Loja Tudo Saudável


Atualizações: Operação Jade Helm

Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 0 Votos - 0 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
O tratamento brutal a que são submetidas as crianças palestinas
26-08-2014, 02:26 PM
Resposta: #1
O tratamento brutal a que são submetidas as crianças palestinas
[Imagem: 30-israel2-AFP.jpg]

Jornal The Independent revela como Israel se vinga de crianças que atiram pedras

[Imagem: images?q=tbn:ANd9GcRrXaDeWoQ2A5ngedmctew...E7yVRG_ZMG]


Na maioria dos casos, crianças palestinas de até 12 anos de idade são arrancadas da cama à noite, algemadas e vendadas, ficam sem dormir ou sem comida, são submetidas a longos interrogatórios e então forçadas a assinar confissões em hebreu, um idioma que poucas tem capacidade de ler.


[Imagem: palestina-israel.jpg]

Menino se urina ao ser capturado por soldados de Israel

O menino, pequeno e frágil, está lutando para ficar acordado. Sua cabeça pende para o lado, a certa altura caindo sobre o peito. “Levanta a cabeça! Levanta!”, grita um dos interrogadores, estapeando o menino. Mas ele a essa altura não parece mais se importar, porque está acordado por pelo menos doze horas desde que foi tirado de casa e separado dos pais às duas da manhã, sob a mira de uma arma. “Eu gostaria que vocês me soltassem”, ele choraminga, “assim eu poderia dormir um pouco”.

Durante o vídeo, de quase seis horas, o palestino Islam Tamimi, de 14 anos de idade, exausto e amedrontado, é continuamente pressionado, a ponto de começar a incriminar homens de sua vila e a tecer lendas fantásticas que, acredita, seus tormentadores querem ouvir.

Estas imagens raras, vistas pelo Independent, oferecem uma janela num interrogatório israelense, quase um rito de passagem que centenas de crianças palestinas acusadas de atirar pedras enfrentam todo ano.

Israel tem defendido fortemente seu comportamento, argumentando que o tratamento dados aos menores melhorou vastamente com a criação de uma corte militar juvenil dois anos atrás. Mas as crianças que enfrentaram a dura justiça da ocupação contam uma história bem diferente.





“Os problemas começam muito antes de as crianças serem trazidas para o tribunal, começam com a prisão delas”, diz Naomi Lalo, uma ativista do No Legal Frontiers, um grupo israelense que monitora os tribunais militares. É durante os interrogatórios que o destino da criança “é decidido”, ela diz.

[Imagem: palestina-israel-rana.jpg]

Jovem palestina escala tanque e desafia exército israelense, que reage covardemente





Sameer Shilu, de 12 anos, estava dormindo quando soldados derrubaram a porta da frente da casa dele uma noite. Ele e o irmão mais velho sairam do quarto com os olhos embaçados para encontrar seis soldados destruindo a sala-de-estar.

Checando o nome do menino na carteira de identidade do pai, o oficial israelense parecia “chocado” quando viu que precisava prender uma criança, disse o pai de Sameer, Saher. “Eu disse, ‘ele é muito jovem: por que você o quer?’ ‘Eu não sei’, ele respondeu”. Vendado e com as mãos dolorosamente atadas por algemas plásticas nas costas, Sameer foi colocado em um Jeep, com o pai gritando que não tivesse medo. “Nós choramos, todos nós”, o pai diz. “Eu conheço meus filhos; eles não atiram pedras”.

Nas horas que antecederam o interrogatório, Sameer foi mantido vendado e algemado, sem poder dormir. Eventualmente levado para um interrogatório sem um advogado ou parente presente, um homem o acusou de participar de uma demonstração e mostrou imagens de um menino atirando pedras, dizendo que era ele.

“Ele disse, ‘este é você’ e eu disse que não era eu. Então ele me perguntou, ‘quem são eles?’ e eu disse que não sabia”, Sammer conta. “A certa altura, o homem começou a gritar comigo, me agarrou pelo colarinho e disse ‘eu vou jogar você pela janela e te bater com um pau, se você não confessar’”.

Sameer, que se disse inocente, teve sorte; ele foi solto algumas horas depois. Mas a maior parte das crianças é amedrontada a ponto de assinar uma confissão, sob ameaça de violência física ou contra as famílias, como a da retirada das permissões de trabalho.

Quando uma confissão é assinada, os advogados geralmente orientam as crianças a aceitar um acordo e a servir uma sentença de prisão, mesmo que não sejam culpadas. Alegar inocência quase sempre representa longas ações no tribunal, durante as quais a criança quase sempre fica presa. Sentenças em favor das crianças são raras. “Numa corte militar, você deve saber que não deve procurar por justiça”, diz Gabi Lasky, uma advogada israelense que representou crianças.

Existem muitas crianças palestinas em vilas da Cisjordânia sob a sombra do Muro israelense da separação ou de assentamentos judaicos em terras palestinas. Onde grandes protestos não-violentos se deram como forma de resistência, existem crianças que atiraram pedras e patrulhas de Israel nessas vilas são comuns. Mas advogados e grupos de defesa dos Direitos Humanos protestam contra a política de Israel de tornar alvo as crianças de vilas que resistem à ocupação.

[Imagem: palestina-israel2.jpg]



Na maioria dos casos, crianças de até 12 anos de idade são arrancadas da cama à noite, algemadas e vendadas, ficam sem dormir ou sem comida, são submetidas a longos interrogatórios e então forçadas a assinar confissões em hebreu, um idioma que poucas tem capacidade de ler.

O grupo de Direitos Humanos B’Tselem concluiu que “os direitos dos menores são severamente violados, que a lei quase sempre fracassa na proteção de seus direitos, e que os poucos direitos dados a eles sob a lei não são implementados”.

Israel alega que trata os menores palestinos no espírito de sua própria lei para jovens mas, na prática, este é raramente o caso. Por exemplo, crianças não deveriam ser presas à noite, advogados e parentes deveriam estar presentes durante os interrogatórios e é preciso ler os direitos para as crianças presas. Mas Israel trata isso como comportamento recomendando, não como exigência legal, e os direitos das crianças são frequentemente violados. Israel considera jovens israelenses como crianças até 18 anos, enquanto palestinos são vistos como adultos a partir dos 16 anos de idade.

Advogados e ativistas dizem que mais de 200 crianças palestinas estão em prisões israelenses. “Se você quer prender estas crianças, se quer julgá-las”, diz a srta. Lalo, “tudo bem, mas faça isso de acordo com a lei de Israel. Dê a elas os seus direitos”.

No caso de Islam, o menino do vídeo, a advogada dele, srta. Lasky, acredita que o vídeo é prova de sérias irregularidades no interrogatório.

Em particular, o interrogador não disse a Islam que ele tinha direito de ficar calado, e o menino foi ouvido sem a advogada, que tentou vê-lo mas não conseguiu. Em vez disso, o interrogador pediu a Islam que contasse tudo a ele e aos colegas, sugerindo que se fizesse isso ele seria solto. Um interrogador sugestivamente socou uma das mãos, fechada, na palma da outra.

Ao final do interrogatório Islam, chorando entre soluços, sucumbiu aos interrogadores, aparentemente dando a eles o que queriam ouvir. Numa página de fotografias, a mão do menino se moveu sobre as imagens, identificando moradores da vila que mais tarde seriam presos por protestar.

A srta. Lasky espera que a divulgação do vídeo mude o tratamento das crianças presas nos territórios ocupados, em particular na forma como são usadas para incriminar outros, o que advogados alegam é o principal objetivo dos interrogadores. O vídeo ajudou a conseguir a soltura de Islam, do presídio para prisão domiciliar, e pode levá-lo a ser inocentado das acusações de atirar pedras. Mas, neste momento, um Islam silencioso não acredita em sua sorte. A metros de sua casa em Nabi Saleh fica a casa de uma prima, cujo marido está preso à espera de julgamento junto com uma dúzia de outros com base na confissão do menino.

A prima é magnânima. “Ele é uma vítima, ele é apenas uma criança”, diz Nariman Tamimi, de 35 anos, cujo marido, Bassem, de 45 anos, está na prisão. “Não devemos culpá-lo pelo que aconteceu. Ele estava sob enorme pressão”.

A política de Israel tem sido bem sucedida num sentido: criar medo entre as crianças e evitar que elas participem de futuras manifestações. Mas as crianças ficam traumatizadas, sujeitas a pesadelos e a molhar a cama à noite. A maioria acaba perdendo o ano escolar, ou abandona a escola.

Os críticos de Israel dizem que a política em relação às crianças palestinas está criando uma nova geração de ativistas com os corações cheios de ódio contra Israel. Outros dizem que ela mancha o caráter do país. “Israel não tem nada que prender estas crianças, julgá-las ou oprimí-las”, a srta. Lalo diz, com os olhos marejados.

“Elas não são nossas crianças. Meu país está fazendo muitas coisas erradas e as justificando. Nós deveríamos servir de exemplo, mas nos tornamos um estado opressor”.

Números de crianças detidas

7000. O número estimado de crianças palestinas detidas e processadas pelos tribunais militares israelenses desde 2000, de acordo com relatório do Defesa Internacional de Crianças Palestinas (DCIP)

87. Porcentagem de crianças submetidas a alguma forma de violência física durante a custódia. Cerca de 91% tiveram os olhos vendados em algum momento da detenção.

12. A idade mínima de responsabilidade criminal, conforme estipulado pela Ordem Militar 1651.

62. Porcentagem das crianças presas entre meia-noite e 5 da manhã.


O vídeo que é mencionado na matéria não mais existe. Os aqui expostos são apenas os muitos que estão disponíveis na internet.





http://www.pragmatismopolitico.com.br/20...srael.html

Ex-soldados israelitas revelam rotina de humilhação e violência contra crianças palestinas

Relatório da organização Breaking The Silence:

depoimentos de antigos soldados que expõem os abusos do exército entre 2005 e 2011.

Crianças e jovens palestinos são vítimas diárias da violência e humilhação das tropas israelitas.

Durante uma madrugada em 2009, todas as casas da cidade palestina Salfit, localizada na Cisjordânia, foram invadidas por soldados israelitas. A ordem do Comando Central era prender todas as pessoas que tivessem de 15 a 50 anos e levá-las para uma escola que se havia tornado provisoriamente um centro de detenção. Isso porque a Agência de Segurança de Israel, que realiza o serviço de segurança interna, queria recolher informações sobre as pedras que eram jogadas contra jipes militares nas estradas e ruas em redor da cidade.

Os militares colocaram vendas e algemas de plástico, muitas vezes apertando-as, nos jovens e adultos. Por sete horas, estes palestinos permaneceram sentados sem se poderem mexer, sem acesso à água e comida, sob um sol escaldante. Eles não sabiam por que estavam lá e nem o que seria feito pelos militares - um dos jovens urinou nas calças. Muitos ficaram com as mãos roxas pela falta de circulação sanguínea e outros com os braços dormentes por conta das algemas. Um dos garotos, de apenas 15 anos, pediu para ir à casa de banho e, antes de ser levado por um soldado, foi espancado ainda no chão.

Essa é apenas uma das muitas histórias publicadas neste domingo (26/08) pela Breaking the Silence (Quebrando o Silêncio em tradução livre), uma organização de antigos oficiais do Exército de Israel dedicada à divulgação das ações militares nos territórios palestinos ocupados. Mais de 30 ex-soldados revelaram como trataram crianças e jovens palestinos durante as operações militares e prisões de 2005 a 2011, revelando um padrão de abuso.

O documento está repleto de descrições de intimidações, humilhações, violência verbal e física e de prisões arbitrárias por parte dos militares israelitas em circunstâncias cotidianas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Os casos tratam de jovens e crianças que atiraram pedras ou outros objetos contra jipes militares, que participaram de protestos ou que simplesmente sorriram para um soldado, deixando-o irritado. Não faltam histórias também de palestinos presos e agredidos arbitrariamente: “O garoto não foi mal-educado e nem tinha feito nada para irritar. Ele era árabe”, se justifica um antigo sargento do Exército de Israel no relatório.

O argumento central da maioria das histórias é que, com as prisões e agressões, esses jovens aprenderiam que não podem jogar pedras contra os militares nem se manifestar de alguma forma entendida pelos israelitas como violenta. “Muitos dizem que os palestinos devem ser espancados, porque esta é a única forma que podem aprender”, conta um antigo militar não identificado.

Apesar de alguns ex-soldados repetirem essa justificação, a maioria admite que as ações não tiveram resultados. Pedras continuaram a ser atiradas, pneus queimados e protestos realizados, mas as ações militares permaneceram as mesmas. “Muitas vezes me senti muito ambivalente, incerta do que estava fazendo e em que lado eu estava nisso tudo”, diz uma sargenta.

Arrependimento

A imagem de crianças espancadas, feridas por tiros de bala de borracha e de pólvora, humilhadas e apavoradas marcou muitos dos militares envolvidos nas ações e hoje eles decidiram relatar a indiferença adquirida nos corpos do Exército. “Ele cagou nas calças, eu escutei, presenciei a humilhação. Eu também senti o cheiro. Mas, eu não me importava”, lembra um ex-sargento da detenção de uma criança.

“O que nós fazíamos não era nada em comparação com o que eles faziam”, conta um militar, referindo-se ao batalhão de patrulha das fronteiras. “Eles não ligavam a mínima. Saiam partindo o joelho das pessoas como se não fosse nada. Sem piedade”, lembra, indignado.

"Você nunca sabe os seus nomes, você nunca fala com eles, eles sempre choram, cagam nas suas próprias calças… Há aqueles momentos incómodos, quando você está em uma missão de prisão, e não há espaço na espaço de polícia, então você pega a criança de volta, coloca-lhe uma venda, mete-a numa sala e espera a polícia para vir buscá-lo na parte da manhã. Ele fica ali como um cão", descreve um ex-militar.

O documento abrange também casos em que os próprios militares provocavam palestinos para poderem ripostar. Eles estariam "entediados". O ex-primeiro sargento de um batalhão em Hebron revela que seu grupo atirava granadas dentro de mesquitas durante cerimónias e que um comandante impedia as pessoas de saírem da reza por horas até alguém mandar um cocktail molotov ou atirar pedras. Ele diz que usavam as crianças como escudos humanos e que apontavam armas à sua cabeça para os deixarem apavorados. “Foi somente depois que comecei a pensar nessas coisas, nós perdemos todo o senso de compaixão”, conclui.

Ódio

Apesar de estes soldados possuírem remorso e arrependimento, eles contam que muitos de seus companheiros e eles próprios odiavam os árabes e eram convictos do que faziam. “Eles eram vermes e em algum ponto, eu lembro que eu os odiava, odiava eles [palestinos]. Eu era um racista, estava tão zangado com eles pela sua sujidade, a sua miséria, essa porcaria toda”, afirma um sargento de Hebron.

O relatório revela que os militares tinham que seguir regras de procedimento nas suas ações, mas que na experiência quotidiana isso não funcionava. Para prender um palestino, tinham que vendá-lo e algemá-lo; para conter uma manifestação ou impedir um palestino de fugir, deveriam atirar contra as suas pernas a uma distância de 20 metros; para bater em um palestino com o cassetete, não podiam atingir a sua cabeça.

“Disseram-nos para não usar o cassetete na cabeça das pessoas. Eu não me lembro onde disseram que era para bater, mas assim que a pessoa está no chão e você a está a espancar com um cassetete, é difícil de distinguir”, diz um ex-sargento de Ramallah, na Cisjordânia. Outro sargento lembra um protesto: “O tipo ao meu lado atirou no chão para fazê-los correr e de repente, ele disse ‘Oops!’. Eu olho e vejo uma criança sangrando no chão. Quatro palestinos foram mortos naquela noite. Ninguém falou connosco sobre isso. Não houve nenhuma investigação”.

As declarações foram reunidas para mostrar a realidade do quotidiano dos soldados israelitas em relação ao povo palestino.

“Lamentavelmente esta é a consequência moral de tantos anos de ocupação dos territórios palestinos”, explica Yehud Shaul da Breaking the Silence.

Para ler o relatório na íntegra:
http://www.breakingthesilence.org.il/wp-...11_Eng.pdf

http://www.esquerda.net/artigo/ex-soldad...tinas/2438
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 7 usuários diz(em) obrigado a Firenze pelo seu post:
Alimah (28-08-2014), avalon (26-08-2014), Guigo Xavier (27-08-2014), Javelin (26-08-2014), O Atalaia (27-08-2014), Padawan (26-08-2014), Zunim (27-08-2014)
Loja Tudo Saudável
27-08-2014, 11:55 AM (Resposta editada pela última vez em: 27-08-2014 11:57 AM por Guigo Xavier.)
Resposta: #2
RE: O tratamento brutal a que são submetidas as crianças palestinas
(26-08-2014 02:26 PM)Firenze Escreveu:  A política de Israel tem sido bem sucedida num sentido: criar medo entre as crianças e evitar que elas participem de futuras manifestações. Mas as crianças ficam traumatizadas, sujeitas a pesadelos e a molhar a cama à noite. A maioria acaba perdendo o ano escolar, ou abandona a escola.

Os críticos de Israel dizem que a política em relação às crianças palestinas está criando uma nova geração de ativistas com os corações cheios de ódio contra Israel. Outros dizem que ela mancha o caráter do país. “Israel não tem nada que prender estas crianças, julgá-las ou oprimí-las”, a srta. Lalo diz, com os olhos marejados.

“Elas não são nossas crianças. Meu país está fazendo muitas coisas erradas e as justificando. Nós deveríamos servir de exemplo, mas nos tornamos um estado opressor”.

Caro colega. Agradeço o cuidado e o trabalho em realizar um tópico bem fundamentado e explicativo.

O trecho acima sintetiza tudo aquilo que enxergo sobre essa situação.
A segregação do povo palestino e a miséria que se encontram assemelham-se muito à situação das favelas brasileiras, como já vi um comparativo em algum artigo.

O povo é deixado na miséria e surgem grupos que se aproveitam desse abandono. No caso das favelas são traficantes, já a Palestina é o Hamas.
Esse grupo, fomentado pela mídia e governo, torna-se generalização e o povo começa discriminar todo o povo da região associando-as a parcela violenta.

Essas crianças são oprimidas e sentem na pele o terror que o ser humano é capaz de fazer com outro. Pois, pelo simples fato, de viverem no território que existem terroristas não merecem os direitos relativos aos seres humanos, segundo entendimento disseminado por Israel.
Serão futuros adultos revoltados com Israel e serão os possíveis futuros membros do Hamas pois a marca da tortura na infância é algo muito difícil de cicatrizar.

Já no lado israelense, esses soldados só refletem a lavagem cerebral que sofrem ao longo da vida. São incapazes de fazer um discernimento claro sobre a situação da Palestina. Somente reproduzem aquilo que são ensinados: o ódio.

Realmente triste. Ambos lados, sabemos ser fruto de manobras de uma elite que pouco importa com o ser humano, somente com o seu poder!
Ver o rosto dessas crianças faz meu coração entristecer. Se eu tivesse somente pedras nas mãos, talvez, as arremessaria simplesmente para aliviar minha frustração de ser impotente diante das injustiças que se fazem.

Viver nesse mundo é difícil. Por isso que dizem que a "ignorância é uma benção." Não conhecer e não se importar com esse tipo de situação é viver no mundo da fantasia.

Um dia, espero fazer parte de um mundo diferente. Gostaria de mudá-lo!
Chegaremos num ponto que estaremos maduros para ajudar naquilo que for possível.
O que fazemos aqui é muito importante para, de fato, ajudarmos em algo.
Estamos aprendendo e creio que esse aprendizado trará subsídios para possibilitar agirmos em prol da sociedade no futuro.

Assim espero!

Fico muito feliz em saber que ainda existem aqueles que enxergam o mundo como ele é. Que me ajudam todos os dias ser uma pessoa melhor e me livrar de velhos conceitos que foram agregados à minha formação.

Tive a oportunidade de ver um documentário a respeito de como o ser humano age sem estar no controle da sua atitude devido a função extraordinária do subconsciente. Esse subconsciente é o reflexo dos ensinamentos que temos ao longo da vida. Em um conflito cruel como esse que foi mostrado aqui, é importante entender como um ser humano pode ser forjado para não se importar com outro.
Eu achei incrível e, para mim, responde várias perguntas que me vazia. Tipo do por quê as pessoas eram racistas? Por que brasileiro gosta de futebol? Por que um povo pode odiar tanto outro só porque nasceram a alguns quilômetros de distância? Nosso subconsciente é envenenado desde que conhecemos o mundo e refletimos aquilo que nosso subconsciente grava.
Por isso, soldados torturam crianças como se fossem a coisa mais normal.
Devemos reprogramar nosso subconsciente. Faço isso diariamente.
Se quiserem, fiz o tópico com as duas primeiras partes do documentário que é, sem dúvida, muito interessante.

http://forum.antinovaordemmundial.com/To...o-controle

"Não é quem eu sou por dentro e sim o que eu faço é que me define." Batman.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a Guigo Xavier pelo seu post:
O Atalaia (27-08-2014), Zunim (27-08-2014)
27-08-2014, 12:55 PM
Resposta: #3
RE: O tratamento brutal a que são submetidas as crianças palestinas
E o que a ONU e o pessoal dos direitos humanos tem a dizer sobre esses abusos de Ísis-Rá-El?

A mídia dominada por esses filhos da ****, nunca demonstram os abusos de Israel.
É uma prova que o lobby judaico domina o planeta.



[Imagem: sionistas.jpg]

Essa dicotomia. Essa briga de esquerda e direita, ela é um instrumento fantástico nas mãos do poder que nos domina. ” Dr. Adriano Benayon
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 6 usuários diz(em) obrigado a ULTRON pelo seu post:
avalon (27-08-2014), Firenze (27-08-2014), Guigo Xavier (27-08-2014), Javelin (27-08-2014), Mediador (27-08-2014), O Atalaia (27-08-2014)
27-08-2014, 08:58 PM (Resposta editada pela última vez em: 27-08-2014 09:05 PM por Motta.)
Resposta: #4
RE: O tratamento brutal a que são submetidas as crianças palestinas
(27-08-2014 12:55 PM)ULTRON Escreveu:  E o que a ONU e o pessoal dos direitos humanos tem a dizer sobre esses abusos de Ísis-Rá-El?

A mídia dominada por esses filhos da ****, nunca demonstram os abusos de Israel.
É uma prova que o lobby judaico domina o planeta.



[Imagem: sionistas.jpg]

@ULTRON , sabemos que a manipulação de grande parte da mídia mundial é evidente. No entanto, creio que as atrocidades cometidas por Israel têm feito com que as redações dos principais veículos de comunicação mundial não tenham outra saída senão mostrar a realidade da política nazi-sionista. Repórteres da Reuters e da BBC, por exemplo, tem relatado com detalhes os crimes israelitas cometidos contra os cidadãos (?) palestinos e suas crianças. Com certeza, fazem isso - os repórteres que cobrem o conflito - não sem por sua profissão e carreiras em risco, já que contrariam algumas ordens superiores.

E graças à imprensa (isso pode parecer irônico pra alguns) é que o mundo tem tido acesso à real situação da empreitada sionista em busca da Grande Israel que tanto eles sonham alcançar.

[/b]Sob proteção daquele que traz o segredo da vida e da cura em suas mãos e o Sol em seu rosto oculto e sublime...
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Motta pelo seu post:
Firenze (28-08-2014)
Emagreça com saúde neste verão - Tudo Saudável Produtos Naturais
29-08-2014, 01:20 PM
Resposta: #5
RE: O tratamento brutal a que são submetidas as crianças palestinas
E a vida segue, do mesmo jeito, com um exército atacando escolas de crianças palestinas com gás.






"Dezenas de soldados israelenses invadiram a escola de Buren em Nablus Sul e tentaram prender certos alunos, alegando que eles tinham atirado pedras em carros dos colonos judeus na área," Ghassan al-Naggar, um membro do movimento de solidariedade pela Palestina livre, uma ONG, revelou à Agência Anadolu.

As forças israelenses dispararam granadas de gás lacrimogêneo e atordoaram o pátio da escola, chamando professores para evacuar o prédio, disse al-Naggar.

As tropas israelenses retiraram pais de alunos que reuniram-se fora da escola, de acordo com al-Nagar.

Após a retirada, acrescentou ele, as forças israelenses montaram barricadas em torno da localidade.

Sem mortes ou ferimentos foram relatados como resultado da batalha.

Funcionários israelenses, entretanto, não estavam disponíveis para comentar.

A tensão permanece alta na Cisjordânia ocupada, onde as forças israelenses continuam em conflito com os palestinos protestando em solidariedade com os seus homólogos na faixa de Gaza sitiada.

A faixa costeira cambaleou sob um ataque militar israelense de semanas de duração que pareceu chegar ao fim na terça-feira com a assinatura de um acordo de cessar-fogo mediado Egito.
-Veja mais em: http://www.middleeastmonitor.com/news/mi...is2jA.dpuf
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
Thumbs Down Polícia dos EUA toma 10 crianças de um casal "Anti-Sistema" que educava em casa Mediador 9 4,071 13-07-2018 11:07 AM
Última Resposta: Marcelo Almeida
  Centenas de crianças imigrantes estão presas em gaiolas na fronteira com o Texas. Cimberley Cáspio 7 1,220 23-06-2018 06:55 PM
Última Resposta: CaféSemAçúcar
Exclamation Vídeo: Agentes da TSA revistam crianças de 2 e 6 anos de idade nos EUA Mediador 0 1,314 26-04-2014 05:02 PM
Última Resposta: Mediador
  Estado Policial - Edmonds School - Suspende Crianças por Armas de Brinquedo Redfoca 1 1,687 24-08-2013 03:48 AM
Última Resposta: weirdo

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Publicidade:
Loja de Produtos Naturais Tudo Saudável

Recomende o Fórum


Sites Associados: Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas
Rastreando Chemtrails
Site Notícias Naturais
Fórum Notícias Naturais Blog Anti-Nova Ordem Mundial

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 123 usuários online.
» 1 Membros | 122 Visitantes

Estatísticas do Fórum
» Membros: 20,638
» Último Membro: Byll
» Tópicos do Fórum: 25,500
» Respostas do Fórum: 271,671

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
Ataque terrorista mata 25 em desfile militar no Iran
Última Resposta Por: Beobachter
Hoje 03:34 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 42
Você conhece a família Ferreira Gomes?
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
Hoje 02:12 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 79
Em campeonato de corrupção, o Brasil ainda está muito atrás.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
Hoje 11:41 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 125
Precisamos acabar com a CLT
Última Resposta Por: Beobachter
Hoje 11:04 AM
» Respostas: 4
» Visualizações: 270
Candidato Bolsonaro leva facada
Última Resposta Por: CaféSemAçúcar
Hoje 11:02 AM
» Respostas: 181
» Visualizações: 10351
Porta do Inferno - República Gramscista do Brasil
Última Resposta Por: Bruna T
Hoje 08:53 AM
» Respostas: 16
» Visualizações: 856
É possível hackers invadirem urnas eletrônicas se elas não são conectadas à internet?
Última Resposta Por: Bruna T
Hoje 08:47 AM
» Respostas: 17
» Visualizações: 605
[VIDEO] A Máfia dos Transplantes de Órgãos e o Caso Paulinho Pavesi
Última Resposta Por: Bruna T
Hoje 08:39 AM
» Respostas: 26
» Visualizações: 26774
Modus Operandi do Jornalismo
Última Resposta Por: Bruna T
Hoje 08:15 AM
» Respostas: 34
» Visualizações: 1053
Por que a esquerda brasileira está muda diante da fome que mata crianças na Venezuela
Última Resposta Por: Bruna T
Hoje 08:00 AM
» Respostas: 30
» Visualizações: 1008
Atentado contra Bolsonaro - Informações
Última Resposta Por: Cecelo
Ontem 09:43 PM
» Respostas: 50
» Visualizações: 2816
Condenada à seca extrema, África do Sul, discute projeto p/rebocar icebergs da Antárt
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
Ontem 05:24 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 86
O suposto relatório de 300 páginas que sacudirá a Igreja Católica
Última Resposta Por: CaféSemAçúcar
Ontem 08:03 AM
» Respostas: 5
» Visualizações: 472
Não subestime o perigo da guerra comercial de Trump com a China
Última Resposta Por: Bruna T
Ontem 01:09 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 203
Alguns pontos da entrevista do Bolsonaro na Globo News
Última Resposta Por: Beobachter
20-09-2018 08:52 PM
» Respostas: 152
» Visualizações: 10191
Somos um povo tipo casal sem vergonha, ou podemos deixar de ser?
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
20-09-2018 06:23 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 157
A Origem da Vida
Última Resposta Por: NoNOM
20-09-2018 05:49 PM
» Respostas: 30
» Visualizações: 1792
Grupo Bilderberg, o que eles podem estar planejando
Última Resposta Por: Marcelo Almeida
20-09-2018 10:29 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 343
Últimos acontecimentos ONLINE
Última Resposta Por: DeOlhOnafigueira
20-09-2018 12:23 AM
» Respostas: 986
» Visualizações: 191318
ABORTO
Última Resposta Por: Marcelo Almeida
19-09-2018 04:27 PM
» Respostas: 16
» Visualizações: 688
Uruçuí-PI - Epidemia que avança sob o silêncio forçado das vítimas.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
19-09-2018 03:34 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 255
(Importante) III Guerra Mundial
Última Resposta Por: CaféSemAçúcar
19-09-2018 03:11 PM
» Respostas: 690
» Visualizações: 441654
Imposto Justo
Última Resposta Por: tarcardoso
19-09-2018 10:07 AM
» Respostas: 3
» Visualizações: 256
Maduro banqueteia em restaurante caro enquanto o povo passa fome.
Última Resposta Por: Neo1
18-09-2018 07:12 PM
» Respostas: 1
» Visualizações: 336
Plano dos EUA Para Invasão do Brasil
Última Resposta Por: klanpaia
18-09-2018 06:14 PM
» Respostas: 27
» Visualizações: 22380
Daciolo denuncia Nova Ordem Mundial e pede volta de voto em papel em debate
Última Resposta Por: Nikoloz
18-09-2018 03:42 PM
» Respostas: 52
» Visualizações: 3267
Governo estuda tornar obrigatória vacinação de crianças.
Última Resposta Por: Cimberley Cáspio
18-09-2018 03:15 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 153
Grécia:"o sentimento no país é de que não há futuro.O pessimismo chegou para ficar."
Última Resposta Por: Nikoloz
18-09-2018 02:54 PM
» Respostas: 5
» Visualizações: 355
Tudo que está na Wikipédia é confiável?
Última Resposta Por: pablo_hp
18-09-2018 10:10 AM
» Respostas: 2
» Visualizações: 186
Para a NOM, é proibido permitir uma vida decente para todos.
Última Resposta Por: pablo_hp
18-09-2018 09:07 AM
» Respostas: 3
» Visualizações: 265

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!

Camisetas:
camisetas resista à nova ordem mundial