Voce nao esta logado ou registrado. Por favor faca login ou se registre para utilizar todas as funcionalidades deste forum...



Responder 
 
Avaliação do Tópico:
  • 1 Votos - 5 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
SNIPERS - São Utilizados Por Serviços Secretos (CIA, Mossad, KGB, BND)
16-07-2013, 06:46 PM
Resposta: #1
SNIPERS - São Utilizados Por Serviços Secretos (CIA, Mossad, KGB, BND)
SNIPERS - Os franco-atiradores


[Imagem: screen_shot_2012-02-10_at_9.30.32_am-new...1328859070]

Os serviços secretos utilizam atiradores para matar civis e fomentar tensões? Resposta: sim.
Estes atiradores foram utilizados pela CIA nos Estados Unidos, Reino Unido, Noruega, Bélgica, França, Jugoslávia, Síria, Líbia, Egipto, Tunísia, Venezuela, Tailândia, Indonésia, Roménia, Rússia, Quirguistão, Paquistão, Iraque, Afeganistão.

Esquisito? Nada disso: o sniper fez um bom trabalho: limpo, silencioso, preciso, não dá nas vistas. E é descartável se for o caso.

Pegamos num dos casos mais recentes.
Recentemente houve tiroteios em Cairo no conflito entre os partidários do ex-presidente Morsi e o exército. Mas há uma terceira força que atira contra ambos os lados e afirma Eric Draitser nas páginas de Global Research:


Esta revelação levanta sérias questões sobre a verdadeira natureza do conflito no Egipto e as perturbadoras semelhanças entre este incidente e os similares na Síria, Tailândia e outros países.

Um médico do Cairo, um defensor de Morsi, afirma (1, 2):

Vi 4-6 pessoas em bicicletas no cruzamento Rabaa perto do quartel da Guarda Republicana. Os motociclistas estavam todos mascarados. E era difícil ver através da escuridão e da fumaça de gás lacrimogéneo, mas parecia que tiros. Ficavam por trás dos manifestantes, por isso disparavam contra os manifestantes e o exército. Em seguida, o exército começou a disparar. E os manifestantes dispararam. Eu vi o fogo de ambos os lados. Um oficial do exército, um policial e um soldado foram mortos.

Ainda Draitser:
Os francos-atiradores do Cairo vinham dum terceiro lado ainda desconhecido, cujo interesse é garantir que confrontos violentos e assassinatos exacerbem as tensões e alimentem a guerra civil. Os mais atentos observadores cuidadosos vão reparar que já vimos este cenário. Fomentar uma guerra civil no Egito,

Mas não há apenas o Egipto.
Quando a Cia decidiu derrubar o presidente Suharto, homens armados e mascarados mataram vários alunos em Jacarta, em Maio de 1998.

Vamos observar outros casos de intervenção de franco-atiradores ou snipers.

[Imagem: cia.jpg]

Roménia 1989

No documentário da televisão de Susanne Brandstätter Checkmate - Strategy of a Revolution (Youtube):




Espiões ocidentais revelaram que os esquadrões da morte foram usados para desestabilizar a Roménia e incitar o povo contra o chefe de Estado Nicolai Ceausescu. Dominique Fonvielle, ex-membro do serviço secreto francês DGSE, disse que os espiões têm de "desestabilizar as pessoas para a desvantagem do regime no poder . "Os espiões ocidentais entrevistados no documentário revelam como os meios de comunicação ocidentais têm um papel central na desinformação. As vítimas dos franco-atiradores pró-ocidentais foram apresentadas ao mundo como prova de que um ditador louco estava a matar o seu próprio povo.

Rússia 1993

Em 1993, os contra-revolucionários do Boris Yeltsin fez uso extensivo de franco-atiradores. De acordo com muitos relatos de testemunhas oculares, os atiradores foram vistos atingir civis de prédios em frente da embaixada dos EUA em Moscovo. Atiradores de elite foram (erroneamente) atribuídos ao governo soviético pelos meios de comunicação internacionais.

Jugoslávia anos '90

O apoio militar segredo dos EUA para grupos terroristas na Jugoslávia criou as condições para a intervenção "humanitária" após os atentados em 1999. Neste caso foi uma manobra combinada entre a Cia e os serviços secretos da Alemanha.

Venezuela 2002

Em 2002, a Cia tentou derrubar Hugo Chávez. No dia 11 de Abril foi organizada uma marcha da oposição e snipers escondidos em edifícios perto do palácio abriram o fogo contra os manifestantes, matando 18 pessoas. Os meios de comunicação alegaram (erradamente) que Chávez tinha assassinado o seu próprio povo.

Tailândia 2010

Em 12 de Abril de 2010 houve [/b]um conflito entre militantes dos "camisas vermelhas" eo governo tailandês.[/b] Atiradores desconhecidos mataram 21 pessoas. O primeiro-ministro da Tailândia "Abhisit acusou bandidos armados [...] A televisão estatal transmitiu imagens de soldados constantemente sob o fogo de balas e explosivos. Observadores militares dizem que as tropas tailandesas foram emboscados por agentes provocadores."

Quirguistão 2010

A violência étnica explodiu na república da Ásia Central do Quirguistão em Junho de 2010. Atiradores desconhecidos abriram fogo contra membros da minoria uzbeque no Quirguistão. Eurasia.net relatou:

Os habitantes ofereceram testemunhos convincente acerca de pistoleiros que matam as pessoas no seus bairros [...] Muitas pessoas estão convencidas de que tinham visto mercenários estrangeiros que actuavam como snipers [...] Os habitantes sinalizaram ter visto franco-atiradores negros e alto, loiros, atiradores de elite de sexo feminino dos Estados Bálticos. A ideia de que atiradores ingleses dispararam contra os uzbeques nas ruas de Osh é popular.
Em 6 de Agosto de 2008, o jornal russo Kommersant informou que um esconderijo de armas dos EUA tinha sido encontrado numa casa na capital do Quirguistão, Bishkek, alugada por dois cidadãos norte-americanos.

As tensões étnicas podem ser usadas para criar um ambiente de medo em apoio a uma ditadura impopular. O Jihadismo islâmico pode ser usado para criar o que Zbigniew Bzrezinski chama de "arco de crise".

Tunísia 2011

Em 16 de Janeiro de 2011, a CNN informou que "bandos armados" estavam a combater as forças de segurança da Tunísia. Muitos dos assassinatos cometidos durante a revolta tunisina foram perpetrados por "atiradores desconhecidos". Há vídeos postados na internet que mostram cidadãos suecos detidos pelas forças de segurança da Tunísia: os homens estavam armados com rifles de precisão (o vídeo original foi retirado do Youtube: o presente é uma péssima cópia).




Egipto 2011

Além de quanto relatado no princípio, vale a pena lembrar que em 20 de Outubro de 2011 o Daily Telegraph escreveu que Mina Daniel, activista anti-governo do Cairo, foi morto por um atirador desconhecido. Em 6 de Fevereiro, a Al-Jazeera informou que o jornalista egípcio Mahmoud Ahmad foi baleado por atiradores de elite.

Líbia 2011

Um vídeo transmitido pela Al-Jazeera mostrou manifestantes debaixo de fogo. O vídeo foi editado para convencer o espectador de que os manifestantes anti-Khadafi foram mortos pelas forças de segurança. No entanto, a versão não editada do vídeo mostra claramente manifestantes pró-Khadafi com bandeiras verdes debaixo de fogo de atiradores desconhecidos. Este não foi um caso isolado: a errada atribuição de crimes cometidos pelas força pró-Nato foi uma característica constante da guerra dos media contra o povo líbio.

Síria 2011

"Snipers desconhecido estacionavam nos telhados das cidades de Hama e Daraa, foram os verdadeiros culpados principais. É interessante notar que a missão de observação da própria Liga Árabe, abertamente hostil ao regime de Assad, observou no seu relatório como muitas das atrocidades do início de 2012, devidas aos tiros dos sniper, poderiam ser atribuídas corretamente a uma terceira força desconhecida no país.



Fonte: http://informacaoincorrecta.blogspot.com...ipers.html

Eric Draitser nas páginas de Global Research = http://fomentar%20uma%20guerra%20civil%20no%20egito,%20eric%20draitser/
1 = http://www.newyorker.com/online/blogs/ne...cairo.html
2 = http://www.newyorker.com/online/blogs/ne...cairo.html
Draitser = http://translate.googleusercontent.com/t...3uZQsfLkwA
Fomentar uma guerra civil no Egito = http://translate.googleusercontent.com/t...3uZQsfLkwA
Boris Yeltsin fez uso extensivo de franco-atiradores = http://www.truthinmedia.org/Bulletins/tim98-3-10.html
Uma manobra combinada entre a Cia e os serviços secretos da Alemanha = http://www.globalresearch.ca/articles/BEH502A.html
Chávez tinha assassinado o seu próprio povo = http://www.globalresearch.ca/unknown-sni...ange/27904
Um conflito entre militantes dos "camisas vermelhas" eo governo tailandês = http://translate.googleusercontent.com/t...ZoKvqy1VXg
Eurasia.net = http://translate.googleusercontent.com/t...B6z1n_pqeg
Kommersant = http://www.kommersant.ru/doc/1008364
CNN = http://edition.cnn.com/2011/WORLD/africa...s=PM:WORLD
cidadãos suecos detidos = http://www.youtube.com/watch?v=jIa9RYbbriI
Mahmoud Ahmad foi baleado por atiradores de elite = http://aangirfan.blogspot.it/2011/11/dav...orist.html
http://translate.googleusercontent.com/t...9dbDHsUcBA
A uma terceira força desconhecida no país = http://aangirfan.blogspot.it/2013/07/mys...world.html

Existem duas guerras sendo travadas: Uma física contra pessoas inocentes, e uma mais sutil... por sua mente. Enquanto o sistema for capaz de te convencer que as falsas notícias são verdadeiras, pessoas inocentes continuarão sendo mortas.
Se não podemos parar a carnificina das guerras físicas, é nosso dever vencer a guerra pelas nossas próprias mentes.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a Spectro pelo seu post:
admin (16-07-2013), heisenberg (17-07-2013), leila adriana chaves (17-07-2013), nelson manuel jesus ferreira (16-07-2013), Omega (17-07-2013)
16-07-2013, 07:55 PM (Resposta editada pela última vez em: 16-07-2013 10:39 PM por mirtesavelaneda.)
Resposta: #2
RE: SNIPERS - São Utilizados Por Serviços Secretos (CIA, Mossad, KGB, BND)
MOSSAD


E indo além, encontrei esse incrível artigo, muito informativo e estarrecedor, capaz de surpreender até as mentes mais acostumadas ao bizarro e ao inusitado, e que surpreendentemente encontra-se disponível à todos os curiosos feito eu: http://www.tropasdeelite.xpg.com.br/ISRA...IDON-1.htm

MOSSAD

"Quando não há sábia direção, o povo cai; mas na multidão de conselheiros há segurança."
Provérbios 11:14



Para entender como funcionam e qual a motivação das equipes de extermínio do Mossad, conhecidas como Kidon, antes de mais nada é preciso conhecer a história, e como pensa e age o serviço secreto de Israel. Mesmo não sendo uma unidade militar o Mossad tem em seu quadro muitos ex-militares, e é um dos serviços de inteligência que tem plena capacidade para realizar operações paramilitares em qualquer parte do planeta.



Formalmente conhecido Instituto para a Inteligência e Operações Especiais (em hebraico: המוסד למודיעין ולתפקידים מיוחדים), o Mossad (em hebraico o Instituto) é o serviço secreto do governo de Israel, com sede em Tel Aviv e é considerado o mais eficiente em todo o mundo. Existem pelos menos cinco razões para isso:


Primeira, Israel mantém a fé de que a Inteligência Humana (HUMINT - Human Intelligence) vale mais que a Inteligência de sinais (SIGINT - signals intelligence). Apesar de investimentos na vigilância eletrônica, o Mossad continua a ver com desprezo a excessiva atenção que agência como a CIA dão aos computadores.


Segunda, o Mossad tem um tamanho pequeno, cerca de 1.200 pessoas, que faz com que seja evitado o efeito embrutecedor da identidade corporativa. Na mentalidade israelense trabalhar em um ambiente "familiar" e melhor do que em um ambiente corporativo, pois desta forma a criatividade é estimulada e as vidas dos agentes valorizada.
[Imagem: Mossad-logo-T-shirt.gif]


Em terceiro lugar, o Mossad mostrou uma crueldade rara, mesmo no mundo obscuro da inteligência. Tem realizado, através de suas unidades Kidon , dezenas de assassinatos. Essa crueldade é uma função da quarta razão;


O Mossad tem uma motivação única. Outros serviços de inteligência quando jogam seus jogos de espionagem não colocam em perigo a sobrevivência nacional, no máximo o país poderia perder uma área de influência ou um pouco de prestígio, isto as vezes faz com que as outras agências nem sempre se lance com tanto afinco em muitas de suas missões. Porém para os agentes do Mossad a motivação para suas missões é critica, o seu fracasso pode representar a destruição de sua nação e tudo que as gerações anteriores construíram. Para a maioria das nações, um serviço de inteligência é um luxo. Para Israel é a diferença entre a existência e o aniquilamento. Como exemplo desse pensamento um episódio da década de 1950 é emblemático: Em 1955, sete anos após a fundação do Estado de Israel, o filósofo Yeshayalu Leibowitz escreveu uma carta ao então primeiro-ministro David Ben-Gurion. Nela, ele reclamou de que palestinos inocentes estavam sendo mortos nas operações israelenses. “Eu discordo de você”, respondeu Ben-Gurion. “Embora seja importante que haja um mundo cheio de paz, fraternidade, justiça e honestidade, é ainda mais importante que nós estejamos nele”.


Por último o Mossad conta com uma rede de apoio logístico e operacional sem precedentes, formada pelos Sayanim (sing. Sayan, hebraico: ajudantes, auxiliares), refere-se aos judeus da diáspora espalhados pelos mundo que prestam assistência à Mossad. Gordon Thomas estima que nos Estados Unidos e Grã-Bretanha, existam pelo menos 20.000 sayanim que ajudam o Mossad de variadas formas, como logísticas (transporte, alojamento, etc), assistência médica, dinheiro, etc. Normalmente suas ações nãos os colocam em perigo ou dificuldades com as autoridades locais. Muitos deles são ricos empresários outros são juízes, advogados, médicos, policiais ou qualquer outra pessoa que possua um alto grau de autoridade ou influência em sua sociedade. Um Sayan deve ser 100% judeu apesar de não ser um cidadão israelense. A existência desse grande corpo de voluntários, permite que os custos com inteligência por parte de Israel possa ser muito reduzido, e é uma das razões porque o Mossad pode operar com um reduzido número de funcionários em comparação com as grandes agências de inteligência estrangeiras. Os Katsas (oficiais de inteligência do Mossad) tomam conta dos sayanim, e a maioria dos sayanim ativos são visitados uma vez por um katsa a cada três meses em geral, o que representar as vezes para um katsa entre duas ou quatro reuniões pessoais em um dia com um sayan, além de numerosas conversas por telefone, com o objetivo de coletar inteligência ou acioanr algum serviço. O sistema permite para o Mossad trabalhe com um pequeno número de pessoal. Por exemplo, em uma estação da CIA os americanos empregam aproximadamente 100 pessoas, enquanto que uma estação do Mossad de abrangência semelhante precisa só seis ou sete pessoas.

David Kimche, quando era diretor adjunto da Mossad, resumiu o papel da Mossad no mundo atual da seguinte forma: A Mossad está antes de tudo, depois de tudo e sempre. E sempre por Israel.

Os diretores do Mossad até 2010:

* Reuven Shiloah, 1951-1952
* Isser Harel, 1952-1963
* Meir Amit, 1963-1968
* Zvi Zamir, 1968-1974
* Yitzhak Hofi, 1974-1982
* Nahum Admoni, 1982-1990
* Shabtai Shavit, 1990-1996
* Danny Yatom, 1996-1998
* Ephraim Halevy, 1998-2002
* Meir Dagan, 2002-Presente


Histórico

O Estado de Israel foi criado oficialmente em 15 de maio de 1948, e imediatamente foi alvo de uma ofensiva militar coordenada pelos árabes locais e os estados árabes vizinhos. Mesmo antes de o Estado de Israel se declarado, haviam várias organizações subterrâneas ou semi-subterrâneas na Comunidade judia na Palestina (Yishuv). Estas organizações estavam empenhadas em resgatar judeus do extermínio em outros países através da imigração ilegal, intimidação das turbas árabes, e operações contra os britânicos. O Hagana, que era a principal força da Yishuv, criou o Shai – Sherut Yediot, ou Serviço de Informação, em 1934, e foi chefiado por Reuven Shiloah (o futuro primeiro Diretor da Mossad).

O trabalho do Shai era coletar informação para operações da Hagana e prover inteligência à liderança da Yishuv para seus procedimentos políticos e militares com os árabes locais, os países árabes, e as autoridades britânicas. O Shai foi estabelecido bem antes do Estado de Israel se declarado e seus chefes incluíram Isser Harel (Halperin, ou " pequeno Isser "), que encabeçou depois o Serviço de Segurança Interna (Shin-Bet atualmente designado Shabak acrônimo de Sherut Ha'Bitachom Ha´Klalim - Serviço de Segurança Geral) e depois o Mossad. Outras organizações tinham a sua própria unidades de inteligência para servir as necessidades individuais de cada uma delas.

A declaração do Estado e as intenções dos exércitos árabes ditaram necessidades novas: a necessidade para se criar uma infra-estrutura de inteligência, a necessidade para se estabelecer ações oficiais de vingança e punição oficial, e a necessidade para definir esferas específicas de responsabilidade. Estas necessidades eram claras e urgentes.

No dia 7 de junho de 1948, primeiro-ministro David Ben Gurion chamou Reuven Shiloah responsável pelo Departamento Político da Agência Judaica e o chefe da Shai, Isser Beeri que tinha substituído David Shaltiel recentemente. A reunião conduziu a definições preliminares dos serviços de inteligência do estado nascente.

De acordo com a decisão de Ben Gurion, Reuven Shiloah foi designado chefe do departamento político do Ministério Estrangeiro que deveria prover um serviço de informação político externo. Ele também se tornou o conselheiro do ministro do exterior para tarefas especiais.

Reuven Shiloah concentrou-se principalmente em assuntos políticos estrangeiros, como nos esforços para formar alianças com estados islâmicos não árabes, por exemplo a Turquia, e salvando judeus no estrangeiro e os trazendo para o Israel.

Uma pequena estação Shai, encabeçou por Haim Ben Menahem, começou operando no estrangeiro pelo verão de 1947. Em junho de 1948, quando o departamento político estava estabelecido, Arthur Ben Natan foi enviado para Paris para assumir os contatos de Ben Menahem. Este departamento operacional que estava tomando forma foi chamado de Da'at (conhecimento).

As coisas ainda não estavam claras. Ben Gurion contestou em princípio o reconhecimento público da existência de um serviço de segurança e de inteligência. Assim o departamento político, definido como um "serviço" de informação político externo, realmente se tornou uma agência de inteligência independente, secreta, mas ainda que foi hospedada no Ministério Estrangeiro. Isto significou que nesta condição não era possível se estabelecer legalmente os objetivos do serviço, suas tarefas, poderes, orçamentos, e relações entre as agências governamentais. Como não havia linhas claras delimitando responsabilidades muitas vezes orgãos diferentes estavam envolvidos em tarefas incomum.

Em abril de 1949, Comitê Supremo que depois deu origem ao Comitê de Chefes do Serviço ou VARASH encabeçado por Reuven Shiloah. Este comitê incluía o Shin-Bet, que emergiu do Shai, o departamento político, o departamento de inteligência militar e a Polícia de Israel.

Em junho de 1949 de julho, Reuven Shiloah propôs a David Ben Gurion, o estabelecimento de uma instituição central para organizar e coordenar a inteligência e o serviço de segurança. O objeto era aumentar a coordenação entre os serviços e uma maior cooperação entre eles. No dia 13 de dezembro de 1949, Ben Gurion autorizou o estabelecimento da "Instituição para Coordenação" para supervisionar o departamento político e para coordenar a segurança interna e as organizações de inteligência de exército. A instituição, ou Mossad, nasceu naquele dia, e o Reuven Shiloah seria seu primeiro diretor, ou Memune - "primeiro entre iguais" - em hebraico.

O primeiro-ministro David Ben Gurion, deu ao Mossad a diretiva primária: "Para o nosso Estado que desde a sua criação tem estado sob ataque de seus inimigos, a inteligência constitui a primeira linha de defesa. Temos que saber o que está acontecendo ao nosso redor”.

O Mossad iniciou suas atividades com o patrocínio do Ministério do Exterior. Em março de 1951, com uma visão para aumentar sua capacidade operacional e a unificar todas as ações de inteligência no exterior, Ben Gurion autorizou sua reorganização final. Uma autoridade independente, centralizada foi estabelecida para dirigir as tarefas de inteligência no exterior. Ela foi chamada de a "Autoridade" e era formada em sua maior parte pelo Mossad. Incluia os representantes dos outros dois serviços um QG e escalões de campo. O Mossad saiu debaixo dos auspícios do Ministério do Exterior e passou a informar diretamente ao primeiro-ministro, fazendo assim parte do Escritório do primeiro-ministro.

O Mossad adotou o seguinte verso do Livro de Provérbios como seu lema, guia, inspiração criativa e ideologia, mas também como uma advertência medonha:"Quando não há sábia direção, o povo cai; mas na multidão de conselheiros há segurança." - Provérbios 11:14

O Mossad é um serviço civil do Poder Executivo israelense, submetido diretamente ao Primeiro-Ministro e não aos comandos militares - muito embora uma grande parte dos seus agentes já prestou serviço nas Forças de Defesa de Israel, como parte integrante do recrutamento obrigatório. Os quartéis-generais do Mossad estão localizados ao norte de Tel Aviv e contam com cerca de 1.200 agentes - este número já chegou a 2.500 na década de 1980 -,

Hoje o Mossad tem a responsabilidade pela coleta de inteligência, ações encobertas, contra-terrorismo, prevenção de ataques e punição dos agressores. Tem a sua atenção focada nas nações árabes e organizações radicais islamicas, mas também realiza missões de espionagem em países aliados como por exemplo nos EUA . O Mossad é também responsável pelo movimento clandestino de refugiados judeus em países como Síria, Irã, e Etiópia.

O staff do Mossad estava estimado nos finais de 1980 entre 1.500 a 2.000 pessoas, de acordo com as mais recentes estimativas o seu staff é de 1.200. A identidade do Diretor do Mossad era tradicionalmente secreta, ou pelo menos não publicada, mas, em Março de 1996, o Governo israelense anunciou para o lugar o Major General Danny Yatom como substituto de Shabtai Shavit, que tinha deixado o cargo no inicio de 1996.

Danny Yatom resignou em 24 de Fevereiro de 1998, a seguir ao relatório da Comissão Ciechanover o qual apresentou a tentativa fallhada para assassinar Khalid Meshaal, um líder político de topo do Hamas, onde foi encontrado falhas. Yatom foi substituido no inicio de Março de 1998 por Efraim Halevy, então representante de Israel para a União Européia. Halevy, é um agente da Mossad, tinha inicialmente trabalhado nos bastidores para ajudar a negociar o tratado de paz entre Israel e a Jordânia.

A Mossad tem um total de sete ou oito departamentos, mas alguns detalhes da sua organização interna permanecem obscuros:

- O Departamento de Coleta/Tzomet: é o maior, com a responsabilidade pelas operações de espionagem, com departamentos no estrangeiro sob cobertura diplomática ou não oficial. O departamento consiste num número de escritórios os quais são responsáveis por regiões geográficas específicas, com "estações" em todo o mundo, e os agentes que eles controlam.

- Departamento de Ação Política e de Ligação: conduz as atividades políticas e de ligação com os serviços estrangeiros de inteligência amigos e com as nações com as quais Israel não tem relações diplomáticas normais. Nas maiores estações, como é o caso de Paris, a Mossad costuma ter sob a cobertura da sua embaixada dois controladores regionais: um para servir o Departamento de Coelta e outro o Departamento de Ação Política e de Ligação.

- Divisão de Operações Especiais: também conhecido como Metsada ou Caesarea, conduz os assassinatos mais sensíveis, sabotagem, ação paramilitar, e guerra psicológica. Dentro de sua estrutura exista uma pequena unidade chamada Kidon, baioneta em hebraico, que é responsável pelos assassinatos e ações de sabotagem. Responde diretamente ao Diretor do Mossad.

- Departamento LAP (Lohamah Psichlogit): é responsável pela guerra psicológica, operações de propaganda e difamações.

- Departamento de Pesquisa: é responsável para a produção/análise da inteligência, incluindo relatórios diários de situação, sumários semanais e relatórios detalhados mensalmente. O departamento está organizado em 15 secões geográficas especializadas, incluindo os Estados Unidos, Canadá e a Europa Ocidental, América Latina, a Ex-União Soviética, China, África, o Magreb (Marrocos, Argélia, Tunísia),Líbia, Iraque, Jordânia, Síria, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e o Irã. Há uma seção "nuclear" focada em artefatos nucleares.

- Técnica: cuida da logística das operações, o que inclui falsificação de passaportes e rotas de fuga. Existe também uma equipe especial de cientistas que trabalham no Instituto para Pesquisa Biológica em Tel Aviv. Eles preparam as toxinas mortais para a unidade Kidon.



- Tecnológica: é a divisão que mais cresce. Desenvolve softwares de segurança e invasão de redes, etc. São especialista em guerra cibernética.

Agentes e operações


Os principais agentes de campo do Mossad são chamados de Katsa. Um katsa é um oficial de inteligência implicado em operações de campo. Sua missão consiste em coletar inteligência e recrutar/dirigir espiões. Segundo informações eles principalmente operam na Europa e alguns no Oriente Médio. Eles também têm operado em menor medida na África e Ásia. Os Estados Unidos também são alvo de suas operações.

A maior parte da informação recopilada por Israel se refere aos países árabes. Já que é muito difícil operar nestes países, o Mossad recruta muitos de seus agentes na Europa. Enquanto alguns katsas estão locados permanentemente em algum país estrangeiro, outros vão mudando de páis de acordo com sua operação, razão pela qual recebem o apoio dos 'saltadores'. O número de katsas é muito inferior ao de outros oficiais de inteligência cumprindo funções similares em serviços secretos de outros países. Isto é devido à existência dos sayanim, voluntários judeus não israelenses que proporcionam apoio logístico às operações em todo mundo.

Os katsas operam na divisão Tsomet. Dividem-se em três ramos geográficos:

* Ramo Isarelis: Que inclui as regiões do Oriente Médio, Norte da África, Espanha, e aqueles katsas 'saltadores' (que vão de uma operação a outra).
* Ramo B: Que abarca a Alemanha, Áustria e Itália.
* Ramo C: Que compreende o Reino Unido, França, Países Baixos e Escandinávia.


Para selecionar candidatos idôneos, o Mossad utiliza diferentes teste psicológicos e de aptidão em função de suas necessidades de pessoal. Se o candidato for selecionado, passará um período de formação na academia de treinamento do Mossad, a Midrasha, localizada perto da cidade de Herzliya. Durante aproximadamente três anos, aprenderão as habilidades necessárias para as funções de inteligência. As mais importantes seriam o saber como encontrar, recrutar e cultivar agentes, incluindo como se comunicar clandestinamente com eles. Também aprendem como evitar ser descobertos pelos serviços de contra-espionagem , esquivando seus operativos da vigilância e possíveis emboscadas durante suas reuniões com outros agentes. Ainda que os katsas normalmente não portem armas de fogo, são também treinados no uso de vários tipos de armas, normalmente usam a pistola Beretta .22. Uma vez finalizado seu período de formação, passarão por um período prático durante o qual trabalharão em vários projetos, na maioria dos casos consistindo em manobras práticas em territórios que consideram hostis, como o sul do Líbano, as Colinas de Golan e a região do Curdistão, antes de se converter em um autêntico katsa com todas as seus atribuições.

Algumas ações conhecidas


Nikita Kruschev

Em 1956 agentes do Mossad, conseguiram obter o registro completo do famoso discurso de Nikita Kruschev no XX Congresso do Partido Comunista Soviético, em que alguns dos horrores do regime de Stalin foram divulgados. Esta informação foi compartilhada com uma grata CIA em Washington.



Adolf Eichmann

Essa foi a mais famosa operação do Mossad de toda a sua história e a que lhe rendeu fama e lhe projetou mundialmente.



Segundo o Simon Wiesenthal Center, dedicado à caça de nazistas, Adolf Eichmann tinha o papel de coordenar as atividades práticas da implementação da "solução final”. De seu escritório em Berlim, Eichmann organizava as rotas dos trens que seguiam para os campos de extermínio. Em outras palavras, era ele quem organizava o envio de homens, mulheres e crianças de origem judaica para locais de morte como – Auschwitz, Treblinka, Birkenau.



Em 1934 Eichmann serviu como cabo da SS no campo de concentração de Dachau, onde, aos olhos de Reinhard Heydrich, se distinguiu. Em setembro de 1937, ele foi enviado para a Palestina com o seu superior Herbert Hagen para averiguar as possibilidades da emigração massiva de judeus da Alemanha para aquela região do médio oriente. Eles chegaram a Haifa, mas só puderam obter um visto de trânsito para o Cairo. Ao chegarem à capital do Egito, eles encontraram-se com um membro da Haganá mas o conteúdo do encontro é alvo de dúvidas. Também tinham planejado encontrar-se com líderes árabes na Palestina, incluindo o mufti de Jerusalém Amin al-Husayni, mas a entrada na Palestina foi-lhes recusada pelas autoridades britânicas. Hagen e Eichmann escreveram um relatório contrário à emigração de judeus em larga escala para a Palestina por razões econômicas e também porque contradizia a política alemã de impedir o estabelecimento de um estado judaico ali.

Eichmann participou na Conferência de Wannsee, ocorrida em 1942, na qual ele foi o responsável pela determinação de assuntos ligados à "solução final da questão judaica", por ordens de Reinhard Heydrich. Semanas após a conferência, ele recebeu a patente de SS-Obersturmbannführer, tornando-se o chefe do Departamento da Gestapo IV B 4, órgão responsável por toda a logística relacionada com os estudos e execução do extermínio em curso.

Em 1945 diante da queda do 3º Reich, antes de fugir, Eichmann deu à mulher Vera quatro cápsulas de veneno, para ela e cada um de seus três filhos – Klaus, Horst Adolf e Dieter Helmut. “Se os russos vierem, mordam as cápsulas. Se forem americanos ou britânicos, não precisa”, disse. Em Ulm, no sul da Alemanha, topou com um pelotão americano e foi levado para um campo de prisioneiros. Eichmann afirmou ser Adolf Barth, cabo da Força Aérea alemã. Foi transferido de campo várias vezes e sempre adotava um nome diferente. Após meses, conseguiu escapar com documentos que o identificavam como Otto Heninger. Ele acabaria em uma localidade rural chamada Eversen. Lá viveu alguns anos tranqüilo, criando galinhas.

No pós-guerra seu nome apareceu diversas vezes nas 16 mil páginas que compuseram a transcrição do julgamento de Nuremberg, em que 24 membros da cúpula nazista foram acusados de crimes de guerra. Dieter Wisliceny, ex-colega e amigo seu (era inclusive padrinho de Dieter, o filho caçula), foi testemunha em Nuremberg e tentou salvar a pele às custas de Eichmann. Em novembro de 1946, escreveu de sua cela uma carta pondo-se à disposição dos americanos para ajudar a encontrá-lo.

A Alemanha tornou-se pequena demais para Eichmann, e em 1950 ele decidiu deixar o país. Atravessando os Alpes, chegou à Áustria e depois à Itália. Lá encontrou a mesma rede de proteção que já havia permitido a outros criminosos nazistas escapar. Em nome da “ajuda humanitária”, a Igreja Católica oferecia abrigo em casas seguras, e a Cruz Vermelha fornecia documentos. Eichmann foi acolhido por uma comunidade franciscana enquanto aguardava o momento de partir. No dia 14 de junho de 1950, o consulado argentino em Gênova lhe concedeu um visto de entrada. De seu próprio bolso ele pagou uma passagem de segunda classe no navio Giovanna C. e, em 14 de julho, desembarcou em Buenos Aires como Ricardo Klement.

Na Argentina inicialmente hospedou-se por um tempo em um hotel de imigrantes até que pôde conseguir uma casa na zona de Oliveiras, província de Buenos Aires. Teve diversos trabalhos como na fábrica de produtos de gás em Orbis e a fábrica de Automóveis na Mercedes Benz. Eichmann trouxe toda sua família para viver na Argentina.

Em 1952 Simon Wiesenthal, reconhecido caçador de nazistas, recebeu uma carta de um amigo seu da Argentina, que escreveu na carta: "Tenho visto esse porco miserável, o Eichmann, vivendo nas cercanias de Buenos Aires e trabalhando na central de abastecimento de águas”.

Após receber essa informação o governo de Israel aciona o Mossad e envia uma série de agentes de inteligência para verificar essa informação. A primeira pista sobre o paradeiro de Eichmann surgira em 1957, por meio de Lothar Hermann, um descendente de judeus cujos pais foram mortos pelos nazistas. Ele morara em Buenos Aires e sua filha Sylvia ficara amiga de um rapaz chamado Klaus Eichmann. A esposa de Hermann era alemã, e para a sociedade argentina eles se mostravam como uma família alemã. O jovem visitara sua casa e, sem saber da ascendência da família, declarou ser “uma pena que Hitler tenha sido impedido de alcançar seu objetivo”. Hermann leu antigos jornais que continham notícias sobre os julgamentos em Nüremberg e pôde saber que Eichmann era um dos responsáveis pelo maior extermínio que se produziu na história do sésulo XX. Ele então entrou em contacto com pessoas próximas ao governo de Israel. Klaus dizia que seu pai havia sido oficial do Exército alemão e se recusava a dar seu endereço a Sylvia, mas ela acabou descobrindo com uma amiga: rua Chacabuco, 4.261.

O chefe e cérebro por trás desta operação de inteligência, foi o Isser Harel, um dos primeiros e antigos chefes que teve o serviço de inteligência israelita Mossad. Ele enviou para o agente Zvi Aharoni, que no dia 1º de março de 1960 chegou a Buenos Aires. Sua missão: identificar e preparar a captura de Adolf Eichmann. Viajando com nome falso e passaporte diplomático, Aharoni era agente do Mossad. Naquela época, qualquer embaixada israelense dispunha de um número de telefone que podia ser usado para contatar voluntários judeus dispostos a ajudar em um trabalho ou investigação, e o mais importante: sem fazer perguntas. Esses voluntários são conhecidos como Sayanim (sing. Sayan, hebraico: ajudantes, auxiliares), e esse termo refere-se aos judeus da diáspora espalhados pelos mundo que prestam assistência à Mossad.

Um funcionário da embaixada colocou uma relação de voluntários à sua disposição e na companhia de um deles, “Roberto” (os nomes são fictícios), Aharoni dirigiu até a rua Chacabuco. Com o pretexto de entregar um carta para Ricardo Klement, Roberto foi ao prédio e descobriu que o apartamento do térreo estava vazio, sendo pintado. Se ele tinha morado ali, já havia se mudado.

Porém a caçada continuava e Aharoni teve sorte em março de 1960, pois em uma oficina mecânica perto da rua Chacabuco trabalhava um rapaz de nome Dito, que tinha uma forte sotaque alemão. Nos dias seguintes o Mossad seguiu o rapaz discretamente, pois ele podia muito bem ser Dieter, filho mais novo de Eichmann. Após o trabalho Dito foi para a rua Garibaldi, localizada em uma área meio abandonada, sem água encanada ou energia elétrica. Como era muito importante confirmar a identidade do rapaz Aharoni acionou um sayan chamado “Juan”, para que ele fosse até a oficina. Juan voltou da oficina e disse a Aharoni que o sobrenome do garoto era não era Klement, e sim Eichmann. Aharoni precisou disfarçar a empolgação. O Mossad tinha encontrado o seu alvo.

Mas faltava achar Adolf Eichmann. Aharoni o viu pela primeira vez em 19 de março. Passando de carro em frente à casa, observou um homem de meia-idade, magro e calvo, que recolhia a roupa do varal. Perto dele, uma criança de cerca de 5 anos (Ricardo Francisco, filho de “Klement” e Vera, nascido na Argentina). Era ele, com certeza. O espião sacou, dissimuladamente uma máquina fotográfica e sem levantar nenhum tipo de suspeita, fotografou Eichmann e mandou-as as fotos para Israel para serem analisadas por um perito fotográfico. O perito encontrou muitíssimas semelhanças entre Ricardo Klement e o oficial das SS.

Em 24 de abril, começaram a chegar a Buenos Aires os agentes do Mossad que participariam da segunda etapa da “Operação Eichmann”: a captura e traslado para Israel. Além de Aharoni, agora identificado como um executivo alemão, vieram Avraham Shalom, Yaakov Gat e Efraim Ilani. Em outra leva, para não chamar a atenção, desembarcaram Yitzhak Nesher, Zeev Keren (responsáveis por alugar as casas que seriam usadas de esconderijo e os carros para o seqüestro), Zvi Malkin (um homem forte, a quem caberia a missão de segurar Eichmann), o chefe da missão Rafi Eitan, o diretor do Mossad, Isser Harel, mais o médico, identificado apenas como “Doutor”, encarregado de manter o prisioneiro saudável. Por último, chegou Shalom Dany, perito em documentos falsos.

Eles alugaram duas casas que serviriam como opções de esconderijo e o agente Keren construiu numa delas um pequeno quarto com uma porta secreta onde o prisioneiro ficaria em caso de visitas inesperadas. Eles compraram dois carros, uma limusine Buick preta e um Chevrolet. Ambos foram levados ao mecânico para uma revisão completa. Decidiu-se que Aharoni, que conhecia melhor a cidade, dirigiria a limusine – o carro onde Eichmann seria colocado.

O alvo da operação continuava sob constante vigilância. Os agentes descobriram que todo dia ele descia do ônibus vindo do trabalho às 19h40, hora em que a rua costumava estar vazia. Seria o momento certo de atacar. Faltava só combinar a data. A idéia era que o intervalo entre o seqüestro e a fuga fosse o menor possível; quanto mais tempo mantendo Eichmann prisioneiro em Buenos Aires, maior a chance de a polícia ser acionada. O transporte para Israel seria no vôo de volta de um avião comercial da El Al que traria o ministro do Exterior israelense Abba Eban para a comemoração dos 150 anos de independência da Argentina. De início, o ministro chegaria em 12 de maio, e a aeronave retornaria a Israel no dia seguinte. O seqüestro foi marcado para o dia 10. Quando se soube que o avião só chegaria no dia 19, o grupo resolveu adiar a operação por 24 horas. Todos estavam tensos e ansiosos para que tudo acabasse logo.

Em 11 de maio, na hora combinada, 19h25, Aharoni estacionou a limusine na rua Garibaldi. Malkin e Keren saíram do carro e o segundo se escondeu atrás do capô. Rafi Eitan ficou deitado no banco de trás. O Chevrolet, com Avraham, Yaakov Gat e o Doutor, parou um pouco mais longe. Se durante a fuga acontecesse algum acidente ou qualquer problema com a limusine, os agentes e o prisioneiro seriam levados para o Chevrolet. O relógio deu 19h40, mas nada de Eichmann. O combinado era esperar até 20h. Enquanto esperavam os agentes do Mossad simularam que havia problemas mecânicos com um dos veículos para não chamar a atenção. Um ciclista parou para oferecer ajuda, os agentes israelenses foram firmes em negar a ajuda.

Na verdade todos os dias Ricardo Klement tomava o coletivo 203. Justamente neste dia ele deixou passar dois ônibus desta linha. Quando subiu no ônibus, não percebeu que lá dentro tinha um suposto passageiro que se escondia dele usando um gorro. Este passageiro era um dos homens do serviço de inteligência israelense que tinha tomado o coletivo com a intenção o seguir até sua parada o que só aconteceu às 20:20, quando Eichmann desceu do ônibus da linha 203. Depois das 20:00, Avraham saiu do carro e vinha em direção à limusine, quando um ônibus parou no ponto e um homem saltou. Avraham correu de volta para o Chevrolet e acendeu os faróis. Era Eichmann.

Aharoni o observava com os binóculos quando ele pôs a mão esquerda no bolso. Seria uma arma? Com um sussurro alertou Malkin : “Ele está com a mão no bolso. Cuidado, pode ser um revólver”. Aharoni ligou o motor do carro. Mas Eichmann não estava armado – nem os agentes. Três segundos depois, Eichmann passou ao lado de sua janela e foi barrado por Malkin que disse “Un momentito, senor!” as únicas palavras que sabia em espanhol. Malkin saltou imediatamente contra o alemão e agarrou a sua mão direita. Ambos caíram no chão. Outro agente levantou os pés Eichmann e ele foi colocado no carro.

A limusine seguiu pela rua Avellaneda por 800 metros e então parou para que Zeev Keren descesse e trocasse rapidamente as placas do carro; em vez das chapas comuns, agora eles tinham novas, azuis, de carro diplomático, para combinar com documentos falsos de diplomata austríaco que Aharoni levava. O prisioneiro estava deitado no chão, com um cobertor em cima. Chegaram finalmente na casa. O carro estacionou na garagem e os ocupantes entraram pela porta que dava acesso direto à cozinha.

Vendado com óculos de motociclista cobertos com fita adesiva, Eichmann foi levado até o segundo andar, onde um quarto tinha sido preparado para ele. No lugar das janelas, colchões tornavam o ambiente à prova de som. Deitaram-no na cama, despiram-no, e o Doutor examinou seu corpo em busca de cápsulas de veneno. Vestiram-no com pijamas e a perna esquerda foi algemada à cama. O interrogatório começou às 21h15. Aharoni fazia as perguntas. Qual era o nome do prisioneiro? “Ricardo Klement”. E como ele se chamava antes? “Otto Heninger”. A resposta deixou Aharoni intrigado; ele não sabia que Eichmann adotara identidade de Otto Heninger na Europa. Mas as perguntas seguintes tiveram a resposta esperada. Quando era sua data de nascimento? “19 de março de 1906”. Local de nascimento? “Solingen”. E qual foi seu primeiro nome? “Adolf Eichmann”. Aharoni esticou a mão para cumprimentar Avraham, do outro lado da cama.

Em 20 de maio, o prisioneiro foi avisado de que era hora de partir. Vestido com uma roupa semelhante à da tripulação da El Al (camisa branca e gravata preta), Eichmann foi sedado. A droga o impediria de falar, mas com ajuda poderia se locomover quase normalmente. Partiram às 21h no avião Bristol Britannia de prefixo 4X-AGE da El Al.

O aeroporto estava vazio, não havia outros vôos programados para aquele dia. O carro parou perto do ônibus da companhia – cujos verdadeiros tripulantes não tinham idéia do que se passava. Yaakov e o Doutor, também vestidos como tripulantes da companhia aérea, ajudaram Eichmann a subir a escada e entraram no avião com ele. Para todos os efeitos, eram dois membros da tripulação amparando um colega doente. O Doutor sentou atrás de Eichmann e até a decolagem manteve uma seringa espetada em seu braço. Aharoni, Isser Harel e o resto da equipe aguardavam a hora de embarcar, mas o tempo foi passando e nada de eles serem liberados. Pouco antes da meia-noite apareceu um funcionário esbaforido pedindo desculpas pelo transtorno. Com todos finalmente a bordo, o avião decolou à 0h04. A aeromoça perguntou se Zvi Aharoni gostaria de alguma coisa para comer. “Não, obrigado. Mas quero um uísque. Duplo.” Às 7h20 da manhã de 22 de maio, a aeromoça avisou: senhoras e senhores, estamos entrando em espaço aéreo de Israel.

Adolf Eichmann foi julgado em Israel, num processo que começou a 11 de Abril de 1961. Foi acusado de 15 ofensas criminosas, incluindo a acusação de crimes contra a Humanidade, crimes contra o povo judeu, e de pertencer a uma organização criminosa
[Imagem: Adolf-Eichmann-mossad.jpg]

Adolf Eichmann sendo julgado em Israel em 1961

O julgamento causou grande controvérsia internacional. O governo israelense autorizou que as cadeias noticiosas de todo o mundo transmitissem ao vivo o julgamento. Um homem sentado atrás de um vidro à prova de balas e de som, enquanto muitos sobreviventes do Holocausto testemunharam contra ele.



Foi condenado a todas as acusações e recebeu a sentença de morte (a única pena de morte civil alguma vez levada a cabo em Israel) a 15 de Dezembro de 1961 e foi enforcado poucos minutos depois da meia-noite de 1 de Junho de 1962, na prisão de Ramla, perto de Tel Aviv. Foi a única exceção aberta pela lei israelita, a qual não prevê a pena de morte.

Membros do Mossad que participaram da missão:

* Isser Harel: chefe do Mossad e responsável máximo pela operação.
* Rafael Eitan: líder da unidade operativa. Viajava em um dos automóveis que foram usados para capturar a Eichmann.
* Peter Malkin: viajava no primeiro automóvel. Foi o primeiro que imobilizou Eichman.
* Amos Manor: diretor do Shin Bet. Foi um dos que sugeriu a busca de Eichmann. Planejou a operação.
* Abraham Shalom: Um dos captores no segundo automóvel.
* Yaacob Crus: subdiretor do Mossad. O primeiro que informou o governo da captura.
* Zvi Aharoni: Captor. Descobriu onde vivia Eichmann em Buenos Aires.
* Emanuel Talmor: Viajou no no avião da El Al levou a Eichman. Foi um dos que o transportou drogado.
* Yaacob Meidad: o homem a cargo da logística para a captura. Alugou casas e conseguiu automóveis. Nos 9 dias em que Eichmann esteve cativo, ele providenciou alimentos e medicamentos ao grupo.
* Yudith Nasiahu: integrante do Mossad. Viveu na casa em que esteve cativo Eichman simulando ser casada com um dos captores.
* Abraham Kaler: ajudou a localizar a Eichmann na Argentina.
* Simón Wiesenthal: caçador de nazistas. Deu os indícios para capturar a Eichmann.
* Tuvia Friedman: fez o mesmo que Wiesenthal.


O famoso Eli Cohen

Se a Guerra dos Seis Dias – quando Israel aniquilou as defesas da Síria, em 1967 – durou tão pouco, muito se deveu ao trabalho do espião Eli Cohen. Agente mais ousado do serviço secreto israelense, ele ganhou a confiança dos poderosos sírios a ponto de ter acesso aos maiores segredos militares. Que eram prontamente repassados aos patrões em Tel-Aviv, é claro.

Cohen descobriu e sabotou, por exemplo, um projeto da Síria de desviar as fontes do rio Hasbaya, afluente do rio Jordão. Se levado a cabo, o desvio privaria os israelenses de 100 milhões de metros cúbicos de água, o equivalente a um terço do que corria nos condutos do país.

Também foi ouvido pelos militares sírios quando sugeriu que eucaliptos fossem plantados ao redor das fortificações, sob o pretexto de que as árvores disfarçariam as instalações. Na verdade, as plantas serviram para ajudar a força aérea israelense a localizar seus alvos estratégicos.
[Imagem: mossad-elicohen.jpg]

Filho de judeus sírios nascido em Alexandria no Egito. Com a criação do Estado de Israel, em 1948, sua família mudou para lá, mas ele permaneceu no Egito. Por duas vezes ofereceu seus serviços à inteligência Israelense, porém foi recusado. Em 1960, a inteligência secreta israelense (Mossad) resolveu comprar seus serviços, pois esta planejava se infiltrar na Síria e Eli era ideal para o serviço por seus conhecimentos sírios e suas habilidades interpessoais.

Ele começou os treinamentos como dirigir em alta velocidade , uso de armas, sabotagem e criptografia. Cohen falava árabe fluentemente – ainda assim, precisou de um longo treinamento para trocar o sotaque egípcio pelo sírio. Além disso, tinha ótima memória e a aparência de um respeitável cidadão árabe. Todos os atributos que se esperaria de um agente secreto judeu. Só uma coisa preocupava o Mossad (serviço secreto de Israel): a ousadia de Cohen beirava a irresponsabilidade suicida.

Por fim ganhou uma nova identidade: Kamel Abin Tebas, supostamente nascido na Síria que teria se tornado um negociante de tecidos bem sucedido na Argentina. Foi para Buenos Aires e logo ficou conhecido como rico e mulherengo, conheceu a embaixada da Síria e com seus contatos Kamel “voltou” para o país de origem em 1961 e lá rapidamente se tornou íntimo da classe política. Os anos se passaram e Eli (Kamel) participava de festas e manifestações políticas na Síria e aos poucos foi cultivando amizades e ganhando confiança de milites e políticos do alto escalão. Durante todos esse período, ele alimentava Israel com informações via cartas secretas.

Cohen freqüentava as altas rodas, ficou amigo do presidente, visitou as linhas de frente do exército inimigo e soube tudo sobre as diretrizes militares da Síria, as ligações com a Rússia e os planos contra Israel. Quando não conseguia informações por meios diplomáticos, chantageava mulheres de oficiais com fotos comprometedoras.

Esse posto de observador privilegiado durou 4 anos, até 1965. Nessa época, já disfarçava mal suas atividades secretas – ligava todos os dias, no mesmo horário, para Israel. Eli Cohen foi desmascarado e preso por especialistas soviéticos em contra-espionagem, que o pegaram mandando uma mensagem de radio para a Mossad e foi condenado a forca, em 18 de Maio de 1965. Cohen foi torturado antes de ser enforcado: teve água injetada em seu corpo, sofreu choques elétricos e queimaduras com brasas de cigarros e teve as unhas arrancadas. Depois de tudo isso ele foi enforcado. O se corpo ficou pendurado por mais 6 horas e com direito a transmissão ao vivo na TV Síria. Até hoje Israel clama pela devolução de seu corpo.

Com as informações de Israel entrou em guerra contra Síria, Egito e Jordânia: a guerra dos 6 dias. Eli já conhecia todos os pontos fracos da fortaleza Síria e havia sugerido aos militares que plantassem arvores de eucaliptos ao redor das bases secretas como camuflagem (na verdade era a forma de avisar a Força Aérea Israelense a localizar as bases). E a Síria teve o exercito destroçado e o fim da guerra negociado com Jordânia e Egito.

O MiG iraquiano


Em 1963 o Mossad ganhou um novo chefe, Meir Amit substituindo o homem que fez do Mossad uma agência de primeira: Isser Harel. Amit que era dotado de grande inteligência e carisma procurou o chefe da FAI, na ocasião este era Mordechai “Motti” Hod e perguntou-lhe o que ele podia fazer para ajudar a FAI. Hod que não era homem de muitas palavras respondeu: “Me arranje um MiG!”.

O Mossad então executou uma operação digna dos melhores romances de espionagem. Uma agente, que nunca ficou claro se era uma israelense ou americana a serviço de Israel ou mesmo judia, aproximou-se de um jovem piloto iraquiano chamado Munir Redfa seduziu-o e fez com que ele se apaixona-se por ela. Convenceu-o então a desertar levando o mais moderno caça soviético cedido aos países árabes, um MiG-21F-13 de No.534. Em 16 de agosto de 1966 ele levou o caça para Israel, pousando numa base área no deserto do Negev. A FAI mandou dois Mirages interceptar a aeronave, mas não disse aos pilotos do que se tratava. Já próximo de obter contato visual, os pilotos ouviram do controle de terra que iriam ver um MiG em breve, mas que de modo nenhum poderiam abatê-lo. Eles acharam que era alguma piada, mas quando viram o MiG não discutiram mais e o escoltaram até a base.

[Imagem: Arab.MiG.35.jpg]

O MiG-21F-13 No.534 do piloto Munir Redfa


A família do piloto que era casado e tinha 3 filhos, foi retirada pelo Mossad no mesmo dia, mas de modo mais fácil. O piloto desertou por uma motivação amorosa, mas houve um fator foi determinante para o sucesso. Redfa fazia parte da minoria cristã maronita do Iraque. Não foi só o coração que falou mais alto. Redfa como cristão não tinha chances de subir na hierarquia da Força Aérea do Iraque, ficava desconfortável em bombardear os curdos e seus superiores não confiavam muito nele, pois só voava com pouco combustível. No dia da fuga convenceu a equipe de terra a encher o seu tanque e também tinha 490 litros em seu tanque auxiliar sob a fuselagem o que lhe deu condições de voar 900 km até o mar Mediterrâneo. Vendo o sucesso da fuga Rodfa outros 3 pilotos iraquianos fugiram para a Jordânia com os seus MiG-21. Os pilotos conseguiram o asilo político, mas as aeronaves foram devolvidas ao Iraque. Após o desembarque Munir Redfa viveu afastado do publico. Ele obteve a cidadania israelense. Logo após a deserção de Redfa, os cristãos iraquianos não tinham permissão para se juntar à Força aérea, por ordens do então presidente do Iraque. Essa ordem ainda era válida até a invasão do Iraque pelos EUA em 2003.

O avião foi examinado em Israel por Danny Shapira. Piloto de caça experiente tendo lutado na Guerra de Independência, Shapira ensinou aos seus companheiros como lutar e vencer o Mig-21 Mais tarde o avião foi entregue aos americanos. Em homenagem ao Mossad, um Mig-21F que está no museu da Força Aérea de Israel recebeu no nariz o prefixo “007”.

Mirage 5


Em meados da década de 1960, a pedido de Israel, a Dassault Aviation iniciou o desenvolvimento do Mirage 5 , uma versão de ataque ao solo todo-tempo do Mirage III. Seguindo as sugestões feitas pelos israelenses, os aviônicos localizado atrás do cockpit foram removidos, permitindo que os aviões tivessem aumentada a sua capacidade de transporte de combustível, reduzindo assim custos de manutenção. Em 1968, a Dassault finalizou a produção dos 50 Mirage 5J pagos por Israel, mas um embargo de armas imposto ao país pelo governo francês do General De Gaulle em 1967 impediu a Dassault de entregar as aeronaves.



Com esse embargo a FAI - Força Aérea de Israel temia que não teria uma vantagem sobre seus adversários regionais que estavam sendo reequipados com os mais avançados aviões soviéticos. Além disso a FAI estava enfraquecida pois tinha perdido muitos Mirage III na Guerra dos Seis Dias.



Diante deste quadro de eminente perigo o Mossad foi acionado para realizar uma das maiores operações de espionagem industrial da história. Os israelenses conseguiram adquirir os planos para o Mirage III, que foram utilizados diretamente no processo de produção em série aviões Kfir (leãozinho em hebraico). Não são muitos os detalhes desta operação, mas James Follett escreveu uma novela chamada Mirage, em estilo de narrativa histórica, em que ele estima que os israelenses receberam 150 mil desenhos de ferramentas, gabaritos e peças; 400 desenhos de células; 50.000 desenhos de instrumentação; 4.000 desenhos do motor; Além de cerca de 50.000 documentos abrangendo testes e especificações de serviços. Estes dados estão bem perto da verdade e dão uma idéia da enorme dimensão do golpe de espionagem, além de que parece provável que os israelenses receberam esses dados de várias fontes, diferente do retratado no livro de de James Follett. Por exemplo os desenhos do motor foram entregues aos israelense por um engenheiro judeu suíço chamado Albert Fraunknecht - renomeado Albert Heinkein no livro de James Follett. A Suíça fabricava Mirages sob licença da Dassault. Especula-se que parte dos documentos veio de cúmplices dentro da empresa Dassault, mas nada nunca foi provado. também há rumores de que a própria Dassault tenha burlado o embargo francês fornecendo aos israelenses duas células do Mirage 5, mas a Dassault nega esta informação.




[Imagem: IAFM_01_43.jpg]

Com a espionagem industrial do Mirage 5 da Dassault, os israelenses fabricaram o excelente Kfir C1
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 5 usuários diz(em) obrigado a mirtesavelaneda pelo seu post:
Cruzado (17-07-2013), heisenberg (17-07-2013), nelson manuel jesus ferreira (16-07-2013), Omega (17-07-2013), Spectro (17-07-2013)
16-07-2013, 08:06 PM
Resposta: #3
RE: SNIPERS - São Utilizados Por Serviços Secretos (CIA, Mossad, KGB, BND)
@mirtesavelaneda tente conseguir uma imagem menor para trocar. estas duas ultimas estao desconfigurando a pagina.

Uma dica: antes de postar. clic em visualisar resposta. pois assim tera um bom parametro antes de postar

Imagens ideias. sao de tamanho. 400X400 ou no maximo 600x600. Quando for escolher a imagem repare isto. basta passar o mouse sobre a mesma e tera suas dimensoes.
Muito obrigado.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 2 usuários diz(em) obrigado a pequeno gafanhoto pelo seu post:
admin (16-07-2013), Spectro (17-07-2013)
17-07-2013, 12:58 AM (Resposta editada pela última vez em: 17-07-2013 01:08 AM por Spectro.)
Resposta: #4
RE: SNIPERS - São Utilizados Por Serviços Secretos (CIA, Mossad, KGB, BND)
@mirtesavelaneda, muito obrigado por suas contribuições, desejo muito que que você permaneça em busca da verdade assim como nós, além disso desejo de coração que Deus abençoe você e sua família!!!

Existem duas guerras sendo travadas: Uma física contra pessoas inocentes, e uma mais sutil... por sua mente. Enquanto o sistema for capaz de te convencer que as falsas notícias são verdadeiras, pessoas inocentes continuarão sendo mortas.
Se não podemos parar a carnificina das guerras físicas, é nosso dever vencer a guerra pelas nossas próprias mentes.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a Spectro pelo seu post:
pequeno gafanhoto (17-07-2013)
17-07-2013, 01:10 AM
Resposta: #5
RE: SNIPERS - São Utilizados Por Serviços Secretos (CIA, Mossad, KGB, BND)
Não é só em casos de guerra que são utilizados os tão famosos snipers.

Na propia policia, do mesmo jeito que a o negociante de uma situação com refém.

Ah tambem o plano B.

Que é um snipers bem posicionado pronto para acertar o alvo, quando a situação fica instavel de mais, ou impossivel do negociador resolver.

Tem tambem os matadores profissionais, capazes de manosear um rifle .50 a longa distância.

O Sniper é fatal nesse tipo de situações.

Excelente o topico.
Visitar o website do usuário Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
18-07-2013, 11:52 AM
Resposta: #6
RE: SNIPERS - São Utilizados Por Serviços Secretos (CIA, Mossad, KGB, BND)
O colega Roseinberg(verifica como escreve direito o nome) parece entender bastante de rifles à distância! Que pontaria heim? Desde 2011 aqui e só com 24 respostas, e foi gostar justamente desse post! Será que tenho que permanecer há uma distância segura de mais de 50 metros de ti, meu camarada? Vai que minhas respostas não agradem a tu...

kkkkkkkkkkkk! tô de brinks! Mas você há de convir que esse último comentário ficou parecendo com aquele bilhete que o médico do Michael enviou para a Paris Jackson. Mas peço que me perdoe pela brincadeira de mau gosto, é que a gente, de tanto ler sobre teoria da conspiração, fica meio com receio da própria sombra, com paranoia, não é? Espero que não me leve a mal, pois sou mais uma das pessoas idealistas que pensa que pode fazer diferença, uma iludida, veja você, já que tudo ao redor nos mostra que estamos lutando uma guerra perdida, mas a minha natureza é essa, e tudo o que desejo é o bem da humanidade, do jeitinho que ela é, lenta na evolução, com todos os seus defeitos genéticos e desavenças estúpidas, porque na minha opinião simplória é isso o que torna tudo muito mais interessante.
Encontrar todas as respostas deste usuário
Adiciona agradecimento Citar esta mensagem em uma resposta
[-] O(s) seguinte(s) 1 usuário disse obrigado a mirtesavelaneda pelo seu post:
Spectro (18-07-2013)
Responder 


Tópicos Similares
Tópico: Autor Respostas Visualizações: Última Resposta
Music FBI - Arquivos Secretos que atestam HITLER foi para a Argentina mirtesavelaneda 3 2,048 05-04-2014 11:55 PM
Última Resposta: Peregrino
  CERN, testes secretos de 17 a 21-12-2012 ? nunes3373 56 22,125 10-09-2013 11:15 AM
Última Resposta: nunes3373
  Dados secretos da NASA (Com fotos) Jeyjin 15 12,744 29-12-2012 12:35 PM
Última Resposta: Jeyjin
Bug [EUA]- Servicos Secretos Compram 26 Aparelhos de ID e Recolha de Comunicacão Sem fio snoop_dogg10 0 1,147 12-06-2012 03:15 PM
Última Resposta: snoop_dogg10
  Mossad sob suspeita de atacar programa de mísseis no Irã tribalwarriorvictor 5 3,087 17-11-2011 05:19 PM
Última Resposta: tribalwarriorvictor

Ir ao Fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitantes
Tópicos relacionados...

Publicidade:
Anuncie no Fórum Anti-Nova Ordem Mundial

Recomende o Fórum


Sites Associados: Dossiê Vacina HPV
Registro de Efeitos Adversos das Vacinas
Rastreando Chemtrails
Site Notícias Naturais
Fórum Notícias Naturais Blog Anti-Nova Ordem Mundial

Pesquisar

(Pesquisa Avançada)

Olá, Visitante
Olá Visitante!
Para participar do fórum, é necessário se Registrar.



  

Senha
  





Usuários Online
Existem no momento 133 usuários online.
» 5 Membros | 128 Visitantes
Adriano de Vasconcelos, anon79i, gabrigodofwar, lizardman, vsm

Estatísticas do Fórum
» Membros: 14,348
» Último Membro: Adriano de Vasconcelos
» Tópicos do Fórum: 18,982
» Respostas do Fórum: 180,759

Estatísticas Completas

Tópicos Recentes
Comissão da OAB pede cassação da candidatura de Levy Fidelix
Última Resposta Por: luchmalaq
Hoje 01:15 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 79
Questão da educação no país
Última Resposta Por: Rox Extreme
Hoje 01:07 AM
» Respostas: 4
» Visualizações: 368
Mr Pickles
Última Resposta Por: sumaia
Hoje 12:30 AM
» Respostas: 18
» Visualizações: 2522
Maconha estatal avança no Uruguai contra a população
Última Resposta Por: sumaia
Hoje 12:24 AM
» Respostas: 21
» Visualizações: 1672
Por isso que o PT não queria que FHC privatizasse as estatais
Última Resposta Por: Maiode1968
Hoje 12:06 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 168
EUA Perdeu o Respeito do Mundo
Última Resposta Por: Diakonov
Hoje 12:00 AM
» Respostas: 1
» Visualizações: 849
Admiravel mundo novo vs 1984
Última Resposta Por: Julio Cesar
Ontem 11:43 PM
» Respostas: 6
» Visualizações: 728
Analista econômico prevê “o fim do Brasil” para 2015
Última Resposta Por: Maiode1968
Ontem 11:37 PM
» Respostas: 7
» Visualizações: 598
Morre Dr. Stanley Monteith, um dos primeiros á expor e lutar contra a NOM
Última Resposta Por: eduvix
Ontem 11:24 PM
» Respostas: 3
» Visualizações: 501
Desabafo de um desiludido; Que venha a Guerra.
Última Resposta Por: Cida Oliveira
Ontem 10:27 PM
» Respostas: 10
» Visualizações: 1203
Conquistaremos a sua Roma, destruiremos as suas cruzes e escravizaremos suas mulheres
Última Resposta Por: Spectro
Ontem 10:23 PM
» Respostas: 17
» Visualizações: 1583
Ebola está fora de controle, dizem EUA
Última Resposta Por: rogcon
Ontem 10:16 PM
» Respostas: 12
» Visualizações: 1490
Protestos em Hong-Kong - 2014
Última Resposta Por: Peregrino
Ontem 09:43 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 394
Homem anuncia ataque terrorista em hotel em Brasília
Última Resposta Por: Espreitando
Ontem 09:00 PM
» Respostas: 17
» Visualizações: 1670
Vírus Ebola Mortal, agora "uma ameaça regional", se espalha para capital de Guiné
Última Resposta Por: pequeno gafanhoto
Ontem 08:43 PM
» Respostas: 67
» Visualizações: 13399
Eurásia: integração do século XXI
Última Resposta Por: Henriquepp30
Ontem 07:40 PM
» Respostas: 13
» Visualizações: 1517
Confirmado: Documentos Secretos Provam que a Vacina Triplice Viral Causa Autismo
Última Resposta Por: admin
Ontem 07:36 PM
» Respostas: 0
» Visualizações: 230
Gráfico: A dependência européia do gás russo
Última Resposta Por: Henriquepp30
Ontem 06:57 PM
» Respostas: 38
» Visualizações: 5424
Incêndios espontâneos em vilarejo intrigam Itália
Última Resposta Por: Padawan
Ontem 06:39 PM
» Respostas: 2
» Visualizações: 492
Alunos da rede pública denunciam geo-engenharia (Chemtrail) em feira de ciências
Última Resposta Por: Peregrino
Ontem 06:14 PM
» Respostas: 9
» Visualizações: 2612
Quem é o seu "exemplo de Anti-NOM"?
Última Resposta Por: robertaocontagem
Ontem 06:05 PM
» Respostas: 60
» Visualizações: 7721
Pesquisas cientificas sobre a reencarnação.
Última Resposta Por: Marcusmho
Ontem 05:55 PM
» Respostas: 73
» Visualizações: 5309
Ataques em Santa Catarina - Atualizações
Última Resposta Por: GU4RD1ÃO
Ontem 12:50 PM
» Respostas: 20
» Visualizações: 5665
Amor. Uma questão de bioquímica?
Última Resposta Por: marcomilanez
Ontem 12:28 PM
» Respostas: 12
» Visualizações: 968
E agora a SÍRIA...
Última Resposta Por: Henriquepp30
Ontem 11:48 AM
» Respostas: 291
» Visualizações: 68948
A Santa Cruzada de Santo Obama
Última Resposta Por: GU4RD1ÃO
Ontem 11:42 AM
» Respostas: 0
» Visualizações: 317
Mercado mundial do Ouro
Última Resposta Por: GU4RD1ÃO
Ontem 11:21 AM
» Respostas: 13
» Visualizações: 4620
Lutando no Iraque até o inferno congelar
Última Resposta Por: GU4RD1ÃO
Ontem 11:16 AM
» Respostas: 2
» Visualizações: 872
Estrondo inexplicável em Canoas, Esteio e região
Última Resposta Por: Francisco Silva
Ontem 04:29 AM
» Respostas: 27
» Visualizações: 6779
iPhone 6 dá um nó na cabeça dos espiões da NSA
Última Resposta Por: FaNtOmAs
29-09-2014 09:56 PM
» Respostas: 9
» Visualizações: 1613

Lista completa de tópicos

Divulgue o fórum em seu site!

Camisetas:
camisetas resista à nova ordem mundial