar a sua testosterona?
Última Resposta Por: Elenin20182024
19-11-2017 01:23 PM
» Respostas: 52
» Visualizações: 9122
Maduro nomeia chefe de narcotráfico como negociador da dívida externa do país.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
19-11-2017 01:22 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 233
Terra Chata? Uma Nova Teoria sobre o Polo Sul
Última Resposta Por: Elenin20182024
19-11-2017 12:03 PM
» Respostas: 402
» Visualizações: 69454
Sobrevivencialismo: Conceito e Principais Postulados
Última Resposta Por: Nikoloz
19-11-2017 10:59 AM
» Respostas: 16
» Visualizações: 9645
Canal da Nicarágua: força aérea russa faz patrulhamento constante.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
18-11-2017 06:55 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 240

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!

Camisetas:
camisetas resista à nova ordem mundial